Opinião

Um amor de Fortaleza

diario da manha

Era o ano de 1990 na be­lís­si­ma ci­da­de de For­ta­le­za Ce­a­rá a ale­gria pai­ra­va em meu co­ra­ção, pois sen­ti­ria que tu­do se afir­ma­ra em ges­tos be­los de se­re­ni­da­de es­plên­di­dos que con­fi­gu­ra­vam em ima­gens ní­ti­das que nun­ca de­sa­pa­re­ce­ram.

An­dan­do pe­la or­la da praia de Ira­ce­ma, re­lem­bro mui­to bem no dia 20 de Ju­lho uma sex­ta-fei­ra des­fru­tan­do de me­re­ci­das fé­rias da Uni­ver­si­da­de Jo­ão Iná­cio de No­ro­nha ob­ser­vo uma mo­ça lin­da, olhos cas­ta­nhos, ca­be­los pre­tos que es­ta­va em um qui­os­que com umas ami­gas, eu Flo­ri­a­no Go­mes Sou­za nun­ca na mi­nha vi­da ha­via de­pa­ra­do com al­guém tão be­la e su­bli­me.

Che­gan­do mais pró­xi­mo pas­sei em fren­te a ela e su­as ami­gas e es­bo­cei um sor­ri­so tí­mi­do tí­pi­co de al­guém que não tem jei­to pa­ra uma con­ver­sa, mas que re­for­ça a sim­pli­ci­da­de nos mí­ni­mos atos que se de­ve pre­va­le­cer, cin­co mi­nu­tos se pas­sa­ram, mas aque­le  ins­tan­te se tor­nou úni­co fi­can­do pre­sen­te no meu pen­sa­men­to que iria ser con­cre­ti­za­do.

Os di­as tran­scor­re­ram e sen­tia que não te­ria a fe­li­ci­da­de de re­ver ela no­va­men­te, a joia ra­ra que con­quis­tou meu co­ra­ção, mas ti­nha a con­vic­ção que tu­do se re­a­li­za­ria e con­cre­ti­za­ria, pois o fu­tu­ro sem­pre de­se­nha al­go bom pa­ra nós, bas­ta crer.

Eis que o des­ti­no tra­ça pla­nos ini­ma­gi­ná­veis de re­tor­no a Go­i­â­nia mi­nha ter­ra na­tal ao em­bar­car as es­ca­das do avi­ão, ao lon­ge avis­to o que os meus olhos não po­de­ri­am acre­di­tar, era ela vin­do em mi­nha di­re­ção e tra­zen­do to­da a har­mo­nia de fe­li­ci­da­des, en­tran­do no avi­ão sen­tei em uma pol­tro­na no fi­nal do cor­re­dor em se­gui­da per­ce­be sua en­tra­da, ela en­trou e não en­con­trou pol­tro­na va­zia, ao ob­ser­var no bi­lhe­te a nu­me­ra­ção da pol­tro­na, ela se sen­tou na pol­tro­na que es­ta­va en­cos­ta­da jun­to a mi­nha, nes­te ins­tan­te o avi­ão fez os pri­mei­ros tra­je­tos pa­ra su­bir e ir­mos pa­ra a Go­i­â­nia on­de eu de­sem­bar­ca­ria.

Olhan­do pa­ra ela e cri­an­do co­ra­gem dis­se:

– Acho que já te­nho vis­to vo­cê em al­gum lu­gar? Vo­cê não é aque­la mo­ça que es­ta­va na praia de Ira­ce­ma to­man­do um sor­ve­te com su­as ami­gas?

Com um ar de fe­li­ci­da­de res­pon­deu

– Sim sou! Nos­sa!   Vo­cê se lem­bra de mim, que bom!

Ao res­pon­der fiz vá­ri­as per­gun­tas:

– Qual é o seu o no­me? Vo­cê tra­ba­lha em que? Vo­cê é de For­ta­le­za?

Ou­vin­do tan­tas in­da­ga­ções ela dis­se:

– Meu no­me é Ali­ce, tra­ba­lho em ar­qui­te­tu­ra, sou ar­qui­te­ta e es­tou in­do a Go­i­â­nia re­ver uns pa­ren­tes que há anos não os ve­jo e tam­bém olhar um pro­je­to ar­qui­te­tô­ni­co de cons­tru­ção de um edi­fi­co cha­ma­do Tor­re do Ama­nhã.

Ten­do res­pon­di­do to­das as per­gun­tas ela in­da­gou e per­gun­tou:

– E vo­cê Qual é o seu no­me? Em que tra­ba­lha? É de For­ta­le­za ou de Go­i­â­nia?

Ao res­pon­der dis­se:

– Não! Não sou de For­ta­le­za, sou de Go­i­â­nia on­de sou pro­fes­sor de his­tó­ria com pós-dou­to­ra­do e mi­nis­tro au­las na Uni­ver­si­da­de Jo­ão Iná­cio de No­ro­nha es­ta­va em For­ta­le­za pa­ra pas­sar as fé­rias.

Ao ter­mi­nar as con­ver­sas ini­ci­ais apro­fun­da­mos so­bre vá­rios as­sun­tos, sen­tia que ha­via uma con­jun­ção de olha­res tan­to de mi­nha par­te quan­to da par­te de­la ao con­clu­ir um pen­sa­men­to dis­se:

– Ali­ce des­cul­pe fa­lar. Gos­ta­ria de sa­ir co­mi­go em Go­i­â­nia pa­ra que pu­dés­se­mos se co­nhe­cer me­lhor.

Res­pon­den­do a is­so ela dis­se:

– Sim Cla­ro! Por ­que não?

Ao di­zer is­to res­pon­de:

– Por fa­vor, se pos­sí­vel me pas­sa seu te­le­fo­ne pa­ra po­der­mos sa­ir po­de ser?

Em se­gui­da ela dis­se:

– Sim pos­so, on­de va­mos pas­se­ar?

Re­tor­nan­do ao as­sun­to res­pon­de:

– Não se pre­o­cu­pe Go­i­â­nia tem bons lu­ga­res pa­ra en­tre­te­ni­men­tos, res­tau­ran­tes, Shop­pings Cen­ters e tu­do de bom que vo­cê nem ima­gi­na.

Fo­ram mi­nu­tos de ale­gri­as até que en­fim che­ga­mos á Go­i­â­nia on­de to­da pers­pec­ti­va de pos­si­bi­li­da­des se ins­tau­ra­ria, a se­ma­na pas­sa em uma ve­lo­ci­da­de e en­fim se apro­xi­ma­va a sex­ta-fei­ra on­de en­con­tra­rí­a­mos e di­ria a ela to­do o meu sen­ti­men­to que es­ta­va guar­da­do, oi­to ho­ras da noi­te ha­via che­ga­do e de lon­ge pró­xi­mo à ca­sa de seus tios Jo­el e Car­min­da co­mer­cian­tes e mo­ran­do em uma ca­sa de Al­pen­dre que fi­ca­va no se­tor Cam­pi­nas.

Ba­ten­do á por­ta eis que aten­de sue tio Jo­el com um ar ri­go­ro­so e fa­lan­do rís­pi­do dis­se:

– Quem é o se­nhor? O que quer com mi­nha so­bri­nha?

An­tes de ter­mi­nar de fa­lar Ali­ce dis­se:

– Tio se­ja cor­tês é um ami­go que mo­ra aqui em Go­i­â­nia e veio bus­car pa­ra que pos­sa­mos sa­ir.

Di­an­te des­sa ex­pli­ca­ção seu tio Jo­el dis­se:

– Mil des­cul­pas não sa­bia que era ami­go de mi­nha so­bri­nha.

En­tão res­pon­de:

–  Tu­do bem ! Não se pre­o­cu­pe cu­i­da­rei mui­to bem de sua so­bri­nha, po­de fi­car tran­qui­lo!

En­fim sa­í­mos e fo­mos a um res­tau­ran­te mui­to ba­da­la­do na ci­da­de se cha­ma­va Gas­tro­no­mia do Sa­bor mui­to fre­quen­ta­do por ar­tis­tas e in­te­lec­tu­ais da ci­da­de, os olha­res se apro­fun­da­ram dis­se a ela tu­do que sen­tia e que ama­va des­de o pri­mei­ro mi­nu­to que a vi e de­se­ja­ria as­su­mir um com­pro­mis­so sé­rio com ela, ao di­zer is­to tu­do, ela com um tom afir­ma­ti­vo dis­se:

– Sim Cla­ro! , tam­bém gos­tei de vo­cê des­de o pri­mei­ro ins­tan­te, acei­to na­mo­rar com vo­cê.

Ao acei­tar abra­ça­mos e bei­ja­mos e to­do um con­jun­to de sen­sa­ções se pro­je­ta­ri­am na fe­li­ci­da­de que se con­cre­ti­za­ria no rai­ar de um tem­po vin­dou­ro, ho­je em 2018 eu Flo­ri­a­no ca­sa­do com Ali­ce na ale­gria da har­mo­nia de sen­ti­men­tos jun­ta­men­te com meus fi­lhos Fer­di­nan­do e Ce­cí­lia per­ce­bo que a fe­li­ci­da­de é Pos­sí­vel, Um Amor de For­ta­le­za se fez pre­sen­te, pois em um sim­ples olhar se con­cre­ti­zou em pa­la­vras per­fei­tas que faz crer que a sin­gu­la­ri­da­de se com­ple­ta em ca­da mi­nu­to que se vê.

 

(Ruy da Pe­nha Lo­bo, li­cen­cia­do em le­tras Es­pa­nhol – UCG ho­je PUC Go­i­ás re­si­den­te em Bon­fi­nó­po­lis – Go­i­ás Twit­ter: @pe­nha­lo­bo: Fa­ce­bo­ok: Ruy da Pe­nha Lô­bo )

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais