Opinião

O que é o amor?

diario da manha

“Se qui­ser ser ama­do, ame.”

Sê­ne­ca

 

En­con­tra­va-me dis­tra­í­do, o pen­sa­men­to lon­ge, quan­do um ami­go po­e­ta se apro­xi­mou e, ines­pe­ra­da­men­te, de cho­fre, me dis­se:

“Ho­je, pa­ra mim, é um dia es­pe­ci­al. Meu co­ra­ção es­tá sal­ti­tan­te de ale­gria. Age co­mo um pe­que­no pás­sa­ro ca­no­ro ao rai­ar do sol, que, per­cor­ren­do aos pu­li­nhos os mais al­tos ga­lhos de um im­po­nen­te ja­to­bá fron­do­so, vai sol­tan­do ale­gres e be­los gor­jei­os  pra­ze­ro­sos, co­me­mo­ran­do e ao mes­mo tem­po agra­de­cen­do o nas­cer de um no­vo dia, gra­to a Deus por sua li­ber­da­de sel­vá­ti­ca e, es­pe­ci­al­men­te, pe­lo pra­zer de es­pa­lhar, aos qua­tro can­tos do seu acon­che­gan­te mun­di­nho, ao mes­mo tem­po tão gran­de e tão pe­que­no, aque­la ale­gria d’al­ma es­ton­te­an­te, ao pon­to de dar a im­pres­são de lhe que­rer ar­re­ben­tar o pei­to”.

Fi­quei mais pen­sa­ti­vo ain­da:  afi­nal, o co­ra­ção e a al­ma pa­re­cem ter uma “li­ga­ção” di­re­ta e in­vi­sí­vel, po­rém mui­to for­te, com ir­ra­dia­ções in­ten­sas e re­cí­pro­cas por to­do o cam­po emo­cio­nal e es­pi­ri­tual, que en­vol­ve qual­quer ser hu­ma­no. Se­rá mes­mo? Cer­te­za ab­so­lu­ta?!

É al­go inex­pli­cá­vel, do pon­to de vis­ta fí­si­co, ra­ci­o­nal e es­tri­ta­men­te ma­te­ri­al. Is­to só po­de ser fru­to de uma da­que­las si­tu­a­ções em que o amor fa­la mais al­to, e o co­ra­ção não se pre­o­cu­pa em bus­car ra­zões, jus­ti­fi­ca­ti­vas ou ex­pli­ca­ções pa­ra al­go que  –não en­ten­den­do bem–, vai ape­nas sen­tin­do, dei­xan­do flu­ir na­tu­ral­men­te.

A pes­soa fi­ca en­vol­ta por uma mis­te­ri­o­sa au­ra má­gi­ca, es­tra­nha­men­te ben­fa­ze­ja, le­ve, co­mo que flu­tu­an­do den­tro de uma nu­vem bran­ca, pos­su­í­da por vá­ri­as sen­sa­ções in­com­pre­en­sí­veis e dís­pa­res. Con­tu­do, mui­to agra­dá­veis.

Ao mes­mo tem­po seu cor­po fí­si­co na­da sen­te de des­con­for­tá­vel, po­den­do pas­sar pe­lo im­pac­to tác­til e “do­lo­ro­so” de qual­quer ob­je­to con­tun­den­te, cor­tan­te ou per­fu­ran­te con­tra a pe­le  –co­mo a pi­ca­da de uma abe­lha, por exem­plo–, sem sen­tir ne­nhu­ma dor. Dá pa­ra en­ten­der?!…

Ca­be aqui, co­mo uma lu­va (êta lu­gar-co­mum da­na­do!), a fa­mo­sa fra­se de Blai­se Pas­cal, que ora soa co­mo uma ver­da­de in­con­tes­tá­vel: ” O co­ra­ção tem ra­zões que a pró­pria ra­zão des­co­nhe­ce”.

Por tais mo­ti­vos, es­te te­ma uni­ver­sal (O  AMOR) é tão re­cor­ren­te en­tre os po­e­tas, es­pe­ci­al­men­te den­tre aque­les que se de­di­cam à fei­tu­ra de be­las e inol­vi­dá­veis mú­si­cas, co­mo aque­la que alar­deia: “Ah! O amor! É um ca­pi­to­so vi­nho, que nos em­bri­a­ga, que nos em­bri­a­ga, com um só ti­qui­nho”.

Sim­ples, não? Ou se­rá al­go inex­pli­cá­vel? In­com­pre­en­sí­vel mes­mo?

Es­ta crô­ni­ca não tem o pro­pó­si­to de re­ve­lar os no­mes dos aman­tes en­vol­vi­dos na eu­fó­ri­ca e re­al si­tu­a­ção des­cri­ta pe­lo va­te meu ami­go, no se­gun­do pa­rá­gra­fo do tex­to. Con­to o mi­la­gre, mas…   não di­go os no­mes dos “san­tos” en­vol­vi­dos na mi­la­gro­sa e ver­da­dei­ra his­tó­ria.                 Tam­pou­co pos­sui o con­dão de ex­pli­car (ou ao me­nos ten­tar jo­gar luz so­bre) es­ta ques­tão dú­bia e se­cu­lar. Lan­ço no ar a in­da­ga­ção e dei­xo a res­pos­ta por con­ta dos que­ri­dos lei­to­res e lei­to­ras, pe­din­do aos mes­mos que me per­do­em por dei­xar es­te im­bró­glio em su­as mãos. Ou me­lhor, em seus pen­sa­men­tos.

Se al­gum pa­ci­en­te lei­tor, ou lei­to­ra, con­se­guir che­gar até o fi­nal des­tas qui­me­ras e, ao tér­mi­no da lei­tu­ra, exi­bir um ar pen­sa­ti­vo, alhe­a­do e dis­tan­te, é um si­nal evi­den­te (bom ou mau?) de que…

Es­tá lan­ça­do o de­sa­fio agu­do, na­da su­til.

 

(Wal­ti­des Pas­sos, ju­iz de Di­rei­to  apo­sen­ta­do e es­cri­tor; mem­bro da Di­re­to­ria da Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res – UBE/GO. E mail: wal­ti­des.pas­[email protected])

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais