Opinião

O Brasil pede socorro à CNBB!

diario da manha

O Bra­sil en­con­tra-se à bei­ra do abis­mo e pe­de so­cor­ro à Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB). No mo­men­to, a CNBB é a úni­ca En­ti­da­de que – se qui­ser – tem con­di­ções de re­ver­ter es­sa si­tu­a­ção de ex­tre­ma gra­vi­da­de e pe­ri­cu­lo­si­da­de, evi­tan­do que o pa­ís caia no abis­mo

Bas­ta que a pre­si­dên­cia da CNBB (Dom Sér­gio – pre­si­den­te, Dom Mu­ri­lo – vi­ce-pre­si­den­te e Dom Le­o­nar­do – se­cre­tá­rio-ge­ral), num ges­to pro­fé­ti­co, to­me com ur­gên­cia as se­guin­tes ati­tu­des:

4 con­vo­que a im­pren­sa e os ou­tros mei­os de co­mu­ni­ca­ção;

4 dê uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va a ser di­vul­ga­da nos jor­nais, nas re­des de rá­dio e te­le­vi­são e em to­das as re­des so­ci­ais do Bra­sil;

4 anun­cie o Evan­ge­lho da Paz de Je­sus de Na­za­ré;

4 pro­cla­me, al­to e bom som, que o pro­je­to po­lí­ti­co do can­di­da­to Ja­ir Bol­so­na­ro – por ser um pro­je­to que de­fen­de a vi­o­lên­cia, o por­te de ar­mas, a tor­tu­ra, a pe­na de mor­te e ou­tras bar­ba­ri­da­des, in­clu­si­ve com uma vul­ga­ri­da­de ver­bal que dá no­jo – é to­tal e fron­tal­men­te con­trá­rio ao Evan­ge­lho da Paz de Je­sus de Na­za­ré;

4 co­mu­ni­que, com to­das as le­tras, que – pe­las ra­zões aci­ma ex­pos­tas – ne­nhum cris­tão ca­tó­li­co ou cris­tã ca­tó­li­ca de­ve vo­tar no can­di­da­to a pre­si­den­te,  Ja­ir Bol­so­na­ro;

4 de­cla­re, por fim, que os cris­tã­os ca­tó­li­cos e cris­tãs ca­tó­li­cas que vo­ta­rem no can­di­da­to Ja­ir Bol­so­na­ro, es­ta­rão im­pe­di­dos/as de par­ti­ci­par da Ceia do Se­nhor, que é co­mu­nhão de amor en­tre ir­mãos e ir­mãs.

Até o pre­sen­te, mui­tos cris­tã­os e cris­tãs de nos­sa Igre­ja Ca­tó­li­ca es­tão per­ple­xos/as, de­cep­cio­na­dos/as e in­dig­na­dos/as com o si­lên­cio da pre­si­dên­cia da CNBB. Es­se si­lên­cio é um con­tra­tes­te­mu­nho que es­can­da­li­za o Po­vo de Deus, é um pe­ca­do de omis­são, é uma trai­ção do Evan­ge­lho da Paz de Je­sus de Na­za­ré. Com es­se com­por­ta­men­to, a pre­si­dên­cia da CNBB tor­na-se cúm­pli­ce e res­pon­sá­vel por tu­do o que po­de­rá acon­te­cer no Bra­sil de­pois do dia 28 de ou­tu­bro.

A No­ta Con­jun­ta “Re­pú­dio a to­da ma­ni­fes­ta­ção de ódio, vi­o­lên­cia, in­to­le­rân­cia, pre­con­cei­to e des­pre­zo dos di­rei­tos hu­ma­nos”, do dia 19 des­te mês, as­si­na­da por Dom Le­o­nar­do (pe­la CNBB), Cláu­dio Pa­che­co (pe­la OAB) e por re­pre­sen­tan­tes de mais cin­co En­ti­da­des é tí­mi­da, ge­né­ri­ca e inó­cua. É uma No­ta que diz tu­do e, ao mes­mo tem­po, não diz na­da. É uma No­ta de quem olha a re­a­li­da­de sem sa­ir de ci­ma do mu­ro.

Dom An­dré de Wit­te, bis­po de Rui Bar­bo­sa (BA) e pre­si­den­te da Co­mis­são Pas­to­ral da Ter­ra (CPT), de­pois de afir­mar que “a elei­ção de Ja­ir Bol­so­na­ro pa­ra a pre­si­dên­cia do Bra­sil re­pre­sen­ta­ria um pe­ri­go re­al pa­ra o pa­ís”, afir­ma: “Nu­me­ro­sos são os bis­pos que têm me­do de fa­lar fran­ca­men­te. Fal­ta uma men­sa­gem ime­di­a­ta e cla­ra. O po­vo se res­sen­te des­ta fal­ta”.

Diz ain­da: “Bol­so­na­ro tem um dis­cur­so ra­cis­ta, pre­ga a dis­cri­mi­na­ção con­tra as po­pu­la­ções ne­gras, con­tra as mu­lhe­res, quer su­pri­mir a de­mar­ca­ção das ter­ras in­dí­ge­nas na Ama­zô­nia”. “Sua ati­tu­de – con­ti­nua Dom An­dré – é pe­ri­go­sa: ele pre­ga a vi­o­lên­cia ar­ma­da, afir­man­do que ban­di­do bom é ban­di­do mor­to… Ele quer mais re­pres­são e até re­com­pen­sar os po­li­ci­ais que sa­em ati­ran­do nos de­lin­quen­tes. Ele quer mais pri­sões e me­nos re­cur­sos pa­ra a edu­ca­ção. Ele quer re­for­çar a se­gu­ran­ça sem ana­li­sar os pro­ble­mas so­ci­ais que são, em gran­de par­te, a ra­iz da in­se­gu­ran­ça”. Ter­mi­na, di­zen­do: “Es­pe­ro, an­tes que se­ja tar­de, que to­da a so­ci­e­da­de acor­de fa­ce ao gran­de pe­ri­go que se anun­cia!” .

Adol­fo Pe­rez Es­qui­vel, Prê­mio No­bel da Paz, de­cla­ra: “A vi­tó­ria de Bol­so­na­ro po­de re­pre­sen­tar um pe­ri­go mui­to gran­de não ape­nas pa­ra o po­vo bra­si­lei­ro, mas pa­ra o con­ti­nen­te”. “O Bol­so­na­ro – con­ti­nua Adol­fo Pe­rez Es­qui­vel – vai cau­sar mui­to es­tra­go ao Bra­sil por­que vol­tam a sur­gir o que po­dem ser as con­se­quên­cias dos go­ver­nos au­to­ri­tá­rios, com me­nos di­rei­tos ci­da­dã­os, em no­me da se­gu­ran­ça. Es­pe­ra­mos que o po­vo bra­si­lei­ro to­me con­sci­ên­cia; do con­trá­rio, vai ha­ver um ob­scu­ran­tis­mo e um es­tra­go mui­to for­te. A de­mo­cra­cia é uma cons­tru­ção co­le­ti­va e é sem­pre pas­sí­vel de aper­fei­ço­a­men­tos”.

Con­clui di­zen­do: “A Igre­ja Ca­tó­li­ca de­ve le­van­tar sua voz. Não acre­di­to que a Igre­ja não se me­te na po­lí­ti­ca. A Igre­ja sem­pre fez po­lí­ti­ca, da boa e da ou­tra. A Igre­ja pre­ci­sa ter uma pre­sen­ça ati­va. Tem que es­tar pre­sen­te. E não fi­car de um la­do, tan­gen­ci­al aos pro­ble­mas da vi­da do po­vo do Bra­sil e da Amé­ri­ca La­ti­na. E por is­so é im­por­tan­te re­vi­ver Me­del­lín, Pu­e­bla e Apa­re­ci­da. De­ve­mos re­tor­nar às fon­tes e ter uma pre­sen­ça jun­to aos po­vos”.

Dom Sér­gio, Dom Mu­ri­lo e Dom Le­o­nar­do – que res­pec­ti­va­men­te pres­tam o ser­vi­ço de pre­si­den­te, vi­ce-pre­si­den­te e se­cre­tá­rio-ge­ral da CNBB – co­mo ir­mão e con­fi­an­do na sen­si­bi­li­da­de hu­ma­na e cris­tã de vo­cês, su­pli­co: em no­me do Evan­ge­lho da Paz de Je­sus de Na­za­ré (não de um par­ti­do po­lí­ti­co), aten­dam ao pe­di­do de so­cor­ro do Bra­sil; não te­nham me­do de de­sa­gra­dar, não se­jam co­var­des, não co­lo­quem a “di­plo­ma­cia” no lu­gar da “pro­fe­cia”. Vo­cês sa­bem mui­to bem que – no 2º tur­no das elei­ções pre­si­den­ci­ais – não se tra­ta de uma ques­tão po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria, mas de uma ques­tão de pro­je­to de vi­da ou pro­je­to de mor­te.

O tem­po ur­ge! Não dá mais pa­ra es­pe­rar! Se­jam pro­fe­tas de Je­sus de Na­za­ré! O Bra­sil exi­ge is­so de vo­cês!

Que lou­cu­ra! Que ir­res­pon­sa­bi­li­da­de!

É is­so que o Bra­sil quer?!

A Igre­ja po­de fi­car ca­la­da di­an­te des­se ab­sur­do?!

Em tem­po: Dia 24 des­te mês, a CNBB pu­bli­cou a No­ta “Por oca­si­ão do se­gun­do tur­no das elei­ções de 2018”. A No­ta re­a­fir­ma va­lo­res e con­de­na an­ti­va­lo­res  (o que é po­si­ti­vo), mas não “es­cu­ta” e não “in­ter­pre­ta” os si­nais dos tem­pos à luz do Evan­ge­lho. Os si­nais dos tem­pos são fa­tos ou acon­te­ci­men­tos his­tó­ri­cos con­cre­tos que têm no­me, da­ta e lu­gar (por exem­plo, os pro­je­tos po­lí­ti­cos dos can­di­da­tos a pre­si­den­te em 2018, as elei­ções em 2018 e ou­tros). A “es­cu­ta” e “in­ter­pre­ta­ção” dos si­nais dos tem­pos (tão re­co­men­da­das pe­lo Con­cí­lio Va­ti­ca­no II) le­va a Igre­ja e a to­dos/as nós a fa­zer “op­ções”, a to­mar “ati­tu­des” e a re­a­li­zar “ações” (ou “atos”) si­tu­a­das no tem­po e no es­pa­ço.

 

(Mar­cos Sas­sa­tel­li, fra­de do­mi­ni­ca­no, dou­tor em Fi­lo­so­fia (USP) e em Te­o­lo­gia Mo­ral (As­sun­ção – SP), pro­fes­sor apo­sen­ta­do de Fi­lo­so­fia da UFG)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela