Opinião

Precisamos estar voltados para o futuro

diario da manha

Es­ta­mos so­bre­car­re­ga­dos de pro­ble­mas no pre­sen­te. En­tre eles, os re­la­ti­vos à edu­ca­ção, se­gu­ran­ça pú­bli­ca, tran­spor­tes co­le­ti­vos e sa­ú­de.

A edu­ca­ção mi­nis­tra­da ho­je pe­ca pe­la pre­ca­ri­e­da­de. Não cor­res­pon­de ao an­seio an­sio­sa­men­te es­pe­ra­da pe­lo alu­no. No meio ru­ral, en­tão, nem se fa­la. Os alu­nos pre­ci­sam de en­si­no prá­ti­co, que o aju­de em sua vi­da do dia a dia. As­sim co­mo se vê na Co­réia do Sul, pa­ís emer­gen­te.

Ain­da bem que exis­te no Pa­ís ins­ti­tu­i­ções com o Se­brae, o Se­nar e dos Clu­bes 4 S. Es­ses sim, da ini­ci­a­ti­va em­pre­sa­ri­al pri­va­da, aten­dem à mo­der­ni­da­de. Nas es­co­las pú­bli­cas a ques­tão ide­o­ló­gi­ca tem que ser dei­xa­da de la­do. Por­que na prá­ti­ca não acres­cen­ta na­da de bom. Ali­ás, en­si­na a di­vi­dir o Pa­ís em cas­tas.

Na área da se­gu­ran­ça pú­bli­ca as­sis­ti­mos no dia a dia a prá­ti­ca cres­cen­te do mun­do do cri­me. São as dro­gas in­va­din­do os la­res. As fa­mí­lias in­se­gu­ras. O pai de fa­mí­lia sai pa­ra o tra­ba­lho, os fi­lhos vão pa­ra a es­co­la, as mã­es se di­ri­gem aos cul­tos re­li­gi­o­sos… e nin­guém sa­be se vol­tam. Tan­to po­dem ser ví­ti­mas de fur­tos ou rou­bos quan­to de agres­sões, al­gu­mas cul­mi­nan­do em mor­te.

Que Bra­sil é es­se? Pre­ci­sa­mos dar um freio nis­so.

O tran­spor­te co­le­ti­vo não sa­tis­faz. Nos ter­mi­nais ou nos pon­tos de ôni­bus são àque­le Deus nos acu­da. Es­tão sem­pre lo­ta­dos. As pes­so­as se sen­tem no mai­or des­con­for­to. Is­so pre­ci­sa ser mu­da­do. O me­trô tor­na-se uma ne­ces­si­da­de ina­diá­vel nas ci­da­des com po­pu­la­ção mais acen­tu­a­da.

Na sa­ú­de pú­bli­ca tam­bém é àque­le con­fli­to, àque­la dor de ca­be­ça. Nin­guém po­de ado­e­cer. As ci­da­des go­i­a­nas – e bra­si­lei­ras de mo­do ge­ral – pre­ci­sam ur­gen­te­men­te de pos­tos de sa­ú­de em to­dos os bair­ros e vi­las. Em São Pau­lo, o pre­fei­to da Ca­pi­tal es­ti­cou o ho­rá­rio dos pos­tos de sa­ú­de pe­la noi­te to­da. Es­sa de­ci­são con­tri­bu­iu pa­ra re­mo­ver mais os do­en­tes. Pre­ci­sa­mos fa­zer al­go, so­bre­tu­do for­mu­lar me­di­das de or­dem pre­vi­den­ci­á­ria. A ins­ta­la­ção de re­des de es­go­tos con­tri­bui na pre­ven­ção da sa­ú­de pú­bli­ca.

De olho no fu­tu­ro

O Bra­sil pa­ra tor­nar-se um pa­ís me­lhor nos pró­xi­mos cin­quen­ta anos pre­ci­sa dis­por de um pla­ne­ja­men­to pa­ra que os pro­ble­mas não se­jam agu­ça­dos e pre­ju­di­quem a sua gen­te. Ener­gia é uma ne­ces­si­da­de bá­si­ca. O Bra­sil dis­põe de po­ten­ci­al de ener­gia al­ter­na­ti­va co­mo pou­cos no mun­do. En­tre eles, lu­mi­no­si­da­de em to­das as es­ta­ções do ano.

A ener­gia so­lar po­de aten­der tan­to nas ci­da­des quan­to no meio ru­ral. Pra­ti­ca­men­te a cus­tos ze­ro. O po­ten­ci­al hi­dre­lé­tri­co é tam­bém imen­so.

A água já cons­ti­tui pre­o­cu­pa­ção no pre­sen­te e a ten­dên­cia é que se tor­na agu­da nos pró­xi­mos anos. Além de cla­mar pu­bli­ca­men­te por con­ten­ção dos re­cur­sos hí­dri­cos, aten­ta­mos no meio ru­ral pa­ra a pre­ser­va­ção das nas­cen­tes. Em­bo­ra o Bra­sil dis­po­nha do mai­or po­ten­ci­al hí­dri­co do pla­ne­ta, com ên­fa­se pa­ra a Ama­zô­nia Bra­si­lei­ra, es­ses re­cur­sos exi­gem cui­da­dos quan­to à po­lu­i­ção. To­ne­la­das de li­xos são jo­ga­das nos rios, cór­re­gos e la­go­as po­lu­in­do as águas e às vi­da ani­mal ou ve­ge­tal exis­ten­te.

Te­mos que dis­por de con­di­ções tec­no­ló­gi­cas, dis­po­ni­bi­li­da­des fi­nan­cei­ras ofi­ci­ais, apoio ju­rí­di­co pa­ra que o Pa­ís con­ti­nue co­mo gran­de pro­du­tor de ali­men­tos. Que aten­da o mer­ca­do in­ter­no e ex­por­te o ex­ce­den­te, con­tri­buin­do for­te­men­te co­mo acon­te­ce ho­je ge­ran­do e man­ten­do to­da a ca­deia do agro­ne­gó­cio. Des­de a por­tei­ra nas fa­zen­das, ao es­co­a­men­to da pro­du­ção e en­tre­ga no va­re­jo; fá­bri­ca de tra­to­res e im­ple­men­tos agrí­co­las e as­sim por di­an­te.

O meio am­bi­en­te pre­ci­sa ser pre­ser­va­do e res­pei­ta­do. A po­pu­la­ção pa­ra tan­to ne­ces­si­ta ser ori­en­ta­da ade­qua­da­men­te so­bre o pro­ces­so de pre­ser­va­ção. O li­xo, por exem­plo, me­re­ce cui­da­dos na se­le­ção e no de­pó­si­to adre­de pre­pa­ra­do.

A po­bre­za me­re­ce es­pe­ci­al aten­ção em to­dos os sen­ti­dos. A edu­ca­ção e a sa­ú­de cons­ti­tu­em mis­são-cha­ve no seu bem-es­tar. Pre­ci­sa-se co­or­de­nar apoio só­cio-edu­ca­ti­vo pa­ra se pos­sí­vel rom­per es­se es­tá­gio de­su­ma­no e tris­te.

A edu­ca­ção é o ali­men­to mais ne­ces­si­ta­do pa­ra o ser hu­ma­no, so­bre­tu­do quan­to ao seu fu­tu­ro. Do ber­ço à es­co­la, a edu­ca­ção pre­ci­sa es­tar pre­sen­te. Os in­ves­ti­men­tos go­ver­na­men­tais pre­ci­sam ser am­pli­a­dos. Tal­vez, até do­bra­dos con­for­me o qua­dro em ca­da ci­da­de.

A de­mo­cra­cia é a por­ta de en­tra­da e sa­í­da da li­ber­da­de hu­ma­na. A de­mo­cra­cia pre­ci­sa ser en­si­na­da nas es­co­las. O ho­mem sem li­ber­da­de é um pri­si­o­nei­ro. Não vai a lu­gar al­gum. Por is­so, lu­ta­mos pe­la de­mo­cra­cia, on­de tam­bém o vo­to se­cre­to faz a di­fe­ren­ça.

A po­pu­la­ção se mul­ti­pli­ca a ca­da 50 anos. O Bra­sil em 1970, quan­do con­quis­tou o tri no fu­te­bol, dis­pu­nha de 90 mi­lhões de bra­si­lei­ros. Ho­je, eles ul­tra­pas­sam a ca­da dos 200 mi­lhões. Is­so sig­ni­fi­ca no­vos de­sa­fi­os, no­vos con­fli­tos, que bus­cam ime­di­a­ta so­lu­ção. Pre­ci­sa­mos es­tar aten­tos aos pro­ble­mas que de­man­dam mais es­co­las, no­vos pos­tos de sa­ú­de, no­vos hos­pi­tais, mais re­de de água e es­go­tos e por aí vai.

As do­en­ças pre­ci­sam ser con­ti­das e um am­plo tra­ba­lho de pre­ven­ção con­tra as no­vas que sur­gem.

En­fim, o Bra­sil até ago­ra, gra­ças a Deus, ja­mais vi­veu pro­ble­ma de ter­ro­ris­mo. Nem por is­so, pu­de­mos des­cui­dar. O Pa­ís te­ve seus mor­tos na Se­gun­da Gran­de Guer­ra. De­ve­mos lu­tar pe­la paz, sem­pre a nos­sa ban­dei­ra. Mas, nos­sas For­ças Ar­ma­das pre­ci­sam es­tar pre­pa­ra­das.

En­fim, pro­ble­mas nun­ca fal­tam. Por­tan­to, de­ve­mos pla­ne­jar e nos pre­pa­rar o me­lhor pos­sí­vel pa­ra ven­cer­mos os per­cal­ços no ca­mi­nho.

 

(Jo­sé Má­rio Schrei­ner ou Zé Má­rio, lí­der clas­sis­ta)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais