Opinião

Família: escola da alma

diario da manha

Ami­gos(as) lei­to­res(as), ao fa­zer­mos pes­qui­sa no di­ci­o­ná­rio, po­de­mos en­con­trar as se­guin­tes de­fi­ni­ções pa­ra o ter­mo fa­mí­lia: pes­so­as apa­ren­ta­das, que vi­vem em ge­ral na mes­ma ca­sa, par­ti­cu­lar­men­te o pai, a mãe e os fi­lhos; pes­so­as uni­das por la­ços afe­ti­vos, de pa­ren­tes­co, pe­lo san­gue, ou pe­lo ca­sa­men­to.

Mas se­rá que es­se sig­ni­fi­ca­do co­mum, de pes­so­as apa­ren­ta­das que vi­vem sob um mes­mo te­to, é su­fi­ci­en­te pa­ra com­pre­en­der­mos a re­le­vân­cia des­ta or­ga­ni­za­ção com tan­tas par­ti­cu­la­ri­da­des que é a fa­mí­lia? O que o Es­pi­ri­tis­mo nos diz a res­pei­to?

A Dou­tri­na Es­pí­ri­ta apre­sen­ta a fa­mí­lia co­mo um ins­ti­tu­to aben­ço­a­do, em que um gru­po de Es­pí­ri­tos ne­ces­si­ta­dos, e em com­pro­mis­sos ina­diá­veis de au­xí­lio ou re­pa­ra­ção uns com os ou­tros, em obe­di­ên­cia à Lei de Cau­sa e Efei­to, re­en­con­tram-se, num pro­gra­ma de pro­vas e ex­pi­a­ções, gra­ças ao prin­cí­pio da re­en­car­na­ção.

O Es­pí­ri­to The­re­za de Bri­to, no li­vro Ve­re­da Fa­mi­liar, psi­co­gra­fa­do por Ra­ul Tei­xei­ra, diz que “A fa­mí­lia, in­ques­ti­o­na­vel­men­te, cons­ti­tui o mais no­tá­vel nú­cleo de li­ber­ta­ção e de apren­di­za­gem pa­ra os Es­pí­ri­tos che­ga­dos ao mun­do das den­sas ener­gi­as, nas ati­vi­da­des da re­no­va­ção in­di­vi­dual.”

Em­ma­nu­el, em Vi­da e Se­xo, psi­co­gra­fia de Chi­co Xa­vi­er, com­ple­ta: “De to­das as as­so­cia­ções exis­ten­tes na Ter­ra – ex­ce­tu­an­do na­tu­ral­men­te a Hu­ma­ni­da­de – ne­nhu­ma tal­vez se­ja mais im­por­tan­te em sua fun­ção edu­ca­do­ra e re­ge­ne­ra­ti­va do que a cons­ti­tu­i­ção da fa­mí­lia.”

Des­te mo­do, “no pe­que­no gru­po do­més­ti­co ini­cia-se a ex­pe­ri­ên­cia da fra­ter­ni­da­de uni­ver­sal, en­sai­an­do-se os pas­sos pa­ra os no­bres co­me­ti­men­tos em fa­vor da cons­tru­ção da so­ci­e­da­de equi­li­bra­da”, con­for­me nos en­si­na Jo­an­na de Ân­ge­lis na obra Cons­te­la­ção Fa­mi­liar, psi­co­gra­fa­da por Di­val­do Fran­co.

Fi­ca cla­ro, de acor­do com a Dou­tri­na Es­pí­ri­ta, a im­por­tan­te fun­ção edu­ca­do­ra e re­ge­ne­ra­do­ra da fa­mí­lia, di­an­te do pro­ces­so da edi­fi­ca­ção mo­ral do ho­mem.

E exis­tem fa­mí­lias for­ma­das ape­nas por de­sa­fe­tos do pas­sa­do?

De acor­do com os en­si­na­men­tos de O Evan­ge­lho Se­gun­do o Es­pi­ri­tis­mo, no Cap. XIV:

“Os que en­car­nam nu­ma fa­mí­lia, so­bre­tu­do co­mo pa­ren­tes pró­xi­mos, são, as mais das ve­zes, Es­pí­ri­tos sim­pá­ti­cos, li­ga­dos por an­te­rio­res re­la­ções, que se ex­pres­sam por uma afei­ção re­cí­pro­ca na vi­da ter­re­na. Mas, tam­bém po­de acon­te­cer se­jam com­ple­ta­men­te es­tra­nhos uns aos ou­tros es­ses Es­pí­ri­tos, afas­ta­dos en­tre si por an­ti­pa­ti­as igual­men­te an­te­rio­res, que se tra­du­zem na Ter­ra por um mú­tuo an­ta­go­nis­mo, que aí lhes ser­ve de pro­va­ção.”

Es­tá aí a ex­pli­ca­ção pa­ra os de­sen­ten­di­men­tos que acon­te­cem, às ve­zes, en­tre os in­te­gran­tes da fa­mí­lia.

Em vir­tu­de de o es­tá­gio evo­lu­ti­vo de nos­so pla­ne­ta (de pro­vas e ex­pi­a­ções), as fa­mí­lias que ne­le se for­mam, na qua­se to­ta­li­da­de, são com­pos­tas por Es­pí­ri­tos ad­ver­sos en­tre si, ou se­ja, de­ve­do­res e cre­do­res. Unem-se com a fi­na­li­da­de prin­ci­pal de acer­ta­rem, pe­ran­te a lei do Amor, ve­lhas con­tas de pas­sa­das exis­tên­cias.

O ve­ne­rá­vel es­pí­ri­to Em­ma­nu­el nos en­si­na com mui­ta pro­pri­e­da­de, no li­vro Leis de Amor (psi­co­gra­fia de Chi­co Xa­vi­er) que:

“De mo­do ge­ral, nas leis do des­ti­no, o ma­ri­do fal­to­so é aque­le mes­mo ho­mem que, um dia, in­cli­na­mos à cru­el­da­de e à men­ti­ra.

E a es­po­sa de­se­qui­li­bra­da?

(…) é aque­la mu­lher que, cer­ta fei­ta, re­le­ga­mos à ne­ces­si­da­de e à vi­ci­a­ção.

E quem são os fi­lhos-pro­ble­mas?

São aque­les mes­mos Es­pí­ri­tos que pre­ju­di­ca­mos, des­fi­gu­ran­do-lhes o ca­rá­ter e en­ve­ne­nan­do-lhes os sen­ti­men­tos” – con­clui.

Sen­do as­sim, “o Es­pí­ri­to re­nas­ce no mes­mo meio em que já vi­veu, es­ta­be­le­cen­do de no­vo re­la­ções com as mes­mas pes­so­as, a fim de re­pa­rar o mal que lhes ha­ja fei­to”, con­for­me ex­pli­ca­ções do Cap. V de O Evan­ge­lho Se­gun­do o Es­pi­ri­tis­mo.

Po­de-se en­ten­der, daí, as bri­gas cons­tan­tes – e sem ex­pli­ca­ção, se ob­ser­var­mos ape­nas o la­do ma­te­ri­al da si­tu­a­ção – en­tre os ca­sais, en­tre pa­is e fi­lhos (co­mo, por exem­plo, os pa­is que re­jei­tam seus fi­lhos ain­da be­bês, que nun­ca lhes fi­ze­ram mal nes­ta vi­da, pois aca­ba­ram de nas­cer), as dis­pu­tas vi­o­len­tas en­tre ir­mãos, en­tre avós e ne­tos, tios e so­bri­nhos, etc.

Jo­an­na de Ân­ge­lis, no­va­men­te na obra Cons­te­la­ção Fa­mi­liar, res­sal­ta que “a fa­mí­lia vem per­den­do as ca­rac­te­rís­ti­cas de san­tu­á­rio, de es­co­la, de ofi­ci­na mo­ral de apri­mo­ra­men­to, pa­ra trans­for­mar-se em pal­co de afli­ções e dis­pa­ra­tes sem no­me, re­sul­tan­do, di­ver­sas ve­zes, em tra­gé­di­as do­lo­ro­sas, em fa­ce da in­sen­sa­tez dos seus mem­bros.”

E ela tem ra­zão. Atu­al­men­te, a con­vi­vên­cia fa­mi­liar den­tro do lar se re­ve­la ca­da vez mais ego­ís­ta e sem afe­to mú­tuo.

Pa­ra al­guns psi­có­lo­gos, es­pe­cia­lis­tas no aten­di­men­to às fa­mí­lias, o ter­mô­me­tro da re­la­ção fa­mi­liar, da har­mo­nia, é o ca­ri­nho. Quan­do ele não mais exis­te nas con­ver­sas, no to­que, no re­la­ci­o­na­men­to em ge­ral, há com cer­te­za um avi­so de rom­pi­men­to par­ci­al ou to­tal de con­vi­vên­cia. Daí sur­gem sen­ti­men­tos de cul­pa e de re­pul­sa; ani­mo­si­da­des; in­di­fe­ren­ças; com­pe­ti­ção, ao in­vés de co­o­pe­ra­ção; in­gra­ti­dão dos fi­lhos pa­ra com seus pa­is; in­com­pre­en­são dos pa­is com seus fi­lhos, ou se­ja, a fa­mí­lia es­tá do­en­te.

E co­mo re­sol­ver as di­fi­cul­da­des de mi­nha fa­mí­lia em de­se­qui­lí­brio? Sa­ir cor­ren­do, sem nem olhar pa­ra trás? Fu­gir? Mu­dar de ca­sa e de fa­mí­lia? Afas­tar-me o mais lon­ge pos­sí­vel de meus pa­ren­tes?

Pa­ra pi­o­rar ain­da mais: e se a cul­pa for mi­nha? O que fa­zer?

A res­pos­ta pa­ra o ques­ti­o­na­men­to é bas­tan­te sé­ria e de fun­da­men­tal im­por­tân­cia pa­ra a nos­sa evo­lu­ção mo­ral e es­pi­ri­tual.

Ama­mos nos­sa fa­mí­lia, não ama­mos? Em ge­ral, as pes­so­as que mais te­mos apre­ço não são jus­ta­men­te nos­sos en­tes que­ri­dos?

Por­tan­to, a res­pos­ta é ca­te­go­ri­ca­men­te não. Não de­ve­mos afas­tar ou sa­ir cor­ren­do de nos­sos fa­mi­lia­res. Is­so não re­sol­ve­rá na­da, pe­lo con­trá­rio, só adia­rá a re­pa­ra­ção, que, pe­la bon­da­de di­vi­na, de­ve ser con­cre­ti­za­da en­tre nós.

Exis­te, de fa­to, uma quan­ti­da­de enor­me de la­res, nos qua­is ain­da re­i­na a de­sar­mo­nia, im­pe­ra a des­con­fi­an­ça, e on­de os con­fli­tos mo­ra­is se trans­for­mam em do­lo­ro­sas tra­gé­di­as. E, mui­tas ve­zes, sim, a cul­pa é mi­nha e não dos meus en­tes que­ri­dos.

Não de­ve­mos es­que­cer, po­rém, co­mo men­ci­o­na­do no tí­tu­lo des­te tex­to, que a fa­mí­lia é a es­co­la da al­ma. Em­ma­nu­el, in­clu­si­ve, diz que “A me­lhor es­co­la ain­da é o Lar.”

E o que fa­ze­mos na es­co­la?

Na es­co­la apren­de­mos!

Co­mo au­xí­lio ime­di­a­to pa­ra as an­gús­ti­as fa­mi­lia­res, te­mos os en­si­na­men­tos do Es­pi­ri­tis­mo, que pe­la so­ma de co­nhe­ci­men­tos que es­pa­lha tem si­do meio efi­ci­en­te pa­ra que mui­tos la­res mo­men­ta­ne­a­men­te em pro­va­ção se re­a­jus­tem e se con­so­li­dem, dan­do os pri­mei­ros pas­sos na di­re­ção do In­fi­ni­to Bem.

É na pró­pria fa­mí­lia que va­mos apren­der tu­do o que pre­ci­sa­mos pa­ra con­vi­ver­mos me­lhor en­tre os seus in­te­gran­tes e, con­se­quen­te­men­te, en­tre os mem­bros da so­ci­e­da­de, o nos­so pró­xi­mo.

Ci­ta­re­mos, de for­ma re­su­mi­da, bre­ves ori­en­ta­ções dou­tri­ná­rias, re­ti­ra­das de di­ver­sas obras es­pí­ri­tas, pa­ra o nos­so apri­mo­ra­men­to em fa­mí­lia:

– Em pri­mei­ro lu­gar, vi­gi­ar e orar, cons­tru­in­do um lar fir­ma­do nas ba­ses no Evan­ge­lho de Je­sus, em har­mo­nia, per­mi­tin­do que ca­da um dos seus com­po­nen­tes pos­sa re­fa­zer-se;

– Ter­mos boa von­ta­de, to­le­rân­cia e hu­mil­da­de, co­lo­can­do o to­que má­gi­co do amor e do en­ten­di­men­to em nos­sa fa­mí­lia, pois o lar cons­tru­í­do com amor e res­pei­to é o lu­gar on­de os fi­lhos são pre­pa­ra­dos pa­ra a vi­da no mun­do ex­te­ri­or. O Es­pí­ri­to An­dré Lu­iz afir­ma: “So­mos ar­qui­te­tos de nos­sa pró­pria es­tra­da e se­re­mos co­nhe­ci­dos pe­la in­flu­ên­cia que pro­je­ta­mos na­que­les que nos cer­cam”;

– Exer­cer a nos­sa ma­tu­ri­da­de emo­cio­nal e per­do­ar sem­pre, exem­pli­fi­can­do a in­dul­gên­cia e a to­le­rân­cia pe­ran­te os in­te­gran­tes de nos­sa fa­mí­lia e, tam­bém, apa­zi­guan­do as de­sa­ven­ças que sur­gi­rem, sa­ben­do o que fa­lar e quan­do se faz ne­ces­sá­rio si­len­ci­ar. Nun­ca es­que­ça­mos da má­xi­ma do Cris­to: “Re­con­ci­lia-te com o teu ad­ver­sá­rio en­quan­to es­tás a ca­mi­nho com ele”;

– Re­no­var os nos­sos an­ti­gos há­bi­tos e pra­ti­car a ca­ri­da­de com os en­tes que­ri­dos, pas­san­do a ter a ha­bi­li­da­de em li­dar com ten­sões e di­fe­ren­ças, de for­ma sem­pre cons­tru­ti­va. Is­to com cer­te­za con­ta­gi­a­rá to­da a fa­mí­lia, pois “a pa­la­vra con­ven­ce e o exem­plo ar­ras­ta”;

– Fre­quen­tar uma ca­sa es­pí­ri­ta sé­ria, on­de, além de apren­der­mos con­ti­nua­men­te, atra­vés das pa­les­tras edi­fi­can­tes e es­tu­dan­do as obras da Dou­tri­na Es­pí­ri­ta, re­ce­be­re­mos to­da a as­sis­tên­cia es­pi­ri­tual ne­ces­sá­ria pa­ra nós, nos­so lar e to­dos os fa­mi­lia­res;

– Pra­ti­car o Cul­to do Evan­ge­lho no lar, o qual pro­pi­ci­a­rá uma re­fle­xão fa­mi­liar so­bre os en­si­na­men­tos do mes­tre Je­sus e, ain­da, des­per­ta­rá em to­dos o com­pro­mis­so da re­for­mu­la­ção das ações de ca­da um;

– Co­nhe­cer e acei­tar os li­mi­tes do ou­tro;

– En­fim, fa­ça­mos a nos­sa par­te com mui­to afin­co e con­fi­e­mos na pro­vi­dên­cia di­vi­na, pois pa­ra Deus na­da é im­pos­sí­vel.

É se­rá que é fá­cil re­a­li­zar to­das es­sas mu­dan­ças?

A res­pos­ta a es­sa per­gun­ta de­pen­de ex­clu­si­va­men­te do nos­so que­rer, pois to­dos te­mos al­go em co­mum, que é a ca­pa­ci­da­de de mu­dar o nos­so pró­prio mo­do de ser e, por pos­su­ir­mos es­sa ap­ti­dão, é que po­de­mos nos de­sen­vol­ver, evo­lu­ir e ser­mos me­lho­res ho­je do que fo­mos on­tem. Tal­vez, fal­ta-nos um pou­co de von­ta­de de ar­re­ga­çar as man­gas em bus­ca de nos­so pro­gres­so in­di­vi­dual, pa­ra não ser­mos alu­nos (na es­co­la da al­ma) sem­pre re­pe­tin­do de ano.

Quan­do pro­cu­ra­mos apren­der coi­sas no­vas, nos me­lho­ra­mos co­mo pes­so­as e so­mos ca­pa­zes de ser mais fe­li­zes e, co­mo con­se­quên­cia, po­de­mos ofe­re­cer mo­men­tos fe­li­zes aos que nos ro­dei­am.

E se eu me es­for­çar mui­to e con­se­guir cum­prir os de­síg­nios de Deus em fa­mí­lia, o que acon­te­ce­rá? Se­rei re­com­pen­sa­do?

A es­se res­pei­to, O Evan­ge­lho Se­gun­do o Es­pi­ri­tis­mo nos ori­en­ta no Cap. V: “De­veis con­si­de­rar-vos fe­li­zes por so­frer­des, vis­to que as do­res des­te mun­do são o pa­ga­men­to da dí­vi­da que as vos­sas pas­sa­das fal­tas vos fi­ze­ram con­tra­ir; su­por­ta­das pa­ci­en­te­men­te na Ter­ra, es­sas do­res vos pou­pam sé­cu­los de so­fri­men­tos na vi­da fu­tu­ra”. Eis a res­pos­ta, a qual de­ve­mos guar­dar co­mo um va­lo­ro­so es­tí­mu­lo.

Mui­ta paz a to­das as fa­mí­lias!

 

(Mar­ce­lo Ar­ru­da, es­pí­ri­ta, pa­les­tran­te do Gru­po de Edi­fi­ca­ção Es­pí­ri­ta/GEE e mem­bro ocu­pan­te da ca­dei­ra nº22 da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás/ACE­LEG. E-mail: ma­ar­ru­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais