Opinião

Deputado Zé Essado, um companheiro de primeira hora do nosso Governador Caiado

diario da manha

Te­nho o pri­vi­lé­gio de con­vi­ver e tra­ba­lhar em cam­pa­nhas po­lí­ti­cas ao la­do do De­pu­ta­do Zé Es­sa­do des­de o ano 2.000, por­tan­to há 18 anos e meio es­ta­mos jun­tos nes­ta lu­ta, co­me­mo­ran­do vi­tó­rias e ou­tras ve­zes não. Mas po­lí­ti­ca é as­sim mes­mo, co­mo diz o ve­lho jar­gão po­pu­lar, “per­de­mos uma ba­ta­lha, mas não a guer­ra”, afi­nal de con­tas, fo­ram 20 anos no cam­po ra­so da opo­si­ção, re­sis­tin­do e sen­do ex­tre­ma­men­te le­al aos com­pa­nhei­ros, a seus prin­cí­pios e obe­de­cen­do ri­go­ro­sa­men­te as di­re­tri­zes par­ti­dá­ri­as, sem dei­xar-se le­var pe­lo can­to se­du­tor da se­reia ou pe­lo do­ce sa­bor da am­bro­sia do Pa­lá­cio das Es­me­ral­das.

Zé Es­sa­do é um po­lí­ti­co “du­ro”, de pa­la­vra, di­fe­ren­ci­a­do e qua­se em ex­tin­ção nos di­as de ho­je, no que diz res­pei­to a ho­nes­ti­da­de e fir­me­za em su­as to­ma­das de de­ci­sões; ja­mais ti­tu­beia, seu sim é SIM, e seu não é NÃO. Di­fe­ren­te da gran­de mai­o­ria dos po­lí­ti­cos bra­si­lei­ros, Es­sa­do não é adep­to do ta­pi­nha nas cos­tas e mui­to me­nos da en­ro­la­ção, quem o co­nhe­ce sa­be do que es­tou fa­lan­do.

Quan­do ele lhe em­pe­nha a pa­la­vra, po­de dor­mir tran­qui­lo, por­que ja­mais faz com­pro­mis­so que não pos­sa cum­pri-lo.

Fe­liz­men­te, es­tas são ca­rac­te­rís­ti­cas mar­can­tes do Se­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do, que le­va­ram o po­vo de Go­i­ás a ele­gê-lo go­ver­na­dor de nos­so es­ta­do, ain­da no 1º tur­no das elei­ções des­te ano, pa­ra a fe­li­ci­da­de da mai­o­ria ab­so­lu­ta dos Go­i­a­nos.

Zé Es­sa­do es­te­ve fi­li­a­do ao MDB por lon­gos 50 anos e ao re­ce­ber o con­vi­te do en­tão Se­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do pa­ra ser can­di­da­to a de­pu­ta­do es­ta­du­al mais uma vez, re­sol­veu acei­tar o de­sa­fio.

Um dos mo­ti­vos que fez com que dei­xas­se o MDB foi a apro­xi­ma­ção da di­re­ção de seu an­ti­go par­ti­do, mes­mo que ve­la­da, com o gru­po que go­ver­nou Go­i­ás por 20 anos.

Não é se­gre­do pa­ra nin­guém, que al­guns MDBis­tas, de­fen­di­am uma ali­an­ça do MDB com o atu­al go­ver­na­dor e can­di­da­to à re­e­lei­ção Zé Éli­ton do PSDB, ain­da no pri­mei­ro tur­no, fa­to es­te que ace­le­rou a sa­í­da de Es­sa­do do par­ti­do ao qual de­di­cou to­da uma vi­da e que ja­mais ad­mi­tiu nem se­quer ven­ti­lar es­te ti­po de ne­go­ci­a­ta.

Aque­les que du­vi­da­vam da ca­pa­ci­da­de de ar­ti­cu­la­ção do pré-can­di­da­to Ro­nal­do Cai­a­do ao go­ver­no do es­ta­do caí­ram do ca­va­lo, já os que di­zi­am que ele não ti­nha gru­po co­me­te­ram mais um le­do en­ga­no, o Go­ver­na­dor sou­be co­mo nin­guém me­xer no ta­bu­lei­ro po­lí­ti­co que foi um ver­da­dei­ro jo­go de xa­drez.

As­ser­ti­va­men­te, o ex-de­pu­ta­do Sa­mu­el Bel­chi­or do MDB, par­ti­ci­pa­va co­mo co­or­de­na­dor da pré-cam­pa­nha de Cai­a­do des­de o iní­cio, con­du­zin­do com ma­es­tria as ar­ti­cu­la­ções e bus­can­do com is­to, es­trei­tar os la­ços do Se­na­dor De­mo­cra­ta com os lí­de­res MDBis­tas.

So­man­do-se a is­so, os pre­fei­tos do MDB en­gros­sa­ram as fi­lei­ras da uni­ão das opo­si­ções pa­ra mu­dar Go­i­ás, de­cla­ran­do apoio à can­di­da­tu­ra de Cai­a­do:

Pre­fei­to de Ca­ta­lão, Adib Eli­as, de For­mo­sa, Er­nes­to Rol­ler, de Go­i­a­né­sia, Re­na­to de Cas­tro, de Rio Ver­de, Pau­lo do Va­le e de Tur­vâ­nia, Faus­to Ma­ri­a­no, além do de­pu­ta­do Jo­sé Nel­to que dei­xou o MDB pa­ra fi­li­ar-se ao Po­de­mos, sen­do elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo seu no­vo par­ti­do.  Além é cla­ro do De­pu­ta­do Zé Es­sa­do que sem­pre re­pre­sen­tou e re­pre­sen­ta uma for­ça mui­to gran­de, prin­ci­pal­men­te nas re­gi­ões do va­le do meia Pon­te, va­le do Ara­gu­aia, den­tre ou­tras.

Pron­to, es­ta­va for­ma­do um gran­de exér­ci­to pa­ra en­fren­tar aque­les que ti­nham a he­ge­mo­nia e o con­tro­le de pra­ti­ca­men­te de to­dos os po­de­res em Go­i­ás, o já en­car­di­do, des­bo­ta­do e en­la­me­a­do pe­la cor­rup­ção, co­nhe­ci­do co­mo “tem­po no­vo.”

O go­ver­na­dor elei­to sou­be co­mo nin­guém ar­ti­cu­lar, for­mar ali­an­ças, for­ta­le­cer e cri­ar a mus­cu­la­tu­ra ne­ces­sá­ria pa­ra che­gar sem ne­nhum re­pa­ro a uma vi­tó­ria so­be­ra­na e in­ques­ti­o­ná­vel, atra­vés do vo­to da mai­o­ria dos go­i­a­nos.

Com cer­te­za, nos­so Go­ver­na­dor ha­ve­rá de re­co­nhe­cer os com­pa­nhei­ros de pri­mei­ra ho­ra, prin­ci­pal­men­te aque­les que co­la­ram sua ima­gem à de­le du­ran­te to­da a cam­pa­nha, en­quan­to mui­tos não fi­ze­ram se­quer ques­tão de le­var seu no­me nos ma­te­ri­ais de di­vul­ga­ção de sua can­di­da­tu­ra.

Es­pe­ra­mos que In­hu­mas se­ja con­tem­pla­da e re­co­nhe­ci­da atra­vés de quem com sua se­ri­e­da­de, ex­pe­ri­ên­cia e prin­ci­pal­men­te equi­lí­brio emo­cio­nal, so­mou, de­fen­deu e aju­dou na con­quis­ta des­ta mai­ús­cu­la vi­tó­ria do nos­so go­ver­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do.

E que com mui­ta aus­te­ri­da­de, pul­so fir­me, sa­be­do­ria e com as bên­çã­os de Deus, nos­so Go­ver­na­dor elei­to pos­sa de­vol­ver o es­ta­do de Go­i­ás aos seus le­gí­ti­mos do­nos, que são to­dos os go­i­a­nos.

Boa sor­te Go­ver­na­dor!!!

 

(Lu­iz Bru­no Ro­riz é pu­bli­ci­tá­rio, es­pe­cia­lis­ta em as­ses­so­ria de co­mu­ni­ca­ção pe­la UFG)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais