Opinião

A inclusão de alunos público alvo da educação especial no ensino regular

diario da manha

O tra­ba­lho com a edu­ca­ção in­clu­si­va re­quer di­li­gên­cias e ap­ti­dão pe­lo pú­bli­co al­vo da edu­ca­ção es­pe­ci­al, es­se an­seio vem acom­pa­nha­do de to­da uma de­di­ca­tó­ria pe­la área in­clu­si­va, dan­do-se ao de­sen­vol­vi­men­to da ca­pa­ci­ta­ção com­ple­men­tar pa­ra atu­a­ção em sa­la de au­la, a as­sis­tên­cia de­ve­rá ser pro­mo­vi­da em to­da a con­jun­tu­ra ao alu­no Pú­bli­co Al­vo da Edu­ca­ção Es­pe­ci­al (PA­EE), aten­den­do to­das as ade­qua­ções as­so­cia­das á sua de­fi­ci­ên­cia, a apren­di­za­gem se­rá aces­sí­vel de for­ma fle­xí­vel e cla­ra.

A vin­cu­la­ção da fa­mí­lia e da es­co­la é pro­mo­vi­da co­mo avan­ço no de­sen­vol­vi­men­to do alu­no PA­EE, jun­tas po­dem oca­si­o­nar um me­lhor apren­di­za­do e ga­ran­tir uma de­sen­vol­tu­ra ao pró­prio alu­no, a fa­mí­lia é vi­tal pa­ra que o alu­no pos­sa avan­çar na edu­ca­ção, e ter ex­ce­len­tes re­sul­ta­dos em re­la­ção a sua si­tu­a­ção clí­ni­ca, fa­mí­lia sem­pre te­rá seu vín­cu­lo com os do­cen­tes e a ins­ti­tu­i­ção.

A es­tra­té­gia in­dis­pen­sá­vel é a con­jun­ção dos res­pon­sá­veis pe­lo de­sen­vol­vi­men­to do alu­no PA­EE, eles es­ta­rão li­ga­dos ao pro­ces­so de avan­ço do mes­mo, sen­do eles a fa­mí­lia o vín­cu­lo pri­mor­di­al, pro­fes­sor do AEE que se­rá a me­di­a­ção com o en­si­no e a psi­có­lo­ga.

To­do res­pal­do e di­rei­to es­tão as­se­gu­ra­dos a eles, des­de es­co­las e ins­ti­tu­i­ções sen­do adap­ta­das as su­as di­ver­gen­tes di­fi­cul­da­des a do­cen­tes ca­pa­ci­ta­dos ao en­si­no in­clu­si­vo, a De­cla­ra­ção de Sa­la­man­ca e a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção In­clu­si­va es­ta­rão en­car­re­ga­das pe­la efi­ci­ên­cia des­sas nor­mas.

Dis­põe so­bre o apoio ás pes­so­as por­ta­do­ra de de­fi­ci­ên­cia a sua in­te­gra­ção so­ci­al. De­fi­ne co­mo cri­me re­cu­sar, sus­pen­der, adiar, can­ce­lar ou ex­tin­guir a ma­trí­cu­la de um es­tu­dan­te por cau­sa de sua de­fi­ci­ên­cia, em qual­quer cur­so ou ní­vel de en­si­no, se­ja ele pú­bli­co ou pri­va­do. A pe­na pa­ra o in­fra­tor po­de va­ri­ar de um a qua­tro anos de pri­são, mais mul­ta.  (1989 Lei- 7853/89)

Dis­põe so­bre prin­cí­pios, po­li­ti­cas e prá­ti­cas na área das ne­ces­si­da­des edu­ca­cio­nais es­pe­ci­ais. (De­cla­ra­ção de Sa­la­man­ca)

No que se re­fe­re á or­ga­ni­za­ção e ás prá­ti­cas que con­tri­bu­em pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da cul­tu­ra in­clu­si­va, po­de­mos des­ta­car sua pe­cu­li­a­ri­da­des em re­la­ção a ca­da alu­no com sua de­fi­ci­ên­cia, pa­ra ser­mos es­pe­cí­fi­cos, po­de­mos des­ta­car o tran­stor­no do es­pec­tro do au­tis­mo, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo tran­stor­no do de­sen­vol­vi­men­to que pre­ju­di­ca a ca­pa­ci­da­de de se co­mu­ni­car e in­te­ra­gir com as de­mais pes­so­as en­tre ou­tras ma­ni­fes­ta­ções, de acor­do com o qua­dro clí­ni­co po­den­do ser clas­si­fi­ca­do de va­ri­as for­mas, a es­co­la que re­ce­ber es­se alu­no de­ve­ra ter co­nhe­ci­men­to em pri­mei­ra es­tân­cia so­bre o tran­stor­no que o alu­no pos­sui, e tam­bém sua si­tu­a­ção atu­al em re­la­ção à edu­ca­ção, pa­ra se ini­ci­ar as adap­ta­ções in­clu­si­vas pa­ra es­se alu­no, den­tro de su­as ne­ces­si­da­des, o alu­no com de­fi­ci­ên­cia do tran­stor­no de es­pec­tro do au­tis­mo de­ve ter mes­mo com a in­ter­ven­ção es­co­lar nas su­as adap­ta­ções pa­ra uma me­lhor fle­xi­bi­li­da­de na apren­di­za­gem, o apoio da fa­mí­lia, que au­xi­lia no de­sen­vol­vi­men­to do mes­mo.

A equi­pe es­co­lar tem uma fun­da­men­tal im­por­tân­cia na for­ma­ção da iden­ti­da­de in­clu­si­va do alu­no PA­EE, ela se tor­na res­pon­sá­vel pe­la apren­di­za­gem do alu­no, de for­ma prá­ti­ca, e cla­ra, en­quan­to pro­fes­sor os ob­je­ti­vos e elen­car o de­sen­vol­vi­men­to e a es­ta­bi­li­da­de do alu­no em sa­la de au­la, em cer­tos con­tex­tos co­mo po­de­mos ver em ca­sos que o alu­no pos­sui a de­fi­ci­ên­cia do tran­stor­no do es­pec­tro do au­tis­mo, o pro­fes­sor de­ve as­su­mir a po­si­ção de apoio e cau­te­la, em si­tu­a­ções con­se­quen­tes do tran­stor­no que o mes­mo pos­sui, sa­ben­do li­dar de for­ma pa­ci­fi­ca, e cui­da­do­sa, pa­ra que não se al­te­re seu ca­so.

A ação do pro­fes­sor de­ve ser ime­di­a­ta em re­la­ção à ação do alu­no, em ques­tão da sua de­fi­ci­ên­cia, o pro­fes­sor em si­tu­a­ção al­gu­ma de­ve aban­do­nar ou des­fa­vo­re­cer o alu­no es­pe­ci­al, se ha­ver ne­ces­si­da­des da so­li­ci­ta­ção dos pa­is ou de al­gum res­pon­sá­vel pe­lo alu­no PA­EE, o pro­fes­sor da sa­la de au­la do en­si­no re­gu­lar pre­sen­te no mo­men­to de­ve fi­car e acom­pa­nhar o alu­no até a che­ga­da do mes­mo, se pos­sí­vel aju­da-lo.

A fa­mí­lia tem seu im­por­tan­te pa­pel no de­sen­vol­vi­men­to do alu­no PA­EE, em uma for­ma ge­ral ela po­de­rá aju­dar nas prá­ti­cas pe­da­gó­gi­cas de apren­di­za­do do alu­no, a es­co­la e a fa­mí­lia, dan­do ên­fa­se aos res­pon­sá­veis pe­lo alu­no es­pe­ci­al, de­vem vi­ver em sin­to­nia, pa­ra que pos­sa ha­ver por com­ple­to um apren­di­za­do pro­du­ti­vo e rá­pi­do, as adap­ta­ções dos do­cen­tes e da sa­la de re­cur­sos mul­ti­fun­cio­nais pa­ra es­te pú­bli­co só se da­rá com a in­ter­ven­ção da fa­mí­lia, que po­de­rá acom­pa­nhar em mai­or es­tân­cia o de­sen­vol­vi­men­to do alu­no em ca­sa, a fa­mí­lia tam­bém tem sua gran­de im­por­tân­cia na for­ma­ção da iden­ti­da­de in­clu­si­va do alu­no PA­EE.

A fa­mí­lia cum­pre um pa­pel fun­da­men­tal na vi­da edu­ca­cio­nal de uma cri­an­ça, em ques­tões de mo­ral, éti­ca, res­pon­sa­bi­li­da­des, e atra­vés des­se pa­pel fun­da­men­tal ela se­rá ca­paz de jun­to com o do­cen­te in­flu­en­ciar o de­sen­vol­vi­men­to, e di­re­cio­nar a con­di­ções de mu­dan­ças no de­cor­rer do per­cur­so.

Não po­de­mos de dei­xar de fa­lar da im­por­tân­cia da ca­pa­ci­ta­ção com­ple­men­tar dos pro­fes­so­res na edu­ca­ção in­clu­si­va e fun­da­men­tal co­mo vi­mos, pois pos­si­bi­li­ta a ele uma me­lhor in­te­ra­ção en­tre os alu­nos PA­EE, per­ce­be­mos tam­bém as adap­ta­ções ne­ces­sá­rias que a es­co­la de­ve pas­sar pa­ra re­ce­ber e opor­tu­ni­zar a edu­ca­ção a es­ses alu­nos, a adap­ta­ções es­sas que ini­ciam na es­tru­tu­ra fí­si­ca a ca­pa­ci­ta­ções do­cen­tes, a es­co­la in­clu­si­va se tor­na uma es­co­la adap­ta pa­ra to­do o pú­bli­co, te­mos co­mo apoio te­ó­ri­co os au­to­res: DI­MEN­STEIN (1998), UNES­CO (1998) en­tre ou­tras.

 

(Wllis­ses Ca­val­can­te San­tos Aca­dê­mi­co: de li­cen­cia­tu­ra em His­tó­ria pe­la UNO­PAR-GO Mem­bro do Gru­po de Es­tu­dos em For­ma­ção de Pro­fes­so­res e In­ter­dis­ci­pli­na­ri­da­de (GE­FO­PI) Es­cri­tor e pro­du­tor de ar­ti­gos e pe­que­nos tex­tos de re­fle­xão)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais