Opinião

O silêncio de Huntington e os gritos trumpianos nos balcãs

diario da manha

Há apro­xi­ma­da­men­te de­ze­no­ve anos “o cho­que de ci­vi­li­za­ções” foi pu­bli­ca­do, uma obra po­lê­mi­ca que ti­nha por te­se a ideia de que aque­les paí­ses que pos­su­ís­sem pro­xi­mi­da­des cul­tu­ra­is em um ní­vel mais am­plo – o que o au­tor, Hun­ting­ton, cha­ma de ci­vi­li­za­ções – te­ri­am a ten­dên­cia a co­o­pe­ra­ção ou mes­mo ao bandwa­gon, uma for­ma de ali­nha­men­to ex­tre­mo, sen­do es­tas ques­tões cul­tu­ra­is mais im­por­tan­tes que ou­tras de or­dem eco­nô­mi­ca, so­ci­al, po­lí­ti­ca ou mes­mo ide­o­ló­gi­ca. No dia de­zoi­to de Ju­lho do ano cor­ren­te, o pre­si­den­te es­ta­du­ni­den­se Do­nald Trump pa­re­ce se uti­li­zar des­sa vi­são cul­tu­ral pa­ra pro­por que os Es­ta­dos Uni­dos não ve­nha em aju­da à um dos mem­bros da OTAN.

O mem­bro em ques­tão é Mon­te­ne­gro, um pa­ís de cul­tu­ra es­la­va si­tu­a­do nos Bal­cãs, e que mes­mo ten­do am­pla pro­xi­mi­da­de cul­tu­ral com paí­ses co­mo a Rús­sia e a Sér­via – to­dos per­ten­cen­tes à mes­ma ci­vi­li­za­ção, se­gun­do Hun­ting­ton – se vê na ne­ces­si­da­de de ali­nha­men­to e co­o­pe­ra­ção com os Es­ta­dos Uni­dos e o blo­co oci­den­tal co­mo um to­do. Por ter um his­tó­ri­co de con­quis­ta, do­mí­nio e per­da da iden­ti­da­de com re­la­ção à Sér­via, Mon­te­ne­gro ne­ces­si­ta­va do apoio de al­gu­ma po­tên­cia con­trá­ria à seu do­mi­na­dor, e pe­lo fa­to de a Rús­sia de­sem­pe­nhar um pa­pel fa­vo­rá­vel à Sér­via, Mon­te­ne­gro se viu obri­ga­do ao ali­nha­men­to com o Oci­den­te, con­tra­ri­an­do a te­o­ria de Hun­ting­ton e se tor­nan­do par­te do Tra­ta­do do At­lân­ti­co Nor­te (OTAN).

Con­co­mi­tan­te­men­te, em en­tre­vis­ta ao ca­nal Fox no dia 18 de Ju­lho, Trump le­van­ta dú­vi­das quan­to ao cum­pri­men­to do ar­ti­go quin­to da cláu­su­la de de­fe­sa co­mum da OTAN, que ver­sa so­bre a de­fe­sa mú­tua dos Es­ta­dos con­tra­tan­tes, ou em ou­tras pa­la­vras, “um ata­que à um é um ata­que à to­dos”. Trump já dei­xou cla­ro, em ou­tros mo­men­tos, sua po­si­ção fa­vo­rá­vel à po­lí­ti­ca ex­ter­na rus­sa, bem co­mo uma po­lí­ti­ca do­més­ti­ca e in­ter­na­ci­o­nal cri­a­da à par­tir de um vi­és cul­tu­ral co­mum (vi­de a po­lí­ti­ca se­ve­ra an­ti-imi­gra­ção afri­ca­no-la­ti­na), e dis­se que uma in­ter­ven­ção em fa­vor de Mon­te­ne­gro po­de­ria ser, in­clu­si­ve, o es­to­pim pa­ra uma Ter­cei­ra Guer­ra Mun­di­al.

No en­tan­to, a po­si­ção do pre­si­den­te le­van­ta uma sé­rie de ris­cos e ques­tões pa­ra a po­lí­ti­ca ex­ter­na es­ta­du­ni­den­se. Pri­mei­ro, o efei­to de­mons­tra­ção ou efei­to do­mi­nó, co­mo fi­cou po­pu­la­ri­za­do – no qual a ação de um é to­ma­da pe­los de­mais atra­vés de in­flu­ên­cia – que fez com que di­ver­sas ex-re­pú­bli­cas so­vi­é­ti­cas se tor­nas­sem de­mo­cra­cias à par­tir da pro­mes­sa de apoio e pro­te­ção oci­den­tal, ago­ra, pe­lo mes­mo efei­to, ten­dem a de­sa­cre­di­tar o apoio es­ta­du­ni­den­se pe­lo mun­do e na re­gi­ão em es­pe­ci­al, po­den­do até se tor­na­rem re­gi­mes au­to­crá­ti­cos no­va­men­te. Se­gun­do, uma vez le­van­ta­da a dú­vi­da quan­to a atu­a­ção es­ta­du­ni­den­se na re­gi­ão, os an­ti­gos paí­ses do­mi­na­do­res te­rão pas­sa­gem li­vre pa­ra re­to­mar o do­mí­nio dos ter­ri­tó­rios, au­men­tan­do ain­da mais a ins­ta­bi­li­da­de nos Bal­cãs e por fim cri­an­do o ide­á­rio de des­cré­di­to nos re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos pe­lo mun­do.

Ter­cei­ro, a de­cla­ra­ção do pre­si­den­te ge­ra des­cré­di­to quan­to a qual­quer acor­do pac­tu­a­do com os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, uma vez que o prin­ci­pal acor­do de co­o­pe­ra­ção em de­fe­sa fir­ma­do por eles é tão fa­cil­men­te “re­vo­ga­do”, es­pe­ci­al­men­te quan­do não há se­quer pre­vi­são de cri­se po­lí­ti­ca en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e a Rús­sia ou a Sér­via. Quar­to e úl­ti­mo pon­to le­van­ta­do pe­la de­cla­ra­ção de Trump é o me­do cres­cen­te na so­ci­e­da­de es­ta­du­ni­den­se de que a he­ge­mo­nia de seu pa­ís no glo­bo es­te­ja sen­do, aos pou­cos, sub­sti­tu­í­da pe­la he­ge­mo­nia chi­ne­sa, e a ação de Trump de­mons­tra que o pre­si­den­te tem pre­o­cu­pa­ções mui­to mais do­més­ti­cas que glo­bais.

É vá­li­do lem­brar que Mon­te­ne­gro man­tém a mai­o­ria de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas cul­tu­ra­is, ten­do al­te­ra­do so­men­te o re­gi­me po­lí­ti­co, ou se­ja, tu­do aqui­lo que faz Mon­te­ne­gro se as­se­me­lhar em al­gum pon­to com um pa­ís oci­den­tal é pro­ve­ni­en­te de sua es­co­lha por ser in­de­pen­den­te e de­mo­crá­ti­co. Efe­ti­va­men­te, a te­o­ria de Hun­ting­ton dá su­por­te pa­ra uma po­lí­ti­ca da­no­sa aos Es­ta­dos Uni­dos e con­tri­bui pa­ra au­men­tar o pe­so das po­lí­ti­cas de fun­do cul­tu­ral de Trump, ao mes­mo tem­po na­da fa­la quan­to às no­vas ques­tões do mun­do. As­sim, no­vas te­o­ri­as po­de­ri­am ser su­ge­ri­das pa­ra li­dar de ma­nei­ra mais efi­ci­en­te com ca­sos co­mo o de Mon­te­ne­gro.

Uma pri­mei­ra can­di­da­ta se­ria a te­o­ria do Uni­ver­sa­lis­mo de Con­flu­ên­cia, ou se­ja, a te­o­ria que pro­põe que to­das as vo­zes, de to­das as cul­tu­ras, fos­sem ou­vi­das de­mo­cra­ti­ca­men­te, ten­do to­das o mes­mo pe­so e po­den­do cons­tru­ir jun­tas as po­lí­ti­cas do­més­ti­cas e in­ter­na­cio­nais. Es­sa can­di­da­ta ain­da apre­sen­ta a van­ta­gem de ter di­fe­ren­tes pers­pec­ti­vas, vi­sões, va­lo­res e iden­ti­da­des atu­an­do jun­tas pa­ra li­dar com um mes­mo de­sa­fio, po­den­do so­lu­cio­ná-lo em to­dos os ân­gu­los em que se apre­sen­tar.

Uma se­gun­da can­di­da­ta – que na­da im­pe­de, pos­sa tra­ba­lhar jun­ta­men­te com a pri­mei­ra – é a te­o­ria das fím­bri­as ou Rim­land, pro­pos­ta pe­lo ge­o­po­lí­ti­co Ni­cho­las Spykman, e que fa­la so­bre a ne­ces­si­da­de de se cer­car o pi­vô do mun­do (a Rús­sia, por ter van­ta­gens ge­o­grá­fi­cas in­com­pa­rá­veis) pa­ra que o mes­mo não se ex­pan­da mi­li­tar, eco­nô­mi­ca e po­li­ti­ca­men­te. Uma das for­mas de fa­zê-lo é op­tan­do por man­ter ali­an­ças com aque­les paí­ses que, ape­sar de pos­su­í­rem cul­tu­ras di­fe­ren­tes da es­ta­du­ni­den­se, po­de­ri­am ser­vir co­mo ba­ses das po­lí­ti­cas e eco­no­mi­as oci­den­tais na re­gi­ão, co­mo Mon­te­ne­gro.

Por fim, o ca­so de Mon­te­ne­gro diz ape­nas que, em­bo­ra Trump te­nha ple­nas con­di­ções de pro­du­zir po­lí­ti­cas ex­ter­nas su­fi­ci­en­te­men­te po­si­ti­vas pa­ra seu pa­ís – e crê-se ser es­se seu ob­je­ti­vo pri­má­rio – su­as es­co­lhas te­ó­ri­cas pa­ra ana­li­sar e li­dar com os pro­ble­mas in­ter­na­cio­nais po­de­ri­am ser sem­pre me­lho­ra­das.

 

(Gi­ul­li­a­no Re­na­to Mo­li­ne­ro Ju­ni­or, aca­dê­mi­co de Re­la­ções In­ter­na­cio­nais na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de Bra­sí­lia)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela