Opinião

Como trabalhar a emoção da equipe dentro da empresa

diario da manha

Sen­sa­ção de exaus­tão com­ple­ta no tra­ba­lho, an­gús­tia pa­ra le­van­tar da ca­ma e ir tra­ba­lhar, cri­ses de an­sie­da­de, in­fe­rio­ri­da­de em re­la­ção aos co­le­gas, iso­la­men­to e a im­pres­são de que na­da do que se faz é sa­tis­fa­tó­rio, tu­do is­so no am­bi­en­te de tra­ba­lho, tem um no­me: Sín­dro­me de Bur­nout. Ela é um ti­po de es­go­ta­men­to fí­si­co e men­tal ele­va­do ao es­tres­se crô­ni­co, uma for­ma de de­pres­são no tra­ba­lho. Se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Sa­ú­de, es­te ti­po de pro­ble­ma es­tá as­so­cia­do a uma que­da de pro­du­ti­vi­da­de que re­sul­ta na per­da de US$ 1 tri­lhão por ano no mun­do.

Aqui no Bra­sil, uma pes­qui­sa de 2016 da Es­co­la de Eco­no­mia de Lon­dres, apon­tou que o pa­ís per­deu US$ 63 bi­lhões anual­men­te so­men­te com a de­pres­são do tra­ba­lho. Sa­be o que is­to sig­ni­fi­ca? Sig­ni­fi­ca que em­pre­sá­rios e em­pre­en­de­do­res es­tão per­den­do di­nhei­ro quan­do não sa­bem va­lo­ri­zar e in­ves­tir na sua equi­pe de co­la­bo­ra­do­res. In­fe­liz­men­te a hu­ma­ni­da­de ain­da vê no em­pre­go uma “ne­ces­si­da­de” e não um “pra­zer”, e es­ta men­ta­li­da­de con­tri­bui pa­ra um es­ta­do de am­bi­en­te ca­ó­ti­co, in­to­le­rá­vel e sub­mis­so. Ape­sar de to­dos acha­rem que es­tão ga­nhan­do di­nhei­ro, é pos­sí­vel pro­var que es­tão er­ra­dos, con­for­me os da­dos apon­ta­dos aci­ma.

O di­fe­ren­ci­al de uma em­pre­sa que es­tá sem­pre pron­ta pa­ra qual­quer cri­se, é sa­ber que tem na sua equi­pe a prin­ci­pal fon­te de ener­gia da sua es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­cio­nal. To­da a trans­for­ma­ção co­me­ça de den­tro pa­ra fo­ra e com a sua em­pre­sa não é di­fe­ren­te. O ope­ra­dor de te­le­marke­ting, por exem­plo, so­fre di­a­ria­men­te com o mau hu­mor das pes­so­as que es­tão im­pa­ci­en­tes do ou­tro la­do da li­nha e mui­tas ve­zes es­cu­tam coi­sas de­pri­men­tes. Se den­tro da or­ga­ni­za­ção não há uma po­lí­ti­ca mo­ti­va­cio­nal, com o pas­sar do tem­po es­te fun­cio­ná­rio se sen­ti­rá ca­da vez mais de­pri­mi­do. Um am­bi­en­te bem or­ga­ni­za­do emo­cio­nal­men­te tem a ca­pa­ci­da­de de mu­dar a vi­da das pes­so­as ao seu re­dor. Ao in­vés dis­so, mui­tos aca­bam de­mi­tin­do um fun­cio­ná­rio por con­si­de­rá-lo “do­en­te” e con­tra­tam ou­tro, que vai fu­tu­ra­men­te pe­lo mes­mo ca­mi­nho.

Tra­ba­lhar com as emo­ções é, por­tan­to, al­go es­sen­cial a ser con­si­de­ra­do den­tro da equi­pe. É pre­ci­so que o em­pre­sá­rio saia do seu ca­su­lo, ou me­lhor, de trás da me­sa do es­cri­tó­rio, e se en­xer­gue na mes­ma po­si­ção dos de­mais, mos­tran­do que as­sim co­mo eles, tam­bém faz par­te do ti­me de fren­te de ba­ta­lha. In­ves­tir nos seus co­la­bo­ra­do­res é in­ves­tir em si mes­mo e pro­por­ci­o­nar as me­lho­res ex­pe­ri­ên­cias pa­ra eles, pa­ra vo­cê e, con­se­quen­te­men­te, pa­ra seus cli­en­tes. Afi­nal, eles são os seus mai­o­res pro­pa­gan­dis­tas e fa­zem a sua ima­gem lá fo­ra. Cu­i­de­mos da­que­les que nos in­te­gram pa­ra en­fren­tar qual­quer cri­se de ca­be­ça er­gui­da.

 

(Rob­son Cos­ta, CEO da En­can­to)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais