Opinião

Cuide de si mesmo

diario da manha

“Nin­guém po­de vol­tar atrás e fa­zer um no­vo co­me­ço, mas qual­quer um po­de co­me­çar ago­ra e fa­zer um no­vo fim”.

Chi­co Xa­vi­er

 

Pe­ran­te o co­ra­ção re­ple­to de an­sei­os no­bres, vo­cê se de­fron­ta com as som­bras que amar­gu­ram o seu co­ra­ção. Con­fli­tos e des­cui­dos, lap­sos mo­ra­is e con­du­tas in­fe­li­zes sub­tra­em o vi­gor do ide­a­lis­mo re­no­va­dor em vo­cê. Aten­te nes­sa ho­ra pa­ra o rit­mo na­tu­ral que de­ve im­por às su­as mu­dan­ças in­te­rio­res.

O ato de evo­lu­ir não se faz em sal­tos re­pen­ti­nos e glo­ri­o­sos. Pas­so a pas­so, bus­que a sua me­lho­ra. Dia após dia, apren­da a con­vi­ver pa­ci­fi­ca­men­te com su­as im­per­fei­ções. O des­gos­to con­si­go mes­mo de­ve ser ape­nas es­tí­mu­lo pa­ra au­to ava­li­a­ção e cor­ri­gen­da, ja­mais se to­man­do ati­tu­de crô­ni­ca de pu­ni­ção e in­sa­tis­fa­ção.

Olhe pa­ra su­as som­bras se­cre­tas, co­mo uma pro­mis­so­ra gle­ba de amor, na qual plan­ta­rá se­men­tes vi­ço­sas pa­ra co­lhei­ta de fru­tos do bem.

Não exis­te na­da em vo­cê que não se­ja de Deus. Ilu­mi­ne o seu olhar e aco­lha-se com ter­nu­ra. Is­so é in­dul­gên­cia pa­ra con­si­go mes­mo. Di­ga: – Eu sou paz! Eu sou luz! Eu sou Fi­lho de Deus! E sin­ta o ha­lo lu­mi­no­so da com­pai­xão de Deus que o am­pa­ra e o in­cen­ti­va pa­ra sem­pre.

Na ho­ra das fa­lhas las­ti­má­veis que não fi­zes­sem mais par­te de sua vi­da, re­cor­da Pe­dro pe­ran­te o des­cui­do da ne­ga­ção ao Mes­tre Je­sus. Ape­sar da que­da, o após­to­lo se re­com­pôs e ser­viu até os úl­ti­mos ins­tan­tes de sua vi­da, por­que en­ten­deu a li­ção do au­to amor e do au­to per­dão.

Acre­di­te na for­ça im­ba­tí­vel da sua sin­ce­ri­da­de e re­ce­ba com amo­ro­sa acei­ta­ção as fal­tas que não con­se­guiu ven­cer.

As­sim sen­do, por que vo­cê se man­tém sob más­ca­ras com­por­ta­men­tais e afe­ti­vas, se car­re­ga afli­ções e an­gús­ti­as que ator­men­tam sua exis­tên­cia? Qual o mo­ti­vo des­ses es­con­de­ri­jos emo­cio­nais nas su­as re­la­ções, que não ali­vi­am a sua ca­mi­nha­da?

Pro­cu­re quem pos­sa ou­vi-lo e am­pa­rá-lo; ele­ja al­guém de sua con­fi­an­ça e con­fes­se seus con­fli­tos, ro­gan­do aju­da e apoio. A su­pe­ra­ção da ver­go­nha é por­ta que se abre pa­ra en­tra­da da hu­mil­da­de. E, hu­mil­da­de é no­ção lú­ci­da do que vo­cê con­se­gue ou não, di­la­tan­do a vi­são dos seus re­ais li­mi­tes.

A lei da co­o­pe­ra­ção é a ex­pres­são do amor uni­ver­sal, fo­ra da qual nin­guém vi­ve com se­gu­ran­ça, ple­ni­tu­de e sa­ú­de in­te­gral.

Se­ja hu­mil­de, su­pli­que au­xí­lio, e lo­go per­ce­be­rá os re­sul­ta­dos fe­li­zes em sua pró­pria in­ti­mi­da­de, vi­ven­do uma vi­da mais re­a­lis­ta, cheia de oti­mis­mo e com de­se­jo de so­nhar com um ama­nhã me­lhor e mais au­tên­ti­co.

O pes­si­mis­mo é uma es­pé­cie de ta­xa pe­sa­da e des­ne­ces­sá­ria so­bre o ze­lo que a res­pon­sa­bi­li­da­de nos im­põe, con­du­zin­do-nos a afli­ção inú­til. Aten­ção, sim. Der­ro­tis­mo, não. Es­pe­ran­ça cons­tan­te.

Por mai­o­res que se­jam os ob­stá­cu­los, pro­cu­re do­ar o me­lhor de si mes­mo na exe­cu­ção das ta­re­fas que lhe ca­bem. Ja­mais es­mo­re­ça. Se ca­ir, pen­sa em sua con­di­ção de cri­a­tu­ra hu­ma­na, re­a­jus­ta as pró­pri­as emo­ções e se re­er­ga pa­ra ca­mi­nhar adi­an­te. O de­sâ­ni­mo, em mui­tos ca­sos, é au­sên­cia de acei­ta­ção do que ain­da so­mos, an­te a pres­sa de ser o que ou­tros con­se­guem pe­lo es­for­ço pró­prio nas es­tra­das do tem­po. E a co­ra­gem é a for­ça que nas­ce da nos­sa pró­pria dis­po­si­ção de apren­der e ser­vir. Não se au­sen­te dos pró­prios en­car­gos. O de­ver cum­pri­do é pas­sa­por­te ao di­rei­to que vo­cê an­seia usu­fru­ir.

Não acre­di­te em fe­li­ci­da­de no cam­po ín­ti­mo sem o seu pró­prio tra­ba­lho pa­ra cons­truí-la.

Quan­do as som­bras da pro­va­ção se aden­sa­rem ao re­dor dos seus pas­sos, per­ma­ne­ça fir­me na con­fi­an­ça em Deus e em si mes­mo, se­guin­do adi­an­te nas ta­re­fas que abra­çou na se­a­ra do bem. To­da re­a­li­za­ção no­bre se le­van­ta na ba­se da per­se­ve­ran­ça no bem.

Não per­ca tem­po com la­men­ta­ções inú­te­is, re­co­nhe­cen­do que há sem­pre al­guém a quem vo­cê po­de be­ne­fi­ci­ar com es­sa ou aque­la mi­ga­lha de apoio e ge­ne­ro­si­da­de.

Dei­xa al­gum si­nal de ale­gria por on­de pas­sar.

Quan­do os pro­ble­mas do co­ti­dia­no se fi­ze­rem di­fí­ceis, ao in­vés de in­con­for­ma­ção ou aze­du­me, use a pa­ci­ên­cia. E se o con­fli­to do­més­ti­co se fi­zer pre­sen­te, use a to­le­rân­cia, quan­to pos­sí­vel, em se­gu­ran­ça da equi­pe fa­mi­liar a que se vin­cu­la. Nas de­cep­ções, se­jam qua­is fo­rem, re­fle­te no va­lor da pon­de­ra­ção em seu pró­prio be­ne­fí­cio. E di­an­te de gol­pes que lhe se­jam des­fe­cha­dos, es­que­ce in­jú­ri­as e agra­vos e pen­sa nas opor­tu­ni­da­des do tra­ba­lho que lhe ser­vem de apoio de­fen­si­vo con­tra o de­ses­pe­ro, e si­ga pa­ra fren­te sem­pre com a ina­ba­lá­vel con­fi­an­ça na­que­le que tu­te­la as nos­sas vi­das.

E re­lem­bran­do sem­pre que “mui­to sem Deus é na­da e pou­co com Deus é mui­to”.

Que o su­ce­der de nos­sa vi­da não se­ja ape­nas um aglo­me­ra­do, um pas­sar de di­as oci­o­sos, fú­te­is, va­zi­os de sig­ni­fi­ca­do.

Não im­por­ta a si­tu­a­ção que ocu­pe­mos na vi­da: o gran­de exe­cu­ti­vo, o sim­ples ope­rá­rio, a cri­a­tu­ra hu­mil­de que pas­sa des­per­ce­bi­da de to­dos. Te­mos o nos­so pa­pel de im­por­tân­cia má­xi­ma no de­sen­ro­lar da vi­da. Não use­mos a pa­la­vra co­mo pu­nhal pa­ra fe­rir, re­ta­lhar e des­tru­ir co­ra­ções, cau­san­do má­go­as, ódi­os e res­sen­ti­men­tos.

Que a nos­sa pa­la­vra se­ja bál­sa­mo pa­ra ali­vi­ar a opres­são, a tris­te­za, a es­cu­ri­dão que tan­tas ve­zes opri­me os co­ra­ções. E, si­ga­mos pa­ra fren­te e pa­ra o al­to, re­cor­dan­do que nun­ca es­ta­mos sós, que na sim­pli­ci­da­de da vi­da no nos­so dia a dia, po­de­re­mos ser úte­is com nos­sa in­te­li­gên­cia, nos­so amor, nos­so ges­to de aten­ção, nos­sa se­re­ni­da­de na ho­ra cer­ta.

Que tal opor­tu­ni­da­de não se per­ca di­an­te das ilu­sões da vi­da que traz o gos­to do va­zio e da de­si­lu­são.

A con­quis­ta do amor de Deus nos dá a paz, a ale­gria imor­re­dou­ra e a cer­te­za de que ja­mais es­ta­re­mos sós.

Lem­bre-se que a vi­da só me­lho­ra na me­di­da em que vo­cê me­lho­rar a si mes­mo pe­ran­te a vi­da.

Es­for­ce-se pa­ra su­pe­rar a ilu­são do co­mo­dis­mo que o in­cli­na a que­rer as bên­çã­os da vi­da por meio de cir­cun­stan­cias má­gi­cas ou por fór­mu­las ime­di­a­tis­tas de fe­li­ci­da­de fu­gaz.

Evi­te as fu­gas e os adi­an­ta­men­tos.

Re­sol­va ago­ra o que pu­der.

As­su­ma o quan­to an­tes o que con­se­gue.

Cons­trua seu des­ti­no, es­sa é a úni­ca re­gra con­sis­ten­te e se­gu­ra de aqui­si­ção do ver­da­dei­ro su­ces­so acom­pa­nha­do de jú­bi­lo in­te­ri­or.

O mé­ri­to des­sa cons­tru­ção in­clui ele­va­da so­ma de es­for­ço pes­so­al, e vo­cê ja­mais con­se­gui­rá is­so sem pas­sar pe­la es­co­la do sa­cri­fí­cio, da per­sis­tên­cia e da co­ra­gem de cum­prir o seu de­ver.

Ame a si mes­mo ado­tan­do es­se de­sa­fio.

Me­lho­re a sua vi­da pe­lo es­for­ço cor­re­to, e as leis na­tu­ra­is res­pon­de­rão em seu fa­vor na ho­ra cer­ta, tra­zen­do-lhe a ale­gria e a paz na al­ma.

  • Bus­ca a paz e ela lhe bus­ca­rá!
  • Bus­ca a ca­ri­da­de, que ela lhe de­vol­ve­rá!
  • Bus­ca o amor, que ele se ex­pres­sa­rá co­mo ver­da­dei­ra fon­te da sua vi­da.
  • Se vo­cê qui­ser ilu­mi­nar o seu co­ra­ção, ama sem exi­gên­cia, que o seu amor pa­ra com os ou­tros tem o po­der de tran­qui­li­zar a sua con­sci­ên­cia!

Deus é amor!

Amor é fe­li­ci­da­de!

E Cris­to é o ca­mi­nho, a ver­da­de e a vi­da pa­ra to­dos nós.

 

(Mar­cos Ro­dri­gues de Fa­ria ocu­pa a ca­dei­ra 38 da Acelec – Aca­de­mia  Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais