Opinião

Sobre o amor e a paixão!

diario da manha

O amor e a pai­xão en­con­tra­ram-se por aca­so em um fi­nal de tar­de e de­ci­di­ram to­mar jun­tos a um ca­fé. Im­pa­ci­en­te, a pai­xão pe­dia agi­li­da­de ao gar­çom en­quan­to o amor fo­lhe­a­va uma re­vis­ta com olhar dis­tra­í­do. Sua pa­ci­ên­cia ir­ri­ta a ami­ga: “Co­mo vo­cê con­se­gue man­ter-se tão cal­mo? Por­que se de­mo­ra tan­to pa­ra fa­zer um ca­fé?!” O amor sor­ri. “Na ver­da­de, não es­tou aqui pe­lo ca­fé, gos­ta­ria de cur­tir um bom pa­po com a mi­nha ami­ga, mas ela es­tá tão pre­o­cu­pa­da que pa­re­ce não me per­ce­ber. To­ma­ra que o ca­fé de­mo­re, as­sim te­re­mos mais tem­po pa­ra con­ver­sar. Já não nos en­con­trá­va­mos há tan­to tem­po”. A pai­xão se ajei­ta no ban­co. “É, ami­go. Vo­cê an­da mes­mo su­mi­do. Qua­se não te ve­jo por aí. As pes­so­as pa­re­cem não pre­ci­sar mais de vo­cê. Es­tão co­mo eu: pre­o­cu­pa­dos de­mais pa­ra lhe per­ce­ber. Es­tá de­sem­pre­ga­do?” O amor fi­ca em si­lên­cio por al­guns se­gun­dos, co­lo­ca a re­vis­ta de la­do e olha pa­ra a ami­ga. “Es­tou fa­zen­do bi­cos, tra­ba­lho aqui e ali, na­da du­ra­dou­ro, qua­se sem­pre res­tri­to ao ser­vi­ço de mã­es e avós. As pes­so­as es­tão mais pro­pen­sas a vo­cê que a mim”. A pai­xão fi­nal­men­te pe­ga o ca­fé, co­lo­ca o açú­car, me­xe e fi­ta o ami­go. “Eu es­tou nu­ma cor­re­ria só. To­dos me que­rem por per­to, não es­tou ten­do tem­po pa­ra na­da. An­ti­ga­men­te meu pú­bli­co era bem jo­vem, mas ho­je aten­do a to­das as ida­des. Vo­cê não tem rai­va de mim, já que es­tou pros­pe­ran­do tan­to, né?” O amor tam­bém re­ce­be o seu ca­fé e sor­ri. “Não”, diz ele so­pran­do e me­xen­do ao mes­mo tem­po, “es­se sen­ti­men­to não com­bi­na co­mi­go. Não so­mos con­cor­ren­tes, te­mos pa­péis di­fe­ren­tes. O cer­to é vo­cê abrir o meu ca­mi­nho. As pes­so­as se em­pol­gam na pai­xão e se re­a­li­zam no amor!”. Ela não dis­cu­te. Diz que es­tá apres­sa­da, fa­la ao te­le­fo­ne o tem­po to­do, ges­ti­cu­la e tem uma agen­da cheia. Ele es­tá com a tar­de li­vre. Ela pe­de a con­ta e ti­ra um bo­lo de di­nhei­ro da bol­sa cheia de coi­sas que não sa­be pa­ra que ser­vem. Ele es­tá sem um tos­tão e pe­de pa­ra a ami­ga pa­gar a con­ta. “Só mais es­ta vez”. Am­bos se le­van­tam e par­tem pa­ra ca­mi­nhos com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes.

 

(Thi­a­go Men­des é es­cri­tor)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais