Opinião

Versões pictóricas famosas

diario da manha

Le­o­nar­do da Vin­ci foi um gê­nio. Pin­tor, ci­en­tis­ta, mú­si­co, ar­qui­te­to, en­ge­nhei­ro e es­cri­tor. Sem dú­vi­da, um dos ho­mens mais ver­sá­te­is que o mun­do co­nhe­ceu. Dou um exem­plo. Du­ran­te es­ses úl­ti­mos anos, o ro­man­ce “O Có­di­go Da Vin­ci”, fi­gu­rou no to­po da lis­ta dos mais ven­di­dos. Na ver­da­de, um best-sel­ler mun­di­al, no qual o ame­ri­ca­no Dan Brown fez do ro­man­ce, cheio de mis­té­ri­os, uma tra­ma on­de são vis­tos enig­mas eso­té­ri­cos, te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as que en­vol­vem a Or­dem dos Tem­plá­rios e a ori­gem do San­to Gra­al. Le­o­nar­do Da Vin­ci (1452 – 1519), con­ti­nua cau­san­do as­som­bro em to­dos os que se dis­po­nham a es­tu­dá-lo. Vi, na in­ter­net, a “mãe dos bur­ros”, que há mi­lhões de pá­gi­nas de­di­ca­das àque­le que foi o me­lhor de to­dos os tem­pos, com­pa­ran­do-o a ou­tro “mons­tro”, Mi­che­lan­ge­lo. Há, exa­ta­men­te, 1505 anos, Da Vin­ci pro­du­ziu o mais fa­mo­so qua­dro da his­tó­ria, a Mo­na Li­sa. Não foi à toa que Freud, o pai da psi­ca­ná­li­se, fa­lou que ele “foi um ho­mem que acor­dou ce­do de­mais na es­cu­ri­dão, en­quan­to os ou­tros con­ti­nu­a­vam a dor­mir”. A re­vis­ta “Is­to É”, há al­guns anos, trou­xe uma re­por­ta­gem com o tí­tu­lo “O Fas­cí­nio de Mo­na Li­sa”, di­zen­do que ex­po­si­ção na Itá­lia com re­lei­tu­ras da pin­tu­ra de Da Vin­ci le­van­ta a ques­tão: por que es­ta obra exer­ce tan­to en­can­ta­men­to na hu­ma­ni­da­de? Re­al­men­te, “La Gi­o­con­da” pro­vo­ca es­se fas­cí­nio so­bre as pes­so­as. No mun­do in­tei­ro, da Re­nas­cen­ça pra cá, vá­ri­as são as ver­sões des­sa obra pri­ma: o bra­si­lei­ro Vick Mu­niz, em 1978, usou ge­léia e pas­ta de amen­do­im pa­ra re­gis­trar su­as Mo­na Li­sas; o co­lom­bi­a­no Bo­te­ro (1978), a fez com for­mas ar­re­don­da­das, fi­can­do “gor­di­nha”; a Mo­na Li­sa de Je­an-Mi­chel Bas­qui­at (1983) tem tra­ços mo­der­nos e for­tes; além da Gi­o­con­da com seus sei­os nus, do sé­cu­lo XVI, apa­re­ceu, em 1919, a mais gro­tes­ca de­las, pois o ar­tis­ta fran­cês Mar­cel Du­champ, deu-lhe um to­que de iro­nia e a pin­tou com bi­go­de e ca­va­nha­que. Hor­rí­vel, de­for­mou a obra atem­po­ral de da Vin­ci. In­te­res­san­te no­tar nes­ta crô­ni­ca, que Pi­e­tá, de Mi­che­lan­ge­lo Buo­nar­ro­ti (1475 – 1564), en­can­ta­do­ra es­cul­tu­ra do gran­de re­nas­cen­tis­ta, con­cluí­da em 1499, que se acha ex­pos­ta na Ba­sí­li­ca de São Pe­dro, no Va­ti­ca­no, não tem si­do co­pia­da por es­cul­to­res pós-Re­nas­ci­men­to. Tal­vez se­ja por­que se tra­ta de Nos­sa Se­nho­ra com Cris­to no co­lo, na des­ci­da da cruz. Mo­na Li­sa es­tá no Mu­seu do Lou­vre, em Pa­ris, e o qua­dro não con­tém a as­si­na­tu­ra de da Vin­ci, tam­pou­co sua da­ta. Por ou­tro la­do, Mi­che­lan­ge­lo as­si­na­va seu no­me nos seus tra­ba­lhos – Mi­che­lan­ge­lo Scul­to­re – co­mo se pre­ten­des­se abrir uma ja­ne­la pa­ra a eter­ni­da­de. E, ver­da­dei­ra­men­te, a abriu. An­tes da ma­gis­tral Pi­e­tá de Mi­che­lan­ge­lo, um anô­ni­mo es­cul­piu, em 1300, uma ou­tra cha­ma­da Rö­ti­gen Pi­e­tá, que se acha num mu­seu de Bonn, na Ale­ma­nha. Es­ta­va con­clu­in­do es­ta crô­ni­ca quan­do um ex­pert nes­sas ma­ra­vi­lhas da ar­te mun­di­al me fa­lou que há uma ou­tra Pi­e­tá, tam­bém de már­mo­re, de Mas­ter Cha­our­ce, (1500 – 1520), pos­ta à vi­si­ta­ção pú­bli­ca na Igre­ja de Saint Mar­tin, em Bayel, na Fran­ça. São, con­tu­do, ape­nas ver­sões.

 

(Lu­iz Au­gus­to Pa­ra­nhos Sam­paio, mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras e do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás da Aca­de­mia Ca­ta­la­na de Le­tras e da Uni­ão Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res. E-mail: lui­zau­gus­to­sam­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais