Opinião

O jovem pensa, logo ele sabe de tudo!

diario da manha

A coi­sa mais di­fí­cil de se ver ho­je na ci­vi­li­za­ção oci­den­tal é um jo­vem que não quei­ra mu­dar o mun­do, um jo­vem que pro­cu­re por uma pers­pec­ti­va de es­ta­bi­li­da­de so­ci­al e po­lí­ti­ca, que re­co­nhe­ça que na­da sa­be da for­ma co­mo o mun­do fun­cio­na e por is­so não de­ve di­zer o que de­va mu­dar ne­le, jo­vem con­ser­va­dor, ou se­ja, o jo­vem de ho­je ne­ga o pas­sa­do (as per­ma­nên­cias) e se es­tru­tu­ra ape­nas nas rup­tu­ras co­mo um iní­cio.

Co­mo já ex­pres­sa­do pe­lo Fi­ló­so­fo nor­te-ame­ri­ca­no Rus­sel Kirk, o con­ser­va­do­ris­mo não tem uma fór­mu­la ou ma­nu­al de com­por­ta­men­to, “tra­ta-se de um es­ta­do de men­te, de um ti­po de ca­rá­ter, de uma ma­nei­ra de olhar pa­ra o so­ci­al ci­vil”. Com es­sa ideia se le­var­mos em con­ta que o nos­so mo­do de pen­sar é ex­pres­sa­do pe­la cons­tru­ção da nos­sa lín­gua e a edu­ca­ção que re­ce­be­mos, se­rá qua­se im­pos­sí­vel sur­gir jo­vens con­ser­va­do­res em ter­ras tu­pi­ni­quins.

É com­pre­en­sí­vel não ha­ver tal per­so­na­li­da­de já que so­mos ades­tra­dos des­de de cri­an­ças a ver o mun­do en­tre me­lhor e o pi­or, o atra­sa­do e o avan­ça­do, co­mo se a his­tó­ria e a evo­lu­ção mo­ral, so­ci­al e com­por­ta­men­tal fos­sem uma li­nha re­ta, sem que o mun­do “avan­ça­do” te­nha pos­si­bi­li­da­des de re­tro­ce­der. Es­sa pers­pec­ti­va pro­gres­sis­ta de um fu­tu­ro me­lhor e mais “cer­to” é a do­mi­nan­te, e não dá es­pa­ço pa­ra a en­tra­da de no­vas pers­pec­ti­vas, prin­ci­pal­men­te no âm­bi­to es­co­lar.

Per­gun­te so­bre po­lí­ti­ca a qual­quer ado­les­cen­te, ele res­pon­de­rá as mu­dan­ças que de­vem ser fei­tas. Mas o pro­ble­ma não é o jo­vem que­rer mu­dar as coi­sas, é ne­ces­sá­rio que­rer pa­ra que al­go re­al­men­te mu­de, o pro­ble­ma é que ele não sa­be o que de­ve ser man­ti­do, o que de­ve ser con­ser­va­do. O jo­vem de ho­je tem mui­to mais co­nhe­ci­men­to po­lí­ti­co do que o jo­vem de on­tem, e mui­tas ve­zes ele bus­ca uma cau­sa pa­ra lu­tar, um de­fei­to pa­ra con­ser­tar, mas a mai­o­ria de­les não tem con­di­ções ra­ci­o­nais de en­ten­der que exis­tem as per­ma­nên­cias e es­sas são tão im­por­tan­tes quan­to as mu­dan­ças.

Ima­gi­ne vo­cê se não man­ti­vés­se­mos mui­to das coi­sas que apren­de­mos e de­sen­vol­ve­mos na Ida­de Mé­dia eu­ro­peia, co­mo a Uni­ver­si­da­de. Pen­se co­mo se­ria ho­je se não man­ti­vés­se­mos a re­li­gi­ão co­mo for­ma de trans­mis­são da mo­ral a po­pu­la­ção, ou os bons cos­tu­mes in­dí­ge­nas que os mes­ti­ços pre­ser­va­ram na Amé­ri­ca. O con­ser­va­do­ris­mo agre­ga mui­to mais que o es­que­ma ma­cros­so­ci­al que ci­tei, mas que­ro man­ter a ques­tão sim­pli­fi­ca­da a is­so.

É da na­tu­re­za do jo­vem que­rer tu­do de for­ma rá­pi­da e ime­di­a­ta, e is­so se re­fle­te nas su­as po­si­ções po­lí­ti­cas, ali­ás po­lí­ti­ca é pai­xão e pai­xão é sub­je­ti­vo de ca­da um. O re­sul­ta­do dis­so é o jo­vem não en­ten­der que a for­ma co­mo a so­ci­e­da­de es­tá or­ga­ni­za­da é re­sul­ta­do de uma lon­ga ex­pe­ri­ên­cia so­ci­al de ten­ta­vas e er­ros, e que não é uma mes­qui­nha ra­ci­o­na­li­da­de pri­va­da de uma pes­soa que sa­be di­zer co­mo a so­ci­e­da­de de­ve se or­ga­ni­zar.

 

(Jo­ão Pau­lo Me­lo Sil­va, es­tu­dan­te)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais