Opinião

Um amor de Goiânia

diario da manha

Era o ano de 1986. Eu Ro­ber­to Gon­çal­ves no au­ge da mi­nha ado­les­cên­cia aos 15 anos jun­ta­men­te com meus pa­is Jus­ti­nia­no e Ma­ria Amé­lia e mi­nhas ir­mãs Cás­sia e Cân­di­da na mais com­ple­ta ale­gria por che­gar a Go­i­â­nia uma ci­da­de lin­da, aco­lhe­do­ra que iria mu­dar por com­ple­to o ru­mo de nos­sas vi­das e que mu­dam a ca­da ins­tan­te.

Sa­í­mos de Ni­te­rói Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro, meu pai foi trans­fe­ri­do pa­ra tra­ba­lhar em uma agen­cia do Ban­co do Bra­sil, a nos­sa vi­da ao se de­pa­rar com es­tá no­va con­fi­gu­ra­ção era de mui­ta sa­tis­fa­ção, pois an­tes de sair­mos de Ni­te­rói, meu pai ha­via com­pra­do uma ca­sa no Bair­ro de Cam­pi­nas em Go­i­â­nia, um bair­ro tran­qüi­lo, bom qua­se uma pe­que­na ci­da­de on­de to­do mun­do se co­nhe­cia e se aju­da­va nas mí­ni­mas coi­sas, no qual ho­je se vi­ve um in­di­vi­dua­lis­mo des­re­gra­do on­de nin­guém se pre­o­cu­pa com o se­me­lhan­te de­mons­tran­do o ca­pi­ta­lis­mo que im­pe­ra ho­je em nos­sa so­ci­e­da­de.

Com to­das as mu­dan­ças que es­ta­va acon­te­cen­do lem­bro que eu Ro­ber­to e mi­nhas ir­mãs Cás­sia e Cân­di­da co­me­ça­mos a es­tu­dar no Co­lé­gio Pe­dro Sil­vei­ra, co­lé­gio de al­to ní­vel edu­ca­cio­nal, óti­ma qua­li­da­de na edu­ca­ção em Go­i­â­nia.

Um dia na cor­re­ria dos es­tu­dos an­dan­do pe­los seus cor­re­do­res es­bar­rei em uma mo­ça lin­da, olhos azu­is, ca­be­los loi­ros se cha­ma­va Ri­ta ao olhar pa­ra ela sor­riu e aque­le sor­ri­so ilu­mi­nou o meu co­ra­ção, nes­te ins­tan­te ti­ve a cer­te­za que era ela a mu­lher da mi­nha vi­da pe­lo qual de­di­ca­ria to­do meu amor.

Al­guns di­as a re­en­con­tro de no­vo des­ta vez em uma lan­cho­ne­te do se­nhor Vi­di­gal um an­ti­go mo­ra­dor que se mu­dou pa­ra São Pau­lo e não ve­jo há anos se cha­ma­va En­con­tro de Ami­gos fi­ca­va no mes­mo se­tor que mo­ra­va, quem eu ve­jo lá é ela per­ce­bi que es­ta­va so­zi­nha e en­tão dis­se pa­ra eu mes­mo es­te é o mo­men­to pa­ra di­zer tu­do que sin­to, to­do o amor que te­nho em meu co­ra­ção  e que é bas­tan­te.

Ao apro­xi­mar dis­se:

– Olá acho que co­nhe­ce­mos de al­gum lu­gar? Não é mes­mo?

E ela res­pon­deu:

Sim eu te co­nhe­ço tam­bém es­tu­da co­mi­go?.

Em se­gui­da fa­lei:

– Sim es­tu­do.

E de­pois a per­gun­tei:

– Qual é seu no­me?

– Meu no­me é Ri­ta

E de­pois fa­lou:

– E o seu no­me qual é?

Por fim dis­se:

– Meu no­me é Ro­ber­to

Ao apro­fun­dar a con­ver­sa per­gun­tei on­de mo­ra­va e ela dis­se que era na Ave­ni­da 24 de Ou­tu­bro tam­bém no bair­ro de Cam­pi­nas. Ao di­zer is­to dis­se:

– Ri­ta te­nho al­go a di­zer-lhe

E ela res­pon­deu;

– fa­le que es­tou te ou­vin­do

En­tão res­pon­de:

– Des­de o mo­men­to que a vi meu co­ra­ção ba­teu mais for­te sin­to que es­tou gos­tan­do de vo­cê, vo­cê acei­ta­ria na­mo­rar co­mi­go?

En­tão Ri­ta res­pon­deu

– Nos­sa! Eu ti­ve o mes­mo sen­ti­men­to gos­tei mui­to do seu jei­to de ser, acei­to na­mo­rar com vo­cê, mas vo­cê te­rá que fa­lar com meu. Pai seu Ho­nó­rio ele é mui­to sis­te­má­ti­co e gos­ta das coi­sas cor­re­tas mui­to bem re­sol­vi­das.

Em se­gui­da res­pon­de:

– Ri­ta mar­que o dia que irei a sua ca­sa pe­dir per­mis­são a seu pai.

Com o de­cor­rer do tem­po Ri­ta fa­lou com seu pai no co­me­ço ele se mos­trou res­sis­ten­te, mas com a aju­da de sua mãe Gi­se­la seu Ho­nó­rio per­mi­tiu que eu fos­se a sua ca­sa  , pas­sam-se os di­as en­fim che­ga o dia 08 de agos­to de 1989 a ex­pec­ta­ti­va era gran­de me apron­to  e  fui a ca­sa  de Ri­ta , ao ba­ter a por­ta a cam­pa­i­nha  quem  abre a por­ta seu Ho­nó­rio , ao abrir a apor­ta dis­se a seu Ho­nó­rio :

-Boa noi­te! O Se­nhor vai bem e a fa­mí­lia co­mo es­tá?

Se­nhor Ho­nó­rio meio ás­pe­ro dis­se:

– Sim es­tou

Com uma ca­ra de dar me­do pen­sei co­mi­go mes­mo vai ser di­fí­cil con­ven­cê-lo que acei­te na­mo­rar com Ri­ta, mas Deus na sua di­vi­na pro­vi­dên­cia ilu­mi­nou que tu­do tran­scor­res­se na mais pu­ra  tran­qüi­li­da­de seu Ho­nó­rio com o pas­sar das ho­ras e com as pia­das que ha­via con­ta­do per­ce­beu que eu era uma boa pes­soa e foi amas­san­do e dis­se :

– Ro­ber­to vo­cê gos­ta re­al­men­te da mi­nha fi­lha?

En­tão dis­se:

– Sim Se­nhor Ho­nó­rio eu amo a sua fi­lha des­de o pri­mei­ro ins­tan­te que a vi e pro­me­to nun­ca de­cep­cio­na-la.

Em se­gui­da seu Ho­nó­rio per­gun­tou:

– Em que vo­cê tra­ba­lha Ro­ber­to ?

Nes­ta ho­ra dis­se:

– Eu tra­ba­lho em uma pa­pe­la­ria o dia to­do e a noi­te es­tu­do no mes­mo Co­lé­gio de Ri­ta.

Ao ter­mi­nar as in­da­ga­ções a mi­nha pes­soa seu Ho­nó­rio man­dou cha­mar Ri­ta e dis­se:

– Ri­ta mi­nha fi­lha vo­cê gos­ta do Ro­ber­to.

Ri­ta en­tão fa­lou:

– Sim Eu gos­to, eu o amo des­de o mo­men­to que o vi .

Nes­ta ho­ra seu Ho­nó­rio en­tão dis­se:

– Se é as­sim mi­nha fi­lha eu apro­vo o na­mo­ro, mas se com­por­te mi­nha fi­lha que­ro um na­mo­ro  de mui­to res­pei­to .

Em se­gui­da dis­se pa­ra eu :

– Vo­cê Ro­ber­to na­mo­re com res­pei­to com mi­nha fi­lha.

Por fim res­pon­de:

– Po­de fi­car tran­qüi­lo o se­nhor não vai se de­cep­cio­nar, pois eu amo a sua fi­lha.

Ao ter­mi­nar es­sas pa­la­vras fo­mos pa­ra o jan­tar e após o jan­tar ha­via uma so­bre­me­sa de­li­cio­sa um do­ce de pês­se­go com do­ce de Lei­te que não es­que­ço até ho­je fi­can­do  guar­da­do  em mi­nha  me­mó­ria  em meus pen­sa­men­to  de um mo­men­to  im­par  de mi­nha  vi­da, quan­do  ter­mi­nou a so­bre­me­sa ao sa­ir de sua  ca­sa  na  épo­ca  lem­bro bem era uma ca­sa azul cla­ro de al­pen­dre com um por­tã­o­zi­nho de fer­ro, ca­sa tí­pi­ca des­se tem­po e que ho­je não  exis­te mais  fi­can­do na lem­bran­ça na mi­nha His­tó­ria .

Ao sa­ir pa­ra fo­ra abra­ça­mos  e bei­ja­mos e aque­le me­men­to se eter­ni­za­ria  em ou­tros mo­men­tos que vi­ri­am pe­la fren­te , com o pas­sar do anos  es­tu­dan­do  , ba­ta­lhan­do  Eu Ro­ber­to e Ri­ta gra­dua­mos  em En­ge­nha­ria e en­tão de­ci­di­mos  ca­sar  na  igre­ja  Ma­triz de Cam­pi­nas no dia  O8 de No­vem­bro  de 1996 foi uma  ce­ri­mô­nia  lin­da  pois  es­ta­va con­cre­ti­zan­do  to­dos os meus  so­nhos  e o prin­ci­pal de­les  ca­sar com a mu­lher que amo.

Anos se pas­sa­ram e ho­je no ano de 2014 no dia 02 de Mar­ço jun­ta­men­te com a mi­nha es­po­sa Ri­ta e meus fi­lhos Pau­la e Re­na­to ela com 19 anos e ele com 20 anos te­nho a cla­ra con­vic­ção que o amor é a pon­te pa­ra a fe­li­ci­da­de, com re­la­ção as mi­nhas ir­mãs Cás­sia e Cân­di­da ao se gra­du­a­ram em His­tó­ria se aper­fei­ço­a­ram fi­ze­ram mes­tra­do e ho­je mi­nis­tram au­las em uma Uni­ver­si­da­de em Go­i­â­nia, ve­jo elas mui­to pou­co pe­la fal­ta de tem­po que ho­je não faz as pes­so­as per­ce­be­rem o la­do bom da vi­da.

Com re­fe­rên­cia a meus pa­is, meu pai e mi­nha mãe fa­le­ce­ram meu pai pri­mei­ro e mi­nha mãe por ul­ti­mo e que te­nho gran­des sa­u­da­des, o amor é a por­ta que se abre pa­ra no­vos ca­mi­nhos, não te­nho meus pa­is, mi­nhas ir­mãs qua­se não as ve­jo, mas te­nho um amor que não sub­sti­tui ou­tro, mas que é im­por­tan­te, pois se ini­ciou há mui­to tem­po tra­zen­do sem­pre paz ao meu co­ra­ção, es­te amor se ini­ciou nos cor­re­do­res de um co­lé­gio, na tro­ca de olha­res e que se re­a­li­zou é um Amor de Go­i­â­nia que se eter­ni­za­ra de­mons­tran­do  que o amor es­ta  a ca­da dia  no ca­mi­nhar e nos  atos de se no­tar.

 

(Ruy da Pe­nha Lô­bo, li­cen­cia­do em le­tras Es­pa­nhol – UCG ho­je Puc Go­i­ás, re­si­den­te em Bon­fi­nó­po­lis – Go­i­ás – Twit­ter: @pe­nha­lo­bo – Fa­ce­bo­ok : Ruy da Pe­nha Lô­bo )

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela