Opinião

Muito além do Vapt-Vupt

diario da manha

A vi­tó­ria de Ro­nal­do Cai­a­do pa­ra o go­ver­no do es­ta­do se­pul­tou de vez a cha­ma­da “era Mar­co­ni”. Co­me­ça-se, de ago­ra em di­an­te, o acer­to de con­tas de Go­i­ás com seu pas­sa­do re­cen­te tão ca­ren­te da luz do Sol. Pas­sar a his­tó­ria a lim­po in­co­mo­da, par­ti­cu­lar­men­te, àque­les po­lí­ti­cos que não dis­põ­em da prin­ci­pal ar­ma que os per­mi­tem cor­rom­per e se­rem cor­rom­pi­dos: o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do. Po­lí­ti­cos sem po­der são co­mo co­bras que não têm ve­ne­no.

Nes­se sen­ti­do, a ex­ce­len­te re­por­ta­gem con­ce­bi­da e pu­bli­ca­da pe­lo jor­na­lis­ta Wel­li­ton Car­los, na edi­ção de 18 ou­tu­bro, nes­te Di­á­rio; leia-se: “Cai­a­do pe­ga­rá um Es­ta­do que­bra­do”, que con­tri­bui pa­ra des­ven­dar a fa­lá­cia pro­du­zi­da pe­la “tu­ca­na­gem” go­i­a­na que se apro­priou do dis­cur­so po­lí­ti­co da mo­der­ni­za­ção pa­ra jus­ti­fi­car su­as ações pre­da­do­ras. Os es­que­le­tos ori­un­dos da mo­der­ni­za­ção tu­ca­na é a he­ran­ça mal­di­ta com a qual o fu­tu­ro go­ver­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do te­rá de li­dar. Não se cons­trói um es­ta­do mo­der­no sem a ra­ci­o­na­li­da­de. Ou se­ja, sem es­se atri­bu­to, a mo­der­ni­za­ção cons­ti­tui-se em um dis­cur­so va­zio e fo­men­ta­dor da cor­rup­ção.

Pos­to is­so, in­da­go: em que ra­ci­o­na­li­da­de se apoi­ou a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va do go­ver­no Mar­co­ni Pe­ril­lo? A re­por­ta­gem de Wel­li­ton Car­los re­ve­la: “o Es­ta­do já vem de uma gran­de e ine­fi­caz re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va re­a­li­za­da pe­la atu­al ges­tão [a de Mar­co­ni Pe­ril­lo]. Ape­sar de re­du­zir dras­ti­ca­men­te o nú­me­ro de pas­tas, com o ato de fu­são de se­cre­ta­rias, a atu­al ges­tão au­men­tou o nú­me­ro de ser­vi­do­res pú­bli­cos”.  Eis aí a fa­ce vi­sí­vel da ve­lha po­lí­ti­ca po­pu­lis­ta do clien­te­lis­mo aco­ber­ta­do pe­lo fal­so dis­cur­so da “mo­der­ni­za­ção de Go­i­ás.”.

A “era Mar­co­ni” atre­la-se à fa­lên­cia do sis­te­ma de sa­ú­de. No­va­men­te, vol­te­mos à re­por­ta­gem de Wel­li­ton Car­los. Es­ta re­ve­la que “or­ga­ni­za­ções es­tão em atra­so nos re­pas­ses, hos­pi­tais pú­bli­cos so­bre­vi­vem sem ma­te­ri­al pa­ra cui­da­dos bá­si­cos, ame­a­ças de fal­ta de com­bus­tí­vel na se­gu­ran­ça pú­bli­ca são di­á­rias, par­ce­la­men­to/atra­so de re­mu­ne­ra­ção já é uma re­a­li­da­de, con­cur­sa­dos aguar­dam se­rem cha­ma­dos pa­ra tra­ba­lhar”. A si­tu­a­ção ca­la­mi­to­sa do Hos­pi­tal de Ur­gên­cias de Go­i­â­nia (Hu­go) re­ve­la o de­sam­pa­ro da “era Mar­co­ni” com ques­tões vi­tais ao bom po­vo des­ta ter­ra: uma sa­ú­de pú­bli­ca mo­der­na e efi­ci­en­te.

Se o go­ver­no de Ro­nal­do Cai­a­do vol­tar a dis­cu­tir a pri­va­ti­za­ção da Celg, ele en­con­tra­rá os es­que­le­tos pro­du­zi­dos pe­la mo­der­ni­za­ção tu­ca­na em tor­no dos pa­co­tes tec­no­ló­gi­cos e seus in­fi­ni­tos adi­ti­vos con­tra­tu­ais tão le­si­vos ao pa­tri­mô­nio pú­bli­co.

Nes­se sen­ti­do é opor­tu­na a se­guin­te in­da­ga­ção: por que quem go­ver­nou Go­i­ás a par­tir de 1999 não de­mons­trou von­ta­de po­lí­ti­ca de ar­ru­mar a en­tão mai­or es­ta­tal go­i­a­na? Por que o de­se­qui­lí­brio eco­nô­mi­co fi­nan­cei­ro da Celg não foi en­fren­ta­do nos tem­pos em que o PSDB man­dou e des­man­dou nes­te es­ta­do? Eco­no­mia é um jo­go de so­ma ze­ro. Uns ga­nham, en­quan­to ou­tros per­dem. A per­da de pa­tri­mô­nio pú­bli­co re­ve­la que o po­vo go­i­a­no foi o gran­de per­de­dor. Res­ta sa­ber qua­is fo­ram os ga­nha­do­res. Eis aí um as­sun­to que o no­vo in­qui­li­no da Ca­sa ver­de, de pre­fe­rên­cia com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, Po­lí­cia Fe­de­ral e a so­ci­e­da­de de­ve­rão se ocu­par.

A voz so­be­ra­na das ur­nas deu o seu re­ca­do. Quem vo­tou con­tra a “tu­ca­na­gem” go­i­a­na sou­be aqui­la­tar a ca­rên­cia de vi­ver num es­ta­do in­ca­paz de aten­der o ci­da­dão nas su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas. A voz so­be­ra­na das ur­nas co­lo­cou no li­xo da his­tó­ria a pí­fia mo­der­ni­za­ção go­i­a­na ali­cer­ça­da num pin­go d’água cha­ma­do vapt-vupt. Van­glo­riar-se da par­te vapt-vupt , que não é de to­do ru­im, sem con­si­de­rar o to­do de um es­ta­do que­bra­do pres­ta des­fa­vor à so­ci­e­da­de. O no­vo go­ver­na­dor si­na­li­za a mu­dan­ça de di­re­ção no sis­te­ma po­lí­ti­co go­i­a­no. Pa­ra que is­so ocor­ra é ne­ces­sá­rio que a no­va or­dem te­nha um acer­to de con­tas com a ve­lha or­dem pa­tri­mo­ni­a­lis­ta pre­da­do­ra do pa­tri­mô­nio pú­bli­co go­i­a­no.

 

(Sa­la­ti­el So­a­res Cor­reia, en­ge­nhei­ro, ba­cha­rel em Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas, mes­tre em Pla­ne­ja­men­to Ener­gé­ti­co pe­la Uni­camp. É au­tor, en­tre ou­tras obras, de Chei­ro de Bi­bli­o­te­ca)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar