Opinião

Pacto de governabilidade na sociedade do conhecimento

diario da manha

O Ar­ti­go 84 da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, em seu in­ci­so I, es­ta­be­le­ce que a no­me­a­ção dos mi­nis­tros de Es­ta­do “com­pe­te pri­va­ti­va­men­te ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”. Em nos­sa his­tó­ria re­pu­bli­ca­na, po­rém, tal prer­ro­ga­ti­va tem si­do exer­ci­ta­da prin­ci­pal­men­te pa­ra a es­co­lha dos ti­tu­la­res da área eco­nô­mi­ca. Os de­mais car­gos são in­di­ca­dos pe­los par­ti­dos da ba­se de sus­ten­ta­ção do Exe­cu­ti­vo no Con­gres­so Na­ci­o­nal, no âm­bi­to do pac­to de go­ver­na­bi­li­da­de re­sul­tan­te das elei­ções.

As com­po­si­ções po­lí­ti­cas pa­ra a for­ma­ção do ga­bi­ne­te são acei­tá­veis e ne­ces­sá­rias no con­tex­to das de­mo­cra­cias, co­mo ocor­re de mo­do acen­tu­a­do nas na­ções par­la­men­ta­ris­tas. En­tre­tan­to, es­se pro­ces­so pre­ci­sa­ria res­pei­tar o cri­té­rio de ca­pa­ci­ta­ção téc­ni­ca, nem sem­pre ob­ser­va­do em nos­so pa­ís, cri­an­do-se, as­sim, di­fi­cul­da­des pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de po­lí­ti­cas pú­bli­cas efi­ca­zes em áre­as fun­da­men­tais. E há o agra­van­te da des­con­ti­nui­da­de de pro­gra­mas bem-su­ce­di­dos nas mu­dan­ças de ges­tão. Res­sal­ve-se que ti­ve­mos, em dis­tin­tos go­ver­nos, no­mes de ex­ce­lên­cia in­di­ca­dos por par­ti­dos, sen­do os ocu­pan­tes par­la­men­ta­res ou não.

Se­ria es­tra­té­gi­co pa­ra o Bra­sil que o pró­xi­mo pre­si­den­te, além dos mi­nis­tros da área eco­nô­mi­ca, tam­bém es­co­lhes­se de mo­do di­re­to, con­for­me que­si­tos emi­nen­te­men­te téc­ni­cos e de com­pe­tên­cia, os da Edu­ca­ção, Cul­tu­ra e da Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia, Ino­va­ções e Co­mu­ni­ca­ções. Ex­pli­co: es­sas são áre­as – em pa­ra­le­lo à vi­tal con­du­ção da po­lí­ti­ca eco­nô­mi­ca – de­ci­si­vas pa­ra a re­cu­pe­ra­ção na­ci­o­nal e par­ti­ci­pa­ção mais com­pe­ti­ti­va do Pa­ís na no­va glo­ba­li­za­ção do Sé­cu­lo XXI, in­se­ri­da na cha­ma­da so­ci­e­da­de do co­nhe­ci­men­to.

As agen­das de tra­ba­lho des­sas pas­tas são de pra­zo lon­go, per­pas­san­do ge­ra­ções. Ao la­do dos na­tu­ra­is ajus­tes de per­cur­so, ne­ces­si­tam de pla­nos e pro­je­tos de lon­go al­can­ce, abra­ça­dos e apoi­a­dos por to­da a po­pu­la­ção, co­mo fa­tor crí­ti­co pa­ra sair­mos da ar­ma­di­lha de pa­is de ren­da mé­dia e al­can­çar­mos to­do nos­so po­ten­ci­al de ge­ra­ção de igual­da­de de opor­tu­ni­da­des, de­sen­vol­vi­men­to e ri­que­za.

Em­bo­ra fun­da­men­tal e pri­o­ri­tá­ria, não bas­ta a ges­tão eco­nô­mi­ca efi­caz, an­co­ra­da por re­for­mas es­tru­tu­ra­is, co­mo a pre­vi­den­ci­á­ria e tri­bu­tá­ria, o equi­lí­brio fis­cal e cam­bi­al, re­du­ção do “cus­to Bra­sil”, des­bu­ro­cra­ti­za­ção e ou­tras me­di­das in­can­sa­vel­men­te su­ge­ri­das. No mun­do da In­dús­tria 4.0, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­cial, in­ter­net das coi­sas, ro­bôs e cres­cen­te apli­ca­ção da ci­ber­né­ti­ca, o cres­ci­men­to sus­ten­ta­do so­men­te se­rá pos­sí­vel no âm­bi­to do sa­ber, de mo­do a se res­pon­der com efi­cá­cia à rá­pi­da e pro­fun­da trans­for­ma­ção dos pro­ces­sos pro­du­ti­vos e da es­tru­tu­ra do tra­ba­lho.

Nes­se no­vo ce­ná­rio, as po­lí­ti­cas pú­bli­cas re­la­ti­vas à edu­ca­ção, cul­tu­ra e P&D so­mam-se à ges­tão da eco­no­mia e do de­sen­vol­vi­men­to co­mo fa­to­res con­di­cio­nan­tes de nos­sa ca­pa­ci­da­de de nos con­ver­ter em uma eco­no­mia de ren­da al­ta. No ca­so do Bra­sil, os de­sa­fi­os são ain­da mai­o­res, pois te­re­mos de in­gres­sar no no­vo mo­men­to dis­rup­ti­vo glo­bal em meio a uma no­tá­vel re­cu­pe­ra­ção de in­ves­ti­men­tos, em­pre­gos e com­pe­ti­ti­vi­da­de, com in­di­ca­do­res in­ter­nos ain­da mui­to aba­la­dos pe­la pi­or re­ces­são de nos­sa his­tó­ria. Te­mos um pa­ís ex­ces­si­va­men­te po­la­ri­za­do e ain­da se de­ba­ten­do com ques­tões ana­crô­ni­cas, há mui­to su­pe­ra­das pe­las na­ções ven­ce­do­ras no ce­ná­rio mun­di­al.

Por is­so, in­de­pen­den­te­men­te do pre­si­den­te elei­to e das su­as com­po­si­ções po­lí­ti­cas, é es­sen­cial que a no­me­a­ção de mi­nis­tros às pas­tas de­ci­si­vas pa­ra nos­so de­sen­vol­vi­men­to aten­da es­tri­ta­men­te à com­pe­tên­cia téc­ni­ca, ali­a­da à ca­pa­ci­da­de mo­bi­li­za­do­ra de po­lí­ti­cas pú­bli­cas e ar­ti­cu­la­ção no di­ag­nós­ti­co das pri­o­ri­da­des. Os bra­si­lei­ros não po­dem pres­cin­dir des­se cri­té­rio. Afi­nal, é o seu vo­to que con­fe­re ao pre­si­den­te a prer­ro­ga­ti­va cons­ti­tu­ci­o­nal de no­me­ar e exo­ne­rar mi­nis­tros.

De­pen­den­do de quem as­su­mir a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca em ja­nei­ro de 2019, o Pa­ís te­rá um nú­me­ro di­fe­ren­te de mi­nis­té­ri­os, con­for­me se ob­ser­va no pro­gra­ma de go­ver­no dos dis­tin­tos can­di­da­tos. Na for­ma­ção do no­vo ga­bi­ne­te, to­das as pas­tas se­rão im­por­tan­tes, mas as que com­põ­em as áre­as do co­nhe­ci­men­to são de­ci­si­vas pa­ra nos­sa agen­da de de­sen­vol­vi­men­to.

Nas elei­ções des­te ano, mais do que nun­ca, em pa­ra­le­lo às de­mo­crá­ti­cas ali­an­ças e com­po­si­ção de uma ba­se de sus­ten­ta­ção do go­ver­no no Par­la­men­to, o prin­ci­pal pac­to de go­ver­na­bi­li­da­de de­ve ser fir­ma­do com a so­ci­e­da­de. É pre­ci­so res­ga­tar em ter­mos prá­ti­cos o prin­cí­pio ba­si­lar do Es­ta­do de Di­rei­to, tam­bém con­sa­gra­do na nos­sa Cons­ti­tu­i­ção, de que o po­der ema­na do po­vo e em seu no­me de­ve ser exer­ci­do!

 

(Fer­nan­do Va­len­te Pi­men­tel, pre­si­den­te da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria Têx­til e de Con­fec­ção Abit)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais