Opinião

Grandeza e pequenezas de Graciliano Ramos

diario da manha

“Creio que a re­vo­lu­ção se­xu­al me le­va­ria ao su­i­cí­dio”. As­sim es­cre­veu Gra­ci­li­a­no Ra­mos. Ti­nha vi­vi­do o su­fi­ci­en­te pa­ra co­nhe­cer as du­re­zas fe­ro­zes e im­pla­cá­veis do “hu­ma­nis­mo mar­xis­ta”. Ti­nha vi­a­ja­do à Rús­sia.

Já cor­ri­am, à bo­ca me­dro­sa e mi­ú­da, sus­sur­ros so­bre os cri­mes de Stá­lin.

Sa­bia das pu­ni­ções im­pos­tas aos que es­cor­re­ga­vam em “des­vi­os pe­que­no-bur­gues­es”. Ou eram acu­sa­dos de trai­ção à uma sub­je­ti­va e dis­tan­te “cau­sa ope­rá­ria”. Tam­bém im­pu­ta­dos no cri­me de não ler com o de­vi­do ri­gor os man­tras e dog­mas da car­ti­lha do re­a­lis­mo so­ci­a­lis­ta.

Lo­go ele que veio do ser­tão, on­de ja­mais co­nhe­ceu ne­nhu­ma fá­bri­ca, a não ser a in­dús­tria das se­cas, que en­ri­que­cem co­ro­néis… e re­no­vam im­pla­ca­vel­men­te os ci­clos de pro­du­ção e ex­pan­são da mi­sé­ria.

Na Rús­sia sta­li­nis­ta, mi­lha­res – pi­or que is­to – 40 mi­lhões de pes­so­as, mui­tos de­les tão co­mu­nis­tas quan­to o “guia ge­ni­al dos po­vos”, ti­nham si­do man­da­dos pa­ra os cam­pos de pri­si­o­nei­ros, na Si­bé­ria.

Man­da­dos pa­ra “re­e­du­ca­ção” ide­o­ló­gi­ca, fei­ta à cus­ta de du­ros tra­ba­lhos for­ça­dos, exe­cu­ta­dos sob o ri­gor do in­ver­no, e a sub­nu­tri­ção cro­ni­fi­ca­da pe­la ali­men­ta­ção pre­cá­ria e mi­se­rá­vel.

Gra­ci­li­a­no Ra­mos ti­ra­va os te­mas de seus con­tos e ro­man­ces da “vi­da mes­qui­nha” – da vi­da re­al, não da ide­a­li­za­ção das po­bres cri­a­tu­ras hu­ma­nas dos ser­tões cas­ti­ga­dos pe­la se­ca.

Não ti­nha co­mo tra­tá-las co­mo cri­a­tu­ras do­ta­das de sen­ti­men­to ou von­ta­de he­rói­cas. A mi­sé­ria em que vi­vem faz que só te­nham mais dis­to – não só no cor­po fí­si­co, mas tam­bém na sua men­te e es­pí­ri­to. Ne­las Gra­ci­li­a­no não via na­da pa­re­ci­da com re­vol­ta.

Em car­ta en­vi­a­da a seu ami­go Os­car Men­des, o ve­lho Gra­ça foi eco­nô­mi­co em ge­ne­ro­si­da­de, quan­to às obras de seus co­le­gas es­cri­to­res do ci­clo das se­cas – ou da ári­da vas­ti­dão nor­des­ti­na­da. Quan­to a Jo­sé Lins do Re­go, cu­ja obra tem mais den­si­da­de hu­ma­na do que a do au­tor de Vi­das se­cas, diz: “O que é cer­to é que não po­de­mos, ho­nes­ta­men­te, ca­bras do ei­to, só ho­mens da ba­ga­cei­ra, dis­cu­tin­do re­for­mas so­ci­ais”.

(…) Em pri­mei­ro lu­gar, es­sa gen­te não se pre­o­cu­pa com se­me­lhan­te as­sun­to,. De­pois, nos­sos es­cri­to­res,  bur­gues­es, não po­de­ri­am tra­ba­lhar a al­ma de nos­sos tra­ba­lha­do­res ru­ra­is. Lins do Rê­go nas­ceu em um en­ge­nho, apre­sen­tou al­guns as­pec­tos, mas li­gei­ra­men­te.

O que lhe in­te­res­sa é o so­fri­men­to do pe­que­no-bur­guês, de­ca­den­te e cheio de fu­ma­ças, ig­no­ran­te, vai­do­so, inú­til. Ra­chel de Quei­roz tem al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas da ro­ça, bem fei­tas, mas é pos­sí­vel que ha­ja ali mui­ta ima­gi­na­ção.

Mais adi­an­te, em sua car­ta ao ami­go, aca­ba dan­do ra­zão ou re­la­ti­vi­zan­do, ame­ni­zan­do sua crí­ti­ca quan­to à fal­ta de pe­ne­tra­ção psi­co­ló­gi­ca nas obras de seus co­le­gas es­cri­to­res nor­des­ti­nos.

Re­co­nhe­ce que são cri­a­tu­ras ra­sas, sem pro­fun­di­da­de. Não pos­su­em nem são do­ta­das da es­tu­pen­da, só­li­da e com­ple­xa vi­da das cri­a­tu­ras das gran­des ci­da­des, pre­ten­sa­men­te do­ta­das de “con­sci­ên­cia so­ci­al”.

Que Jor­ge Ama­do, em seu ali­nha­men­to vis­ce­ral e ser­vil aos di­ta­mes do re­a­lis­mo so­ci­a­lis­ta, vê nos seus per­so­na­gens, mui­tos lum­pem, per­so­na­gens ti­ra­dos da vi­da po­pu­lar de Sal­va­dor – e de gran­des ci­da­des do in­te­ri­or, que fi­ze­ram par­te do uni­ver­so vi­ven­cial do es­cri­tor.

Des­de seu co­nhe­ci­do Ca­pi­tã­es de Areia, tra­du­zi­do e di­fun­di­do pe­lo Par­ti­do Co­mu­nis­ta, em qua­se to­dos os paí­ses do mun­do – cu­jos per­so­na­gens são pi­ve­tes de praia, re­tra­ta­dos co­mo “re­vo­lu­ci­o­ná­rios”, he­róis de uma ima­gi­ná­ria con­sci­ên­cia so­ci­al po­pu­lar.

Re­mem­ber per­so­na­gens fe­mi­ni­nos de seus ro­man­ces Ga­bri­e­la Cra­vo e Ca­ne­la e Te­re­za Ba­tis­ta Can­sa­da de Guer­ra. O pri­mei­ro, até com pi­ta­das de li­ris­mo po­é­ti­co e tem­pe­ros de hu­mor, mas o se­gun­do, de uma in­ve­ros­si­mi­lhan­ça to­tal, não ob­stan­te não es­tar fi­li­a­do à es­té­ti­ca sur­re­a­lis­ta.

Vão de ven­to em po­pa, pro­je­tos de em­bur­re­ci­men­to!

Ci­en­tis­tas com­pro­vam: Q! (Quo­ci­en­te de In­te­li­gên­cia) de bra­si­lei­ros caiu em mé­dia 30%, nos úl­ti­mos anos.

Po­lí­ti­cas de em­bur­re­ci­men­to da so­ci­e­da­de dos hu­ma­nói­des, dis­se­mi­na­das em es­co­las e uni­ver­si­da­des, nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, con­tri­bu­í­ram pa­ra o de­sas­tre.

Es­ti­ve­ram a ser­vi­ço des­ta in­vi­sí­vel e trá­gi­ca ope­ra­ção des­mon­te da in­te­li­gên­cia.

Já o ín­di­ce de do­mí­nio do QI (Quem In­di­ca), bús­so­la e ro­tei­ro do ne­po­tis­mo, com­pa­dris­mo, do “sa­bem com quem vo­cê es­tá fa­lan­do”, e ou­tros ma­les da nos­sa cul­tu­ra do jei­ti­nho e do ama­ci­a­men­to, não pá­ra de cres­cer.

É vi­sí­vel, per­cep­tí­vel a quem te­nha olhar aten­to: as lin­gua­gens do em­bur­re­ci­men­to são as que mais têm da­do Ibo­pe, nes­tes tem­pos di­tos mo­der­nos.

Com­pa­ran­do com tem­pos di­tos “atra­sa­dos”, co­mo fim de Sé­cu­lo XVI­II e to­do o sé­cu­lo XIX, o ní­vel de in­te­li­gên­cia co­le­ti­va, nes­tes tem­pos mi­di­á­ti­cos e hi­per­co­nec­ta­dos, não pas­sam de mi­xór­dia.

E já na­que­les tem­pos gê­ni­os co­mo Li­ma Bar­re­to pa­de­ce­ram in­fer­nos, via da so­li­dão in­te­lec­tu­al a que fo­ram ex­pos­tos.

Ele é um ca­so dra­má­ti­co. Com to­do o seu ta­len­to, não foi re­co­nhe­ci­do em seu tem­po.

Era su­bur­ba­no, mu­la­to, e vi­nha de fa­mí­lia hu­mil­de.Aca­bou vi­ran­do bê­ba­do con­tu­maz. E en­lou­que­cen­do. Seu “Di­á­rio do hos­pí­cio” é um gri­to de re­vol­ta.

Que não foi ou­vi­do em seu tem­po, e me­nos ain­da se­ria es­cu­ta­do nos di­as “mo­der­no­sos” e “po­li­ti­ca­men­te cor­re­tos” de ho­je. Hay que em­bur­re­cer-se, sin per­der La ter­nu­ra, ja­más!”.

 

(Bra­si­gó­is Fe­lí­cio, es­cri­tor e jor­na­lis­ta. Ocu­pa a ca­dei­ra 25 da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar