Opinião

As rãs pediram um rei

diario da manha
A frase preferida do candidato Jair Bolsonaro aos seus eleitores: “Vamos acabar com tudo isso aí”(Créditos: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados)

Na do­min­guei­ra, en­quan­to o mo­des­to es­cri­ba des­tas mal tra­ça­das li­nhas pre­pa­ra­va o es­pí­ri­to pa­ra mais uma jor­na­da das glo­ri­o­sas ca­mi­sas ver­des do Pa­les­tra, as ca­mi­sas ama­re­las jun­ta­ram-se nas pra­ças e ave­ni­das do Bra­sil-sil-sil pa­ra ou­vir as ame­a­ças di­gi­ta­li­za­das de Ja­ir Bol­so­na­ro. Um en­saio do en­si­no a dis­tân­cia pa­ra os alu­nos do ní­vel bá­si­co.

O can­di­da­to ofe­re­ceu aos aglo­me­ra­dos de se­gui­do­res um ví­deo en­char­ca­do da re­tó­ri­ca que os mo­bi­li­za: as pro­mes­sas de vi­o­lên­cia con­tra os ad­ver­sá­rios. Exí­lio ou Mor­te!, ex­cla­mou o ca­pi­tão re­for­ma­do do Exér­ci­to bra­si­lei­ro. Ima­gi­no que o gri­to do ca­pi­tão pre­ten­des­se si­mu­lar a pro­cla­ma­ção de D. Pe­dro I às mar­gens do Ipi­ran­ga.

Mes­es an­tes, um fi­lho de­le, o de­pu­ta­do fe­de­ral Eduar­do Bol­so­na­ro, pro­me­teu le­var às en­xo­vi­as os mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, se, por­ven­tu­ra, ou­sas­sem im­pug­nar a can­di­da­tu­ra do pai.

Pa­ra en­car­ce­rar os ju­í­zes do Su­pre­mo não se­ria ne­ces­sá­rio em­pe­nhar na pa­tri­ó­ti­ca e sa­ne­a­do­ra mis­são ofi­ci­ais de al­ta pa­ten­te. Bas­ta­vam um ca­bo e um sol­da­do ra­so, cer­ta­men­te não tão ra­sos quan­to os pro­pó­si­tos do de­pu­ta­do Eduar­do.

En­tre tan­tas e dís­pa­res sen­sa­ções, as an­sie­da­des que sem­pre me aco­me­tem nos di­as de jo­go do Pa­les­tra ce­de­ram lu­gar às an­gus­ti­a­das apre­en­sões di­an­te do ce­ná­rio elei­to­ral. En­tre o amor do ver­de e os res­sen­ti­men­tos ner­vo­sos dos ama­re­los, o es­pí­ri­to e a me­mó­ria pe­di­ram aju­da de uma fá­bu­la de Fe­dro: As Rãs Que Pe­di­ram Um Rei.

A tra­du­ção é de 1941, da la­vra de Ni­co­lau Fir­mi­no, co­nhe­ci­do fi­ló­lo­go e la­ti­nis­ta por­tu­guês. “As rãs, di­va­gan­do pe­las li­vres la­go­as, pe­di­ram a Jú­pi­ter um rei com gran­de gri­ta­ria, rei que re­pri­mis­se pe­la for­ça os cos­tu­mes dis­so­lu­tos. O pai dos deu­ses riu-se e deu-lhes um pe­que­no ma­dei­ro, que ati­ra­do su­bi­ta­men­te às águas ater­rou a ra­ça me­dro­sa com o mo­vi­men­to e com o ba­ru­lho.

Co­mo es­te ma­dei­ro ja­zes­se por mui­to tem­po mer­gu­lha­do no li­mo, uma rã, por aca­so, le­van­ta ta­ci­ta­men­te a ca­be­ça pa­ra fo­ra da la­goa e, exa­mi­na­do o rei, cha­ma to­das as rãs. Aque­las, de­pos­to o te­mor, apro­xi­mam-se na­dan­do ao de­sa­fio e a tur­ba in­so­len­te sal­ta pa­ra ci­ma do ma­dei­ro.

Co­mo o ti­ves­sem in­fa­ma­do com to­da a es­pé­cie de in­sul­tos, en­vi­a­ram a Jú­pi­ter rãs pe­din­do ou­tro rei, por­que era inú­til o que ti­nha si­do da­do. En­tão, Jú­pi­ter en­viou-lhes uma co­bra-d’água, que co­me­çou a agar­rá-las e co­mê-las uma a uma com den­te cru­el.

As rãs fra­cas, sem ar­te, im­po­ten­tes, em vão fo­gem à mor­te, o me­do fe­cha-lhes a voz. Por is­so, se­cre­ta­men­te dão re­ca­dos a Mer­cú­rio pa­ra Jú­pi­ter, a fim de que so­cor­ra as afli­tas. En­tão o deus, em res­pos­ta, diz: “Por­que não qui­ses­tes su­por­tar o vos­so bom rei, aguen­tai o mau”.

Na Ter­ra Bra­si­lis, a coi­sa an­da mal, por­que os ho­mens-mas­sa são in­sis­ten­te­men­te con­vo­ca­dos pe­los se­nho­res do di­nhei­ro, da in­for­ma­ção e do po­der a co­lo­car seus sen­ti­men­tos (e, di­ga­mos, im­pul­sos) pes­so­ais aci­ma das re­gras da con­vi­vên­cia ci­vi­li­za­da.

Es­sa prá­ti­ca de sem­pre te­ve seus efei­tos po­ten­ci­a­li­za­dos pe­la uti­li­za­ção das en­gre­na­gens tec­no­ló­gi­cas das re­des so­ci­ais, es­pa­ços uti­li­za­dos pa­ra a opres­são ar­bi­trá­ria e de­sa­ti­na­da de um in­di­ví­duo so­bre o ou­tro.

A vi­o­lên­cia de­sa­bri­da ter­mi­na por so­la­par a vi­da ci­vi­li­za­da, lan­çan­do a so­ci­e­da­de no de­sam­pa­ro e na vi­o­lên­cia sem quar­tel. A “so­lu­ção fi­nal” ima­gi­na­da pe­los to­ta­li­tá­rios é a con­fir­ma­ção do des­ti­no que aguar­da os vir­tu­o­sos in­di­vi­dua­lis­tas e an­tis­so­ci­ais: a in­fâ­mia e a bar­bá­rie.

A ex­pe­ri­ên­cia his­tó­ri­ca de­mons­tra ca­bal­men­te que o to­ta­li­ta­ris­mo não tem li­mi­tes. Os ti­ra­nos de to­das as eras e oca­si­ões con­cen­tra­ram em seus egos avan­ta­ja­dos os des­va­rios das for­ças so­ci­ais que odia­vam as Li­ber­da­des e Di­ver­si­da­des. Odia­vam os Ou­tros.

Nes­ses mo­men­tos de exal­ta­ção, os in­di­ví­duos que se pro­cla­mam “li­vres e ex­ce­len­tes” pro­cu­ram de­ses­pe­ra­da­men­te o apri­si­o­na­men­to nas ca­dei­as de ma­ni­pu­la­ção e de con­tro­le. Adap­ta­dos, con­for­ma­dos, até mes­mo con­for­ta­dos e fe­li­zes, são in­ca­pa­zes de com­pre­en­der que sua in­di­vi­dua­li­da­de é uma ma­ça­ro­ca su­fo­ca­da nas alu­vi­ões de mas­sas, va­ga­lhões co­le­ti­vos que pro­mo­vem o ani­qui­la­men­to pes­so­al.

Os inu­ma­nos agen­tes do no­vo to­ta­li­ta­ris­mo são os fun­cio­ná­rios da es­tu­pi­dez que pre­ten­dem de­ci­dir e con­tro­lar o des­ti­no do ou­tro. O to­ta­li­ta­ris­mo do ter­cei­ro mi­lê­nio não usa co­tur­nos nem câ­ma­ras de gás. Usa a in­for­ma­ção que não pen­sa a si mes­ma.

A fra­se pre­fe­ri­da do can­di­da­to Ja­ir Bol­so­na­ro ex­põe a na­tu­re­za e a qua­li­da­de dos sig­ni­fi­ca­dos que in­for­mam su­as re­la­ções com os elei­to­res: “Va­mos aca­bar com tu­do is­so aí”

 

(Luiz Gonzaga Belluzzo, eco­no­mis­ta e pro­fes­sor, con­sul­tor edi­to­ri­al de Car­ta­Ca­pi­tal)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais