Opinião

O direito de sonhar

diario da manha

Di­ri­gi­do pe­lo jo­vem e ta­len­to­so Da­mi­en Cha­zel­le, o fil­me ‘O pri­mei­ro ho­mem’ po­de des­per­tar des­cré­di­to na­que­les que de­fen­dem que o ho­mem não foi pa­ra a lua e que tu­do não pas­sou de uma ar­ma­ção nor­te-ame­ri­ca­na. De qual­quer mo­do, a obra emo­cio­na por mos­trar a ca­pa­ci­da­de de so­nhar e de se aven­tu­rar.

A pe­lí­cu­la ques­ti­o­na o di­nhei­ro e as mor­tes ocor­ri­das no pro­ces­so, in­clu­si­ve por­que po­de­mos pen­sar qua­is be­ne­fí­ci­os con­cre­tos de­cor­re­ram des­sa jor­na­da. Um fa­to ar­tís­ti­co, po­rém, é que o fil­me, pon­tu­a­do pe­la be­la tri­lha so­no­ra de Jus­tin Hurwitz, o mes­mo de “La La Land’, abor­da a sa­ga do as­tro­nau­ta Neil Armstrong, que dei­xou a pri­mei­ra pe­ga­da hu­ma­na no sa­té­li­te, com sen­si­bi­li­da­de.

A obra en­fa­ti­za a per­da da fi­lha de Neil, ain­da cri­an­ça, por um cân­cer no cé­re­bro, o re­la­ci­o­na­men­to de­le com seus dois fi­lhos pe­que­nos e en­fa­ti­za seu tem­pe­ra­men­to in­tro­ver­ti­do e a sua fri­e­za téc­ni­ca, que mui­to o aju­da­ram a ser es­co­lhi­do co­mo co­man­dan­te da mis­são, já que ti­nha san­gue frio em si­tu­a­ções de cri­se e pa­ra li­dar com a im­pren­sa mun­di­al, tan­to nos fra­cas­sos co­mo nos su­ces­sos das mis­sões es­pa­cia­is.

O pa­pel da es­po­sa, bri­lhan­te­men­te in­ter­pre­ta­da por Clai­re Foy, é um dos pon­tos al­tos do fil­me, já que li­dar com du­as cri­an­ças e com o co­ti­dia­no de um ma­ri­do que po­dia mor­rer a qual­quer mo­men­to a co­lo­ca­vam emo­cio­nal­men­te em xe­que o  tem­po to­do. Is­so sem con­tar os com­ple­xos elos de so­li­da­ri­e­da­de com as es­po­sas dos ou­tros no­ve as­tro­nau­tas que par­ti­ci­pa­vam do pro­je­to.

Neil e a es­po­sa, nes­se con­tex­to, são mui­to me­nos he­róis e mais pe­ças de um gran­de sis­te­ma que, for­te­men­te es­ti­mu­la­do des­de o go­ver­no de J. F. Ken­nedy, ti­nha na cor­ri­da es­pa­cial uma ob­ses­são con­tra a su­pre­ma­cia da URSS no es­pa­ço. Nes­sa guer­ra ide­o­ló­gi­ca, pes­so­as in­di­vi­dual­men­te e in­ves­ti­men­tos as­tro­nô­mi­cos com um re­tor­no dis­cu­tí­vel, de­sem­pe­nha­ram in­fe­liz­men­te um pa­pel se­cun­dá­rio.

Em tem­po: após a vi­a­gem da Apo­lo 11, em 1969, mais cin­co mis­sões pou­sa­ram na lua e dez as­tro­nau­tas lá te­ri­am pi­sa­do. Se tu­do is­so é men­ti­ra, co­mo al­guns acre­di­tam, pe­lo me­nos te­mos que con­cor­dar que tu­do é mui­to bem con­ta­do. E, de uma for­ma ou de ou­tra, a ca­pa­ci­da­de e o di­rei­to de so­nhar per­ma­ne­cem ina­li­e­ná­veis. Pre­ser­var es­se es­pí­ri­to é o mais im­por­tan­te!

 

(Os­car D’Am­bro­sio, mes­tre em Ar­tes Vi­su­ais e dou­tor em Edu­ca­ção, Ar­te e His­tó­ria da Cul­tu­ra, ge­ren­te de Co­mu­ni­ca­ção e Marke­ting da Fa­cul­da­de de Ci­ên­cias Mé­di­cas da San­ta Ca­sa de São Pau­lo)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela