Opinião

Paulo Ventura: exemplo de gestor do sistema penitenciário goiano

diario da manha

O ar­ti­go de ho­je é de­di­ca­do ao atu­al Di­re­tor e  Ges­tor da Ca­sa de Pri­são Pro­vi­só­ria em Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia/Go­i­ás, ex­ce­len­te ser­vi­dor pú­bli­co es­ta­du­al, agen­te pe­ni­ten­ci­á­rio con­cur­sa­do, ad­mi­nis­tra­dor da mai­or uni­da­de pe­ni­ten­ci­á­ria do Es­ta­do.

Ho­mem te­men­te a Deus, de­fen­sor na­to dos di­rei­tos hu­ma­nos, di­rei­tos fun­da­men­tais, cum­pri­dor de de­ve­res e me­tas den­tro da Di­re­to­ria Ge­ral de Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ci­á­ria. Des­ta­ca­mos, o tra­ta­men­to hu­ma­ni­tá­rio, es­pe­ci­al­men­te aos pre­sos pro­vi­só­rios, que ne­ces­si­tam do fi­el cum­pri­men­to da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral de 1988 e da Lei de Exe­cu­ção Pe­nal (Lei nº 7.210, de 11 de ju­lho de 1984).

Nes­se con­tex­to, é de ex­tre­ma re­le­vân­cia des­ta­car que o ho­me­na­ge­a­do, Pau­lo Ven­tu­ra, tam­bém é pro­fes­sor, es­pe­cia­lis­ta em Ci­ên­cias de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Aná­li­se Cri­mi­nal e Ges­tão em Exe­cu­ção Pe­nal. Em uma de su­as de­fe­sas, Ven­tu­ra aduz a re­for­ma do sis­te­ma pe­ni­ten­ci­á­rio e o in­ves­ti­men­to na edu­ca­ção e tra­ba­lho, co­mo for­ma de trans­for­ma­ção do ser hu­ma­no e res­so­ci­a­li­za­ção em ge­ral.

O en­tão di­re­tor é o mai­or res­pon­sá­vel da im­ple­men­ta­ção de edu­ca­ção, tra­ba­lho e cur­sos pro­fis­si­o­na­li­zan­tes em par­ce­ria com Gru­po UNP nos Pre­sí­di­os, ABRA­CRIM Go­i­ás, Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil e ou­tros, aos de­ten­tos.

Atu­al­men­te, a Ca­sa de Pri­são Pro­vi­só­ria é res­pon­sá­vel por re­ce­ber pre­sos em re­gi­me pro­vi­só­rios e à dis­po­si­ção da jus­ti­ça. Pre­so pro­vi­só­rio é aque­le cu­ja pri­são foi de­cre­ta­da com o in­tui­to de ga­ran­tir que o acu­sa­do pas­se por um pro­ces­so pe­nal, com di­rei­to a am­pla de­fe­sa e con­tra­di­tó­rio.

No Bra­sil exis­tem du­as es­pé­ci­es de pri­são: pri­são cau­te­lar ou pro­vi­só­ria, tam­bém cha­ma­da de pri­são pro­ces­su­al (que tem fun­ção de as­se­gu­rar o trâ­mi­te do pro­ces­so pe­nal), na qual se en­qua­dram a pri­são em fla­gran­te, a pri­são tem­po­rá­ria e a pri­são pre­ven­ti­va; e pri­são pe­na, que tem fun­ção de pu­ni­ção, em ra­zão da con­de­na­ção do acu­sa­do pe­la prá­ti­ca de cri­me.

Ca­be res­sal­tar que a re­gra ge­ral é que o acu­sa­do res­pon­da o pro­ces­so em li­ber­da­de, mas a pri­são cau­te­lar é pos­sí­vel, co­mo ex­ce­ção, nos ca­sos em que os re­qui­si­tos le­gais pa­ra sua de­cre­ta­ção es­te­jam pre­sen­tes e se­jam ne­ces­sá­rios pa­ra ga­ran­tia da or­dem pú­bli­ca.

A Lei de Exe­cu­ção Pe­nal pre­vê que o pre­so pro­vi­só­rio de­ve fi­car se­pa­ra­do dos que es­tão cum­prin­do pe­na que já tran­si­tou em jul­ga­do. Na CPP, a equi­pe li­de­ra­da por Pau­lo Ven­tu­ra, en­fren­ta o dia a dia de ár­duo tra­ba­lho com ale­gria e con­ten­ta­men­to, além de mui­ta dis­po­si­ção e pres­te­za.

Pau­lo Ven­tu­ra, faz ques­tão de dar apli­ca­bi­li­da­de e efe­ti­vi­da­de na Lei de Exe­cu­ção Pe­nal, ape­sar de um sis­te­ma pri­si­o­nal “fa­li­do” no Bra­sil, Go­i­ás vem fa­zen­do o me­lhor com as fer­ra­men­tas que pos­su­em e seu tra­ba­lho vem sen­do pi­o­nei­ro e ino­va­dor no que tan­ge a ges­tão e ad­mi­nis­tra­ção, cum­pri­men­tos das re­gras e leis e pre­ser­va­ção do prin­cí­pio da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na.

A re­gra na Ca­sa de Pri­são Pro­vi­só­ria é pres­tar bom aten­di­men­to aos pre­sos, ad­vo­ga­dos, vi­si­tan­tes e ou­tros.  Co­mo in­te­gran­te da Co­mis­são de Di­rei­to Cri­mi­nal e Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas da Sub­se­ção de Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia/ Go­i­ás, te­nho acom­pa­nha­do o es­for­ço con­ti­nuo da equi­pe da Ca­sa de Pri­são Pro­vi­só­ria no sen­ti­do de ga­ran­tir di­rei­tos aos pre­sos pro­vi­só­rios, bem co­mo as­se­gu­rar tra­ta­men­to e prer­ro­ga­ti­vas dos ad­vo­ga­dos.

Pau­lo Ven­tu­ra, pa­ra­béns pe­lo tra­ba­lho, é vi­sí­vel a me­lho­ra no sis­te­ma pri­si­o­nal, o tra­ba­lho e a in­te­gra­ção com to­dos os par­cei­ros. Seu es­for­ço é de­ter­mi­nan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­ni­tá­rio da­que­le lo­cal. Exem­plo a ser se­gui­do pe­los de­mais di­re­to­res da Di­re­to­ria Ge­ral de Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ci­á­ria.

Fi­na­li­zo o tex­to, com sin­ce­ri­da­de e mui­ta co­e­rên­cia: Pau­lo Ven­tu­ra, pa­ra­béns pe­lo tra­ba­lho, pe­la de­ter­mi­na­ção, pe­la hu­mil­da­de, pe­la ges­tão de qua­li­da­de, por pro­por­ci­o­nar dig­ni­da­de a to­dos sem dis­tin­ção. Por li­de­rar de ma­nei­ra ím­par sua equi­pe, pre­ser­van­do e va­lo­ri­zan­do agen­tes pri­si­o­nais, par­cei­ros e os de­ten­tos de mo­do am­plo.

Afi­nal, sá­bio Ben­ja­min Dis­ra­e­li em sua ci­ta­ção que se en­cai­xa ao ex­pos­to: “A ar­te da con­ver­sa­ção con­sis­te no exer­cí­cio de du­as qua­li­da­des su­pe­ri­o­res: vo­cê de­ve es­ta­be­le­cer con­ta­to e de­ve sim­pa­ti­zar; de­ve pos­su­ir ao mes­mo tem­po o há­bi­to de co­mu­ni­car e o há­bi­to de ou­vir. A uni­ão é ra­ra, mas ir­re­sis­tí­vel.”

 

(Lo­re­na Ayres, ad­vo­ga­da, só­cia pro­pri­e­tá­ria ayres, go­mes & pe­rei­ra ad­vo­ca­cia e con­sul­to­ria ju­rí­di­ca, (pre­si­den­te da co­mis­são de di­rei­tos hu­ma­nos da abra­crim go­i­ás, vi­ce pre­si­den­te da co­mis­são de di­rei­to cri­mi­nal e po­lí­ti­cas pú­bli­cas oab/go sub­se­ção apa­re­ci­da de go­i­â­nia), pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria, ar­ti­cu­lis­ta e co­men­da­do­ra)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais