Opinião

Os 30 anos e os gargalos da Constituição Coragem

diario da manha

A Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, pro­mul­ga­da em 5 de ou­tu­bro de 1988, sé­ti­ma do Bra­sil e sex­ta da Re­pú­bli­ca, com­ple­ta 30 anos es­te mês, con­sa­gra­da co­mo a mais le­gí­ti­ma e de­mo­crá­ti­ca de nos­sa his­tó­ria. É o gran­de mar­co da re­de­mo­cra­ti­za­ção, de­li­mi­ta­da pe­la pos­se, em 15 de mar­ço de 1985, do pri­mei­ro pre­si­den­te ci­vil des­de o iní­cio do re­gi­me mi­li­tar, em 31 de mar­ço de 1964. A Car­ta po­de ser en­ten­di­da co­mo a ex­pres­são le­gal das Di­re­tas Já, um dos mai­o­res e mais im­por­tan­tes mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos po­pu­la­res de to­dos os tem­pos em nos­so pa­ís, mar­ca­do por uma pos­tu­ra or­dei­ra, pa­cí­fi­ca e cí­vi­ca.

São ine­gá­veis os avan­ços re­la­ti­vos aos di­rei­tos e de­ve­res in­di­vi­dua­is e co­le­ti­vos con­ti­dos na Lei Mai­or. Ca­be lem­brar que de seus prin­cí­pios sur­giu re­le­van­te le­gis­la­ção in­fra­cons­ti­tu­ci­o­nal, co­mo o Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor, o Es­ta­tu­to do Ido­so, o Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te, Es­ta­tu­to da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia e nu­me­ro­sas leis pro­te­to­ras e ga­ran­ti­do­ras de di­rei­tos das mi­no­ri­as ju­rí­di­cas, igual­da­de de gê­ne­ro, li­ber­da­de de ex­pres­são, ir e vir e de cre­do.

Nes­ses as­pec­tos, nos­sa Cons­ti­tu­i­ção nos ali­nhou às mais mo­der­nas e con­so­li­da­das de­mo­cra­cias do Pla­ne­ta. No en­tan­to, ela é ana­crô­ni­ca em vá­rios pon­tos re­la­ti­vos à eco­no­mia e ao am­bi­en­te re­gu­la­tó­rio. Além dis­so, se­gui­das emen­das e leis or­di­ná­rias des­vir­tu­a­ram a di­vi­são dos tri­bu­tos, ori­gi­nal­men­te mais des­cen­tra­li­za­da em di­re­ção aos es­ta­dos e mu­ni­cí­pios, re­fle­tin­do um pac­to fe­de­ra­ti­vo mais equi­li­bra­do em ter­mos de atri­bu­i­ções e or­ça­men­tos. Tal des­vir­tua­men­to ge­ra gra­ves pro­ble­mas fis­cais pa­ra as uni­da­des fe­de­ra­ti­vas.

Tais itens nor­ma­ti­vos ne­ga­ti­vos, a ri­gor, já nas­ce­ram ex­tem­po­râ­neos. Po­rém, é pre­ci­so en­ten­der que o con­te­ú­do da Car­ta re­fle­tiu um vo­lu­me de rei­vin­di­ca­ções re­pre­sa­das du­ran­te mais de du­as dé­ca­das no re­gi­me mi­li­tar. To­dos os seg­men­tos da so­ci­e­da­de que­ri­am ver os seus di­rei­tos, exa­ge­ra­dos ou não, ins­cri­tos na “Cons­ti­tu­i­ção Ci­da­dã”, na “Cons­ti­tu­i­ção Co­ra­gem”, co­mo a cha­mou Dr. Ulysses Gui­ma­rã­es, pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Cons­ti­tu­in­te, que a pro­mul­gou e, com ra­ra ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, con­se­guiu con­du­zir com êxi­to um pro­ces­so que ti­nha tu­do pa­ra dar er­ra­do. Afi­nal, as pres­sões e re­sis­tên­cias eram imen­sas.

O de­pu­ta­do e as prin­ci­pa­is li­de­ran­ças da Cons­ti­tu­in­te ti­nham ple­na con­sci­ên­cia de to­das es­sas ques­tões. Tan­to as­sim que, nas Dis­po­si­ções Tran­si­tó­rias da Car­ta, cri­a­ram fa­ci­li­da­des pa­ra sua rá­pi­da re­for­ma: as emen­das po­de­ri­am ser vo­ta­das em tur­no úni­co, mai­o­ria sim­ples e ses­são uni­ca­me­ral do Con­gres­so Na­ci­o­nal, des­de que nos cin­co anos sub­se­quen­tes à pro­mul­ga­ção. Per­de­mos a opor­tu­ni­da­de. Ago­ra, as emen­das so­men­te são apro­va­das por mai­o­ria ab­so­lu­ta, em ses­sões es­pe­cí­fi­cas do Se­na­do e da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, com vo­ta­ções em dois tur­nos em ca­da uma das ca­sas.

Con­ti­nua­mos an­sio­sos, por exem­plo, pe­la re­for­ma tri­bu­tá­ria e da pre­vi­dên­cia, bem co­mo a mo­der­ni­za­ção do ar­ca­bou­ço le­gal que re­ge as re­la­ções eco­nô­mi­cas. Não po­de­mos ter le­gis­la­ção in­fra­cons­ti­tu­ci­o­nal que con­tra­rie a Lei Mai­or. Por is­so, é de se es­pe­rar que o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e as no­vas le­gis­la­tu­ras do Con­gres­so a se­rem elei­tas es­te mês cum­pram es­se com­pro­mis­so po­lí­ti­co com a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra.

No en­tan­to, os gar­ga­los da Cons­ti­tu­i­ção não se li­mi­tam aos itens que ca­re­cem de mo­der­ni­za­ção. Há, ain­da, al­guns de seus pre­cei­tos mais re­le­van­tes que se­guem sem ser cum­pri­dos in­te­gral­men­te. Um de­les e tal­vez o mais sig­ni­fi­ca­ti­vo diz res­pei­to à edu­ca­ção, de­fi­ni­da na Car­ta, em dis­tin­tos ar­ti­gos, co­mo di­rei­to da po­pu­la­ção e obri­ga­ção do Es­ta­do. Na prá­ti­ca, es­ta­mos des­cum­prin­do qua­se tu­do re­fe­ren­te ao en­si­no. O Bra­sil des­res­pei­ta os tó­pi­cos re­fe­ren­tes à va­lo­ri­za­ção do Ma­gis­té­rio, à uni­ver­sa­li­da­de das ma­trí­cu­las e às con­di­ções iso­nô­mi­cas de aces­so à es­co­la. Is­so é gra­ve, pois não há de­sen­vol­vi­men­to sem Edu­ca­ção Bá­si­ca gra­tui­ta de ex­ce­lên­cia.

Nos 30 anos da “Cons­ti­tu­i­ção Co­ra­gem”, que de­vem ser mui­to co­me­mo­ra­dos co­mo mar­co de nos­sa de­mo­cra­cia, é pre­ci­so co­ra­gem po­lí­ti­ca pa­ra re­for­má-la no que for ne­ces­sá­rio e fa­zê-la ser efe­ti­va­men­te cum­pri­da no que for es­sen­cial!

 

(Ru­bens F. Pas­sos, eco­no­mis­ta pe­la FA­AP e MBA pe­la Duke Uni­ver­sity (EUA), é Sê­ni­or VP La­tam da AC­CO Brands Cor­po­ra­ti­on e di­re­tor do Sin­di­ca­to das In­dús­tri­as Grá­fi­cas no Es­ta­do de São Pau­lo (Sin­di­graf-SP))

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela