Opinião

O voo do DM

diario da manha

As cir­cun­stân­cias eco­nô­mi­cas as­sim o im­pu­se­ram. De ago­ra em di­an­te as ma­té­rias e os ar­ti­gos do Di­á­rio da Ma­nhã pas­sam a ser pu­bli­ca­dos ex­clu­si­va­men­te on li­ne, anun­ciou sua di­re­to­ria nes­ta 6ª fei­ra, 26 de ou­tu­bro de 2018.

Uma da­ta pa­ra se guar­dar. Não pe­lo que tem de trá­gi­co pa­ra a his­tó­ria da im­pren­sa no Bra­sil, mas pe­lo fa­to de ser o iní­cio de uma gran­de mu­dan­ça a con­fir­mar que do im­pos­sí­vel de não se ter o jor­nal às mãos po­de vir a ale­gria ju­bi­lan­te da vi­tó­ria fi­nal, as­sim co­mo o bem, do mal.

A fe­ra tro­cou de pe­le de on­tem pa­ra ho­je. Por den­tro, tu­do de igual pa­ra me­lhor. Mas ela es­tá mais vi­va que an­tes. Na sel­va di­á­ria sua lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia con­ti­nua ain­da mais aguer­ri­da. A fe­ra que há em nós sa­be que não po­de se des­cui­dar um se­gun­do. Mu­dar de pe­le não é re­cuo, não é ti­tu­beio e nem me­do.

Pou­co sa­be das coi­sas dos bas­ti­do­res de um gran­de jor­nal aque­le que o com­pra nas ban­cas por R$2,50 to­das as ma­nhãs; ou aque­le as­si­nan­te que o re­ce­be en­tre o ca­fe­zi­nho e uma tor­ra­da com man­tei­ga an­tes de co­me­çar o dia. A eles, le­va­mos a cer­te­za de que o fu­tu­ro não vai nos aban­do­nar. Nós es­cre­ve­re­mos.

O des­ti­no, as­sim co­mo o jor­nal, é fei­to de sor­te e de vir­tu­de. Es­ta se­gun­da é ne­ces­sá­ria pa­ra es­tar­mos pre­pa­ra­dos pa­ra quan­do a pri­mei­ra che­gar. E se a sor­te es­tá lan­ça­da sob uma no­va pe­le, na cer­ta te­re­mos a vir­tu­de de trans­for­mar as mi­ga­lhas e fa­zer de­las o des­ti­no em que to­dos par­ti­ci­pa­rão do ban­que­te da so­li­da­ri­e­da­de, do hu­ma­nis­mo e do avan­ço es­pi­ri­tual pe­ga­dos de mão em mão, com to­das as for­ças em uma só di­re­ção; e com olho no olho, sem mais na­da a es­con­der.

Vis­to de fo­ra po­de­mos cons­ta­tar que não há no­vi­da­de nes­ta no­va rou­pa­gem ves­ti­da à fór­ceps pe­lo Di­á­rio da Ma­nhã. Sua his­tó­ria, ini­ci­a­da com o Cin­co de Mar­ço, é de ad­ver­si­da­des. Nun­ca o pra­to cheio sur­giu à me­sa. A fo­me, se­ja de sus­ten­ta­ção ou de sa­ber, foi sem­pre o des­ta­que e ocu­pou os prin­ci­pa­is lu­ga­res e mo­men­tos.

Quan­to a nós, o mes­mo des­ti­no. Ser go­i­a­no é só ima­gi­na­ção. Gra­ças a jor­nais as­sim co­mo o DM, ser go­i­a­no é tam­bém po­der de trans­for­ma­ção. Por­que não es­ta­mos pron­tos e vi­gen­tes. Ape­sar de um Ber­nar­do Élis, de um co­men­da­dor Jo­a­quim Al­ves de Oli­vei­ra, de um Vei­ga Val­le, de uma Da­mi­a­na da Cu­nha, um Jo­sé J. Vei­ga e dois Anhan­gue­ras. É mui­to pou­co.

Ain­da não so­mos o que que­re­mos. Por is­so so­mos um Es­ta­do so­le­ne­men­te ig­no­ra­do pe­los de­mais, mes­mo se cer­ca­mos por to­dos os la­dos a ca­pi­tal da fe­de­ra­ção. Os que a co­man­dam pas­sam por ci­ma, sem pe­dá­gio al­gum, sem se­quer al­gu­ma de­fe­rên­cia.

Em con­tra­par­ti­da, va­mos nos ale­gran­do ca­da vez mais vem che­gan­do o fu­tu­ro. Mu­dar de pe­le faz bem, pois a mi­ra­da é pa­ra o al­to. Eu sou pe­que­no, dis­se Cas­tro Al­ves, mas só fi­to os An­des. Sa­u­da­de, se­gun­do me es­cre­veu Co­ra Co­ra­li­na, é uma pa­la­vra que não de­ve ser fa­la­da, ape­nas vi­vi­da in­ti­ma­men­te, pois ela apon­ta pa­ra o pas­sa­do e o que que­re­mos é o fu­tu­ro.

A pe­le no­va é si­nal de lu­ta di­á­ria e des­gas­tan­te. A pe­le re­al­men­te no­va não per­mi­te sa­u­da­de. Co­mo o ba­lan­çar de uma re­de não é um ir e vir, que ela es­tá sem­pre in­do.

Va­mos ser os ci­da­dã­os e lei­to­res que a Cons­ti­tu­i­ção des­cre­ve no seu ar­ti­go 3º: “es­ta gen­te que exis­te co­mo Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va pa­ra cons­tru­ir uma so­ci­e­da­de li­vre, jus­ta e so­li­dá­ria. Pa­ra er­ra­di­car a po­bre­za e a mar­gi­na­li­za­ção, pro­mo­ver o bem de to­dos”. Gre­gá­ria, ci­en­te e fe­liz.

Pas­sa­da a elei­ção do nos­so pre­si­den­te, vol­ta­re­mos a ser a so­ci­e­da­de do es­ta­mos jun­tos pa­ra o que der e vi­er. E des­de já nos­so jor­nal pas­sa a ser on li­ne. 24 ho­ras por dia. To­dos os di­as do ano. Uma trin­chei­ra glo­bal de on­de troa a li­ber­da­de.

É pre­ci­so de­sa­pe­go e co­ra­gem pa­ra as­su­mir uma si­tu­a­ção apa­ren­te­men­te des­fa­vo­rá­vel, mas só as­sim se po­de ma­tar no pei­to a ad­ver­si­da­de. Re­gis­tre-se. Das cin­zas sur­gi­ram im­pé­ri­os. Dos es­com­bros, pa­lá­cios. Do re­cuo, con­quis­tas. Dos fu­sos, fa­ses. Do mun­do di­gi­tal pas­sa a vir a an­tes­sa­la do fu­tu­ro. E da con­tí­nua fé no hu­ma­nis­mo, a li­ber­da­de que a tu­do faz va­ler. Es­ta­mos to­dos jun­tos, Ba­tis­ta!

 

(Px Sil­vei­ra, Ins­ti­tu­to Ar­te­Ci­da­da­nia, pre­si­den­te. pxsil­vei­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela