Opinião

A diferença entre fome e vontade de comer

diario da manha

A obe­si­da­de, do­en­ça que já atin­ge qua­se me­ta­de da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Sa­ú­de, tem di­ver­sas cau­sas. A re­la­ção en­tre a fo­me ver­da­dei­ra e a sim­ples von­ta­de de co­mer é um des­ses fa­to­res.

Is­so por­que de­vi­do à cres­cen­te in­ci­dên­cia de ma­les co­mo an­sie­da­de, es­tres­se e de­pres­são, mui­tos es­tão des­con­tan­do to­das as frus­tra­ções e pro­ble­mas di­á­rios na co­mi­da e, con­se­quen­te­men­te, in­ge­rin­do uma quan­ti­da­de de ali­men­tos bem mai­or do que or­ga­nis­mo pre­ci­sa pa­ra vi­ver.

Is­so acon­te­ce por­que o de­se­qui­lí­brio emo­cio­nal po­de ge­rar uma que­da no ní­vel de se­ro­to­ni­na no or­ga­nis­mo. Es­se neu­ro­trans­mis­sor, res­pon­sá­vel pe­la sen­sa­ção de bem-es­tar, é pro­du­zi­do pe­lo cor­po quan­do açú­ca­res são in­ge­ri­dos.

Nes­tes ca­sos, a pes­soa co­me sim­ples­men­te pa­ra ten­tar pre­en­cher o va­zio emo­cio­nal e se sen­tir me­lhor. Já a fo­me ver­da­dei­ra é bem di­fe­ren­te e re­sul­ta da ne­ces­si­da­de fi­si­o­ló­gi­ca do or­ga­nis­mo de ob­ter nu­tri­en­tes. E ela tem “sin­to­mas” fí­si­cos bem de­fi­ni­dos : o es­tô­ma­go ron­ca, e se não nos ali­men­tar­mos lo­go, po­de ocor­rer a dor de ca­be­ça, que só vai pas­sar de­pois que for fei­ta a re­fei­ção.

Do pon­to de vis­ta psi­co­ló­gi­co, a li­ga­ção en­tre emo­ções e co­mi­da co­me­ça quan­do ain­da se é be­bê, mui­to an­tes de qual­quer de­se­qui­lí­brio quí­mi­co no or­ga­nis­mo.

O ato de ma­mar pas­sa, en­tão, a ser as­so­cia­do pe­lo be­bê à sen­sa­ção de afe­to e pro­te­ção. Além des­sa li­ga­ção, há tam­bém as lem­bran­ças que al­guns ali­men­tos des­per­tam. Po­de ser aque­le bo­li­nho de chu­va da in­fân­cia ou o pe­ru de to­dos os Na­tais, quan­do os avós ain­da es­ta­vam vi­vos.

Es­tí­mu­los ex­ter­nos tam­bém po­dem des­per­tar a von­ta­de de co­mer sem que es­te­ja­mos com fo­me. É o ca­so da­que­le chei­ro de co­mi­da no cor­re­dor do pré­dio ou da piz­za quen­ti­nha do de­liv­ery ao la­do de ca­sa.

 

Cul­pa

A von­ta­de de co­mer que ul­tra­pas­sa o li­mi­te acei­tá­vel e le­va à obe­si­da­de é uma ar­ma­di­lha da qual é di­fí­cil sa­ir. Ela ge­ra um cír­cu­lo vi­ci­o­so de cul­pa e bai­xa au­to­es­ti­ma que po­de fa­zer a pes­soa se afun­dar ca­da vez mais no mar de ali­men­tos.

As emo­ções mal di­re­cio­na­das le­vam o in­di­ví­duo a co­mer de­mais e à obe­si­da­de. Is­so ge­ra frus­tra­ção, com­ple­xos, ca­rên­cia, so­li­dão, iso­la­men­to in­ten­ci­o­nal, en­fim, ele se sen­te cul­pa­do por co­mer de­mais e co­me ain­da mais pa­ra su­pe­rar a cul­pa. Cria-se as­sim um cir­cu­lo vi­ci­o­so on­de a prin­ci­pal vi­ti­ma é ele pró­prio.

Is­so tu­do sem con­tar o ris­co de do­en­ças car­dio­vas­cu­la­res, di­a­be­tes, pres­são al­ta e co­les­te­rol que a obe­si­da­de acar­re­ta.

Pa­ra que­brar o cír­cu­lo vi­ci­o­so da co­mi­da, o tra­ta­men­to ide­al en­vol­ve uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar que in­clui mé­di­co, nu­tri­cio­nis­ta e psi­co­lo­gos.

Uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da aju­da mui­to na ta­re­fa de iden­ti­fi­car a fo­me quan­do ela vem. O ide­al é co­mer de for­ma fra­ci­o­na­da ao lon­go do dia, a ca­da três ho­ras. A cons­tân­cia nos ho­rá­rios das re­fei­ções tam­bém aju­da o or­ga­nis­mo a se “au­tor­re­gu­lar” e a co­mu­ni­car quan­do a fo­me che­ga e qual o pon­to em que o cor­po es­tá sa­ci­a­do.

 

Di­cas pa­ra man­ter o fo­co na ho­ra de
co­mer

  • An­tes de co­me­çar qual­quer di­e­ta, te­nha uma me­ta cla­ra e de­fi­ni­da em re­la­ção ao pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to e re­sul­ta­dos es­pe­ra­dos pa­ra se man­ter en­vol­vi­do no pro­ces­so. Se per­gun­te o que va­le mais: a sa­tis­fa­ção de co­mer uma ba­ta­ta fri­ta no cur­to pra­zo ou ter cor­po mais es­bel­to e sa­dio num fu­tu­ro pró­xi­mo?
  • Co­mu­ni­que as pes­so­as de seu con­ví­vio so­bre sua de­ci­são de ema­gre­cer e ex­pli­que o mé­to­do que es­co­lheu. Is­so aju­da­rá vo­cê a re­ce­ber apoio e su­por­te ex­ter­no, ca­so pas­se por mo­men­tos de ins­ta­bi­li­da­de du­ran­te o pro­ces­so
  • An­tes de ini­ci­ar qual­quer re­fei­ção, se des­li­gue dos pro­ble­mas e não le­ve sen­ti­men­tos de rai­va, tris­te­za e ou­tras emo­ções ne­ga­ti­vas pa­ra a me­sa. Não con­ta­mi­ne o seu mo­men­to de equi­lí­brio e de sa­ú­de.
  • Man­te­nha-se fo­ca­do du­ran­te a ali­men­ta­ção, pres­tan­do aten­ção na mon­ta­gem e or­ga­ni­za­ção do pra­to, nas co­res e no chei­ro da co­mi­da, as­sim co­mo na mas­ti­ga­ção e nos sa­bo­res. Apro­vei­te ca­da ins­tan­te pa­ra sa­ci­ar to­dos os sen­ti­dos
  • Du­ran­te a mas­ti­ga­ção, ob­ser­ve os seus pen­sa­men­tos mais co­muns. Es­se é um ex­ce­len­te mo­men­to pa­ra ve­ri­fi­car se es­tá sub­sti­tuin­do su­as ca­rên­cias afe­ti­vas pe­la co­mi­da
  • Ao fi­nal de ca­da dia, fa­ça uma bre­ve re­vi­são do que foi sen­ti­do e pro­cu­re se re­cor­dar das emo­ções mais pre­sen­tes, ana­li­san­do o que de fa­to in­te­res­sa guar­dar e “car­re­gar” pa­ra o dia se­guin­te. So­bre­car­re­gar-se sem ne­ces­si­da­de po­de ge­rar mui­ta an­sie­da­de e des­con­for­to. A hi­gi­e­ne men­tal di­á­ria po­de ser a cha­ve pa­ra man­ter o con­tro­le das emo­ções
  • Pa­ra­be­ni­ze-se pe­las vi­tó­rias do dia, por ca­da há­bi­to po­si­ti­vo que con­se­guiu im­plan­tar e por mais um de­grau avan­ça­do ru­mo a me­ta

 

(Sô­nia Cai­xê­ta, nu­tri­cio­nis­ta es­pe­cia­lis­ta em Nu­tri­ção Clí­ni­ca, ema­gre­ci­men­to e Fi­to­te­ra­pia Clí­ni­ca)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar