Opinião

Crônica dos nossos velhos tempos que o jovem de hoje ignora

diario da manha

Re­cor­da­va-me, di­i­nhas atrás, com meu pri­mo Jo­sé Cân­di­do, o fi­ló­so­fo-po­e­ta da fa­mí­lia, de coi­sas de nos­sa me­ni­ni­ce, evo­ca­das  pe­la lei­tu­ra do li­vro “O mun­do aca­bou”, de Al­ber­to Vi­la, que es­ca­ra­fun­chou lem­bran­ças que es­ta­vam nu­ma fun­du­ra me­do­nha do nos­so pas­sa­do, na­que­la qua­dra de vi­da em que éra­mos pi­xo­tes de cal­ça  cur­ta chu­pan­do ca­ju­zi­nhos e co­men­do pu­çá nas cha­pa­das das ro­de­an­ças de São Jo­sé do Du­ro. Cer­ta­men­te, aque­les que vi­ve­ram aque­la fa­se no in­te­ri­or vão lem­brar-se.

A gen­te, de es­cas­sos re­cur­sos, so­nha­va com uma bi­ci­cle­ta “Mo­nark” de pneu ba­lão e até mes­mo fa­zia um me­men­to aos pa­is às vés­pe­ras do Na­tal com o “não se es­que­ça da mi­nha Ca­loi”; após um bom ba­nho com o sa­bo­ne­te “Eu­ca­lol”, “Le­ver”, “Dorly” ou “Gessy”, uma es­co­va­da nos den­tes com as pas­tas “Kolynos”, “Co­lip­pe” e “An­ti-Cá­rie Xa­vi­er”, ves­tia uma cal­ça “Cowboy Fa­ro­es­te”, de “Brim Co­rin­ga San­fo­ri­za­do” ou uma “To­peka”, uma ca­mi­sa “Vol­ta ao mun­do” ou “Ban­lon” (la­va­das com “Rin­so”), e às ve­zes uma cal­ça so­ci­al de “nycron” de vin­co per­ma­nen­te, cal­ça­va um sa­pa­to “Pas­so Do­ble”, “Vul­ca­brás”, ou um mo­des­to “Ki­chu­te”, uma “Con­ga”, “Bam­ba” ou mes­mo “Al­par­ga­tas Ro­da”, e saía per­fu­ma­do com um au­tên­ti­co “Ma­de­ras de Ori­en­te” (com aque­le ra­mi­nho ver­de den­tro do fras­co) ou “Royal Bri­ar”, o ca­be­lo la­va­do com “Sham­poo de Ovo” e be­sun­ta­do com a “Bri­lhan­ti­na Glos­to­ra”, e ia à noi­te dan­çar no “Ban­dei­ran­te Bar” ou no “Ba­gó” de Le­o­ni­des, ao som do vi­nil da­que­las “Mú­si­cas pa­ra ou­vir e so­nhar”, ou “As 14 Mais”, com Irany e seu Con­jun­to, de Aní­sio Sil­va, Or­lan­do Di­as e Ca­uby Pei­xo­to, e com um cha­vei­ri­nho com um pé-de-co­e­lho pa­ra dar sor­te e ten­tar atra­ir as me­ni­nas no sem-que-fa­zer de to­das as noi­tes. E era de bom pre­cei­to, pa­ra de­mons­trar im­por­tân­cia, an­dar com “Drops Dul­co­ra” no bol­so ou aque­les ci­gar­ri­nhos de cho­co­la­te imi­tan­do o ci­gar­ro re­al.

Era sa­gra­do ou­vir o “Re­pór­ter Es­so”, com He­ron Do­min­gues, to­das as ma­nhãs, as ra­dio­no­ve­las, ler as fo­to­no­ve­las (pois te­le­vi­são não ha­via), os gi­bis de “Roy Ro­gers”, “Rocky La­ne”, “Pin­du­ca” e “Os so­bri­nhos do Ca­pi­tão”; ten­tar ser gen­te gran­de, fu­man­do es­con­di­do dos pa­is os ci­gar­ros “Mis­tu­ra Fi­na”, “Yo­lan­da” (bran­co e azul), “As­tó­ria”, “Li­berty”, “Con­ti­nen­tal” e “Be­verly”, às ve­zes com uma es­no­be pi­tei­ra; be­ben­do aque­la “Mi­rin­da” e o “Crush” quen­tes mes­mo; e era um lu­xo pas­se­ar de ca­ro­na num “DKW-Ve­mag”, nu­ma “Ru­ral Willys”, “Ve­ma­gue­te” ou num “Ji­pe Willys”, que nem fus­ca ha­via na­que­le tem­po. E aque­le ade­si­vo “Não cor­ra, pa­pai!” que não fal­ta­va no pai­nel.

To­da ca­sa ti­nha uma “San­ta Ceia” na pa­re­de, co­mo que tra­zen­do a pro­te­ção di­vi­na, ou um qua­dro do ca­sal re­to­ca­do a pin­cel, a pon­to de ser às ve­zes ir­re­co­nhe­cí­vel; um fil­tro de bar­ro “São Jo­ão” na co­pa; uma en­ce­ra­dei­ra na sa­la, on­de tam­bém os ri­cos ti­nham um re­ló­gio “cu­co”; e na cai­xi­nha de re­mé­di­os não po­dia fal­tar o “Fon­tol”, as sul­fas (“Sul­fa­di­a­zi­na”, “Sul­fa­me­ra­zi­na”, “Sul­fa­ni­la­mi­da”), a “Ci­ba­le­na” pa­ra as in­fec­ções e do­res em ge­ral, as “Pí­lu­las de vi­da do Dr. Ross”, “Pí­lu­las dos qua­tro hu­mo­res”, “Pí­lu­las do Aba­de Moss”, e os com­pri­mi­dos de “Ara­lém” e “Me­to­qui­na” pra ata­lhar im­pa­lu­dis­mo (que a gen­te cha­ma­va de “se­zão”), os de­tes­ta­dos lom­bri­guei­ros (“Sa­ú­de dos me­ni­nos” e “Lom­bri­gol”) os xa­ro­pes “Ca­pi­va­rol” e “Bro­mil”, a “Sa­ú­de da mu­lher”, o ”Re­gu­la­dor Xa­vi­er”, e a “Água In­gle­sa” pras par­tu­ri­en­tes, que cum­pri­am um res­guar­do de qua­ren­ta di­as co­men­do só pi­rão de fran­gos ca­pões (sem os mi­ú­dos), que eram “lim­pos” em um ce­vei­ro, ali­men­ta­dos só com mi­lho por se­ma­nas. Não ve­mos mais as­sa­fé­ti­da, ca­lo­me­la­nos e ru­ão, que nem sei mais pra que ser­viam.

Quan­do che­gou a te­le­vi­são, as­sis­tia-se, em pre­to-e-bran­co, ao “Pa­pai sa­be tu­do”, às pro­pa­gan­das com o ele­fan­ti­nho da Shell e o tu­ca­no da Va­rig, co­ber­to­res “Pa­rahyba”, e, co­mo a ima­gem era em­ba­ra­lha­da, ha­via sem­pre um tu­fo de “Bom­bril” na pon­ta da an­te­na pa­ra cla­re­ar as fi­gu­ri­nhas ani­ma­das e con­tro­lan­do com os bo­tões ho­ri­zon­tal/ver­ti­cal..

Na es­co­la não ha­via o pro­te­cio­nis­mo de ho­je, que, vi­ra e me­xe, por qual­quer és-não-és, le­va os pa­is às De­le­ga­cias e Va­ras da In­fân­cia, e os pro­fes­so­res já vi­nham au­to­ri­za­dos a usar da pal­ma­tó­ria (cha­ma­da de “San­ta Lu­zia”) nos “ar­gu­men­tos” e sa­ba­ti­nas, sem que is­to vi­es­se es­can­da­li­zar os pa­is; lá éra­mos sub­me­ti­dos a cas­ti­gos cor­po­ra­is, co­mo fi­car de em pé no can­to da sa­la e até mes­mo de jo­e­lhos, prá­ti­cas adre­de au­to­ri­za­das, co­mo pro­vi­den­ci­al na aju­da da for­ma­ção do ca­rá­ter, e nun­ca se sou­be de ca­sos de de­pres­são, pois o “bullying” nem so­nha­va em exis­tir, e os alu­nos pe­na­vam pa­ra apren­der a ta­bu­a­da nas con­tas de so­mar, di­mi­nu­ir, mul­ti­pli­car e di­vi­dir por. Cal­cu­la­do­ras eram uto­pia, e ho­je, se fa­zem par­te do pro­gres­so, con­tri­bu­em pa­ra es­ti­mu­lar a pre­gui­ça men­tal, es­cor­ra­çan­do a ar­te de ra­ci­o­ci­nar. E as pa­ra­das de “Se­te de Se­tem­bro” des­per­ta­vam o es­pí­ri­to cí­vi­co, que ho­je an­da es­cas­so, quan­do, ao som de tam­bo­res e ta­róis, can­tá­va­mos “Cis­ne bran­co” e “Nós so­mos to­dos do jar­dim da in­fân­cia”, des­fi­lan­do pe­las ru­as. Ho­je, até ta­pu­mes se cons­tru­í­ram em Bra­sí­lia pa­ra im­pe­dir o po­vo de as­sis­tir.

Ain­da nem tí­nha­mos o mi­me­ó­gra­fo a ál­co­ol com seu es­tên­cil, que veio a ser no­vi­da­de, mas já fre­quen­tá­va­mos a “Es­co­la de Da­ti­lo­gra­fia”, com o A-S-D-F-G nas fa­mo­sas e “mo­der­nís­si­mas” má­qui­nas “Royal”, “Oli­vet­ti”, “Re­ming­ton Rand”, e de­pois a “re­vo­lu­ci­o­ná­ria” “Fa­cit” e, na fal­ta das fo­to­co­pia­do­ras (que nem so­nhá­va­mos que vi­ri­am um dia), o pa­pel car­bo­no era a nos­sa va­lên­cia, em­bo­ra nos su­jas­se as mãos e o tra­ba­lho, sol­tan­do aque­le po­zi­nho azul ar­ro­xe­a­do ou pre­to.

Eram obri­ga­tó­rios os ca­der­nos gram­pe­a­dos “Avan­te”, com um es­co­tei­ro na ca­pa car­re­gan­do uma ban­dei­ra na­ci­o­nal, e ci­ta­ções la­ti­nas (“Om­nia la­bor vin­cit im­pro­bus”), o pa­pel al­ma­ço (em que es­cre­ví­a­mos com tin­ta “Parker Su­per Quink azul-re­al la­vá­vel” nas ca­ne­tas-tin­tei­ro), as car­ti­lhas “Va­mos ler?”, “Fe­lis­ber­to de Car­va­lho” e “San­ta Lu­zia”, que a gen­te es­tu­da­va e “re­cor­da­va”; de­pois sur­gi­ram os ca­der­nos de “ca­li­gra­fia ver­ti­cal” e o in­de­fec­tí­vel “Ivo vê a uva”.

Fe­li­zes eram os tem­pos dos pen­tes “Fla­men­go”, dos es­pe­lhos “Ro­dia­sol” (com mu­lhe­res pe­la­das do ou­tro la­do), os mo­nó­cu­los com fo­to­gra­fia no fun­do; o es­pan­to com os pri­mei­ros gra­va­do­res com ro­lo de fi­tas, que nem “cas­se­te” exis­tia ain­da. Os tem­pos em que o pai da gen­te bo­ta­va meia-so­la nos sa­pa­tos e cor­ta­va nos­so ca­be­lo dei­xan­do só o to­pe­te. À noi­te, as brin­ca­dei­ras ino­cen­tes de “ba­con­dê” (“es­con­de-es­con­de”), “Flor de pe­qui, ve­a­do”, “Li­nha de fer­ro”, “Pau me­la­do”, “Guar­da meu anel­zi­nho bem guar­da­di­nho”, bem co­mo as can­ti­gas de “Ati­rei o pau no ga­to”, “Bom bar­qui­nho”, “Pai Fran­cis­co en­trou na ro­da” e “Nes­ta rua, nes­ta rua tem um bos­que”.

Ho­je tu­do es­tá di­fe­ren­te: o cri­me cam­peia, as dro­gas ar­ra­sam fa­mí­lias, a te­le­vi­são, com seus “re­a­lity shows” e no­ve­las en­si­nan­do sa­fa­de­zas e trai­ções, con­tri­buin­do pa­ra de­tur­par per­so­na­li­da­des em for­ma­ção, pul­ve­ri­zan­do os va­lo­res mo­ra­is e as tra­di­ções da fa­mí­lia.

Co­mo eram bons aque­les nos­sos tem­pos de ino­cên­cia, sem “fast fo­od”, “dri­ve in”, za­pe-za­pe e ou­tras por­ca­ri­as – e, o que é pi­or, ho­je in­dis­pen­sá­veis – que apa­re­ce­ram de uns tem­pos pra cá.

 

(Liberato Póvoa, articulista)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais