Opinião

Por que o Plano do PT para venezuelizar o Brasil pode dar certo

diario da manha

Na épo­ca do im­pe­achment de Dil­ma, a di­re­ção do PT fez cir­cu­lar um do­cu­men­to on­de fa­zia um mea cul­pa  mais ou me­nos as­sim: “pa­ra do­mi­nar­mos o pa­ís te­rí­a­mos de ter es­quer­di­za­do e apa­re­lha­do mais as For­ças Ar­ma­das (no­me­a­ção de ofi­ci­ais  com­pro­me­ti­dos com a “cau­sa”) e o Ju­di­ci­á­rio”.  Não é mui­to di­fí­cil do­mi­nar fun­cio­ná­rios pú­bli­cos (que de­pen­dem de sa­lá­ri­os e con­tra-che­ques  ali­men­ta­dos pe­lo Go­ver­no) pa­ra o es­quer­dis­mo. Não é di­fí­cil do­mi­nar em­pre­sá­rios : é só na­ci­o­na­li­zar em­pre­sas e os que não que­rem ser na­ci­o­na­li­za­dos sim­ples­men­te sa­em do pa­ís.  Em­pre­sá­rio não tem ide­a­lis­mo, a não ser o di­nhei­ro; o di­nhei­ro min­guou , eles ca­em fo­ra. Não é di­fí­cil en­fro­nhar-se ide­o­lo­gi­ca­men­te den­tro de uma tro­pa mi­li­tar,  os “mo­vi­men­tos te­nen­tis­tas” já mos­tra­ram is­so. Se al­guns ge­ne­ra­is se con­tra­põ­em ao es­quer­dis­mo (já têm ga­ran­ti­dos seus sa­lá­ri­os e po­si­ções), gran­de par­te do es­ca­lão in­ter­me­di­á­rio (“te­nen­tis­mo” , sub-ofi­ci­a­la­to) não ga­nha tão bem, e não é tão con­trá­rio ao es­quer­dis­mo.  Pe­lo con­trá­rio, a ca­ma­da in­ter­mé­dia dos mi­li­ta­res cos­tu­ma ser bem es­quer­dis­ta, pois nem é tão po­bre que não pen­se (“pra­ças”) e nem é tão ri­co que se aco­mo­de (al­to ofi­ci­a­la­to). As “re­vo­lu­ções”, mos­tram os so­ci­ó­lo­gos-his­to­ri­a­do­res-ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos, sem­pre são fei­tas pe­las “clas­ses mé­di­as”, aque­las que não são tão po­bres a pon­to de não ter tem­po pa­ra pen­sar e nem são tão ri­cas a pon­to de não te­rem mo­ti­vo de re­vol­ta. É bom lem­brar que o Cha­vis­mo co­me­çou no “ofi­ci­a­la­to me­di­a­no” do Exér­ci­to da Ve­ne­zu­e­la. Por­tan­to, não se­ria pro­ble­ma pa­ra o PT, ge­ni­al que é, ex­plo­rar es­tas fra­que­zas. O mes­mo se apli­ca ao mun­do do Ju­di­ci­á­rio, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co,De­le­ga­dos Po­li­ci­ais, Agen­tes Fa­zen­dá­rios, etc, ou se­ja, to­do “al­to fun­cio­na­lis­mo” cu­ja ide­o­lo­gia se pau­ta bem mais pe­lo pre­ço do con­tra-che­que do que pe­la Bí­blia.  Sem o Ju­di­ci­á­rio\Pro­mo­to­res , For­ças Ar­ma­das, de seu la­do, a clas­se mé­dia  bra­si­lei­ra, pro­ver­bi­al co­var­de, se aco­mo­da­ria fa­cil­men­te, pau­tan­do-se por uma vi­da sub-bur­gue­sa, co­mo os ve­ne­zu­e­la­nos.

Os mai­o­res pe­ri­gos con­tra-re­vo­lu­ci­o­ná­rios pro­vêm de uma clas­se que o Bra­sil não tem, a in­te­lec­tu­a­li­da­de. Te­mos um pu­nha­do de “pseu­doin­te­lec­tu­ais” de es­quer­da, pro­fes­so­res es­ta­tais , co­op­ta­dos pe­la má­qui­na es­quer­dis­ta. O in­te­lec­tu­a­lis­mo de paí­ses sub-de­sen­vol­vi­dos é mui­to pro­pen­so ao es­quer­dis­mo, por­que  fa­cil­men­te en­go­dam a po­pu­la­ção com ilu­sões do ti­po: “o Es­ta­do fun­cio­na, é só ser bem ge­ri­do”, “a sa­í­da é o Es­ta­do, o Co­le­ti­vis­mo, a Au­to-Ges­tão Ope­rá­ria, pois os pa­trões são sem­pre ex­plo­ra­do­res”.  Co­mo o pa­ís é subde­sen­vol­vi­do, o po­vo não lê, ali­ás, co­mo o po­vo não lê, o pa­ís é sub-de­sen­vol­vi­do. Sem lei­tu­ra, não há co­mo des­men­tir es­tes en­go­dos, ali­ás, são en­go­dos que  atra­em to­dos os in­fe­rio­res e me­di­a­nos, pro­je­tam sua in­ca­pa­ci­da­de so­bre a “tru­cu­lên­cia e opor­tu­nis­mo” dos su­pe­ri­o­res. Sen­do tam­bém subde­sen­vol­vi­do o pa­ís, nun­ca pas­sou por “ex­pe­ri­men­tos so­ci­ais” do ti­po “co­le­ti­vis­ta”, que não de­ram cer­to em paí­ses já de­sen­vol­vi­dos.  Sem exem­plos e sem crí­ti­ca, a mas­sa mo­le fa­cil­men­te cai no en­go­do os “in­te­lec­tu­ais or­gâ­ni­cos do Es­ta­do” (Gram­sci).

Tam­bém não  te­mos  aqui aque­la in­te­lec­tu­a­li­da­de “aguer­ri­da”,  or­gu­lho­sa das pró­pri­as con­quis­tas e cer­te­zas ra­ci­o­nais, ci­en­te dos pró­prios prin­cí­pios ló­gi­co-mo­ra­is,  “ide­o­lo­gi­za­da” a pon­to de co­lo­car  os prin­cí­pios ra­ci­o­nais  aci­ma da pró­pria vi­di­nha de ami­gos-e-fa­mí­lia, tão ca­ra aos  subde­sen­vol­vi­dos.  Aqui en­tre nós, o “chur­ras­co-na-la­je” é bem mais ape­ti­to­so do que as “se­te ca­te­go­ri­as do En­ten­di­men­to em Kant”.  Não te­mos, por­tan­to, uma in­te­lec­tu­a­li­da­de “re­al”, que lu­ta , cri­ti­ca­men­te, con­tra a im­pos­si­bi­li­da­de de Evo­lu­ção que to­do Es­ta­do to­ta­li­tá­rio lhe im­põe.  In­te­lec­tu­ais e ar­tis­tas de ver­da­de, es­tão dis­pos­tos a mor­rer pe­la li­ber­da­de de ex­pres­são e de pes­qui­sa. O su­fo­ca­men­to da ra­zão é mai­or do que o su­fo­ca­men­to dos pul­mões, pa­ra a ver­da­dei­ra in­telctu­a­li­da­de, mas , re­pe­tin­do, is­so não exis­te no Bra­sil. Aqui, o “mês-ani­ver­sá­rio da mi­nha ne­ti­nha me pre­en­che to­tal­men­te”, não pre­ci­so apro­fun­dar-me na me­ta­fí­si­ca de He­gel pa­ra sen­tir al­gum ti­po de pra­zer cri­a­ti­vo.  A afe­ti­vi­da­de abai­xo do Equa­dor quei­ma os neu­rô­ni­os ce­re­bra­is da Ra­zão.

O pró­xi­mo pas­so, fa­cil­men­te fran­que­a­do pe­lo Lu­lo-Pe­tis­mo-Es­quer­dis­mo é a mi­li­cia-li­za­ção das co­mu­ni­da­des sub-bur­gue­sas, coi­sa que o pró­prio PT já ten­tou fa­zer no úl­ti­mo go­ver­no Dil­ma, mon­tan­do um ti­po de “go­ver­no-dos-So­vi­ets-pa­ra­le­lo-ao-Con­gres­so”. Tur­bi­na­dos es­ses So­vi­ets ( gru­pos “cam­po­nes­es-ope­rá­rios”), ar­má-los  – à la  Cha­vis­mo – é ape­nas um de­ta­lhe. Ar­ma­dos, a Ve­ne­zu­e­li­za­ção se com­ple­ta. Com­ple­ta­da a Ve­ne­zu­e­li­za­ção, o fu­tu­ro é com­ple­ta­men­te in­cer­to, pro­va­vel­men­te com , no mí­ni­mo, dé­ca­das, sé­cu­lo, de co­mu­nis­mo (vi­de Cu­ba, p.ex., on­de tu­do is­to já se con­so­li­dou em es­tá­gio já bem avan­ça­do, in­clu­si­ve com to­da a com­ple­ta co­op­ta­ção in­te­lec­tu­al que ci­tei aci­ma).

 

(Mar­ce­lo Cai­xe­ta, psi­qui­a­tra)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais