Opinião

Por bares nunca dantes navegados

diario da manha

Kar­la Ce­le­ne Cam­pos abre as por­tas de to­dos os ba­res pa­ra seu lei­tor, em “Os ba­res nun­ca fe­cham” con­vi­dan­do-o a pe­ne­trar em su­as re­fle­xões, que exis­tem em seu dia a dia de pro­fes­so­ra de Li­te­ra­tu­ra e se in­ten­si­fi­cam nos am­bi­en­tes de bar. Ne­les há con­fra­ter­ni­za­ção, con­ví­vio, so­ci­a­li­za­ção. O ál­co­ol re­i­na co­mo ca­ta­li­sa­dor de to­das as afei­ções. So­bre bri­gas, ela não fa­la. Mui­tas le­tras de mú­si­ca e po­e­mas, além de amo­res e rup­tu­ras, acon­te­cem nos ba­res, em­ba­la­dos pe­la sin­ce­ri­da­de sem frei­os e afe­tos de­sen­ca­de­a­dos pe­la cir­cun­stân­cia. Co­me­ça pe­los bo­te­cos de Fran­cis­co Sá, o seu Bre­jo das Al­mas, de­pois, em Mon­tes Cla­ros, a me­ni­ni­nha so­nha com o bom­bom So­nho de Val­sa do Bar e Sor­ve­te­ria Cris­tal, se­guin­do na vi­da até os ba­res das pe­que­nas e gran­des ci­da­des do Bra­sil, Es­pa­nha e Por­tu­gal.

En­tran­do e sa­in­do de ba­res lim­pos e su­jos, bons e ru­ins, no­bres e po­bres, num pé­ri­plo de com­pre­en­são e to­le­rân­cia, mes­mo nos pi­o­res lu­ga­res ga­rim­pa al­go po­si­ti­vo, se­ja va­lo­ri­zan­do o aco­lhi­men­to do do­no ou do gar­çom, ou ape­nas a tem­pe­ra­tu­ra da cer­ve­ja em lu­ga­res ci­vi­li­za­dos ou er­mos. Vê o mun­do de ma­nei­ra apai­xo­na­da, e seus sen­ti­men­tos de en­tu­si­as­mo, co­e­rên­cia e acei­ta­ção sa­em po­e­ti­zan­do mun­do afo­ra, vi­a­jan­do com seu in­se­pa­rá­vel di­á­rio, e tem­pos de­pois, de­le ex­trai pre­ci­o­si­da­des.

Por co­nhe­cer a au­to­ra e mui­tos dos seus per­so­na­gens, fui se­guin­do-a pe­los ba­res da vi­da, e ven­do as gen­tes en­vol­tas nos bur­bu­ri­nhos etí­li­cos, es­pe­ci­al­men­te, e de for­ma mais lu­mi­no­sa na Ca­cha­ça­ria do Du­rã­es, o pon­to al­to do li­vro. O lu­gar, a seu tem­po, foi uma re­fe­rên­cia das noi­tes des­com­pro­mis­sa­das, pa­ra uma tri­bo sem ca­ci­que, on­de se po­dia ser e fa­zer e di­zer o que qui­ses­se.  Es­te bar, que não exis­te mais, mar­cou Kar­la Ce­le­ne e to­dos os seus fre­quen­ta­do­res, pois ou­vi de ou­tras bo­cas a má­gi­ca mul­ti­cul­tu­ral que o en­vol­via. Até che­guei a co­nhe­cê-lo, po­rém sem o bri­lho de an­tes. Era al­ter­na­ti­vo, e ao mes­mo tem­po um lu­gar se­gu­ro pa­ra por­res e con­fis­sões de ca­bo a ra­bo.

O bar e seu adi­ti­vo etí­li­co têm o efei­to de au­to­ma­ti­zar uma es­tra­nha con­fi­an­ça en­tre des­co­nhe­ci­dos. E por de­trás da­que­le co­po há uma al­ma ale­gre ou tris­te, que men­te (an­tes da be­bi­da) ou fa­la a ver­da­de, por­que tem a lín­gua sol­ta e as emo­ções aflo­ra­das pe­lo efei­to al­co­ó­li­co. A au­to­ra fi­lo­so­fa, ci­ta es­cri­to­res e le­tris­tas, co­mo tam­bém fa­la por si mes­ma, com sua vi­são do mun­do, pe­cu­li­ar e oti­mis­ta, iso­lan­do-se do mal, mas sem, con­tu­do, des­co­nhe­cê-lo.

De es­pí­ri­to li­ber­tá­rio, Kar­la Ce­le­ne par­ti­ci­pa de pro­tes­tos, dan­ça so­bre a me­sa de um bar, en­tra em qual­quer bo­te­quim, res­pei­ta quem a ser­ve, faz ami­za­des. As con­fis­sões cos­tu­mam ser ver­da­dei­ras, mas é cer­to, que “ami­za­de de bo­te­co”, as­sim co­mo “fi­lo­so­fia de bo­te­co” não têm gran­des con­sis­tên­cias, po­rém a es­cri­to­ra faz is­so acon­te­cer, dei­xan­do a su­per­fí­cie, apro­fun­da na­qui­lo que vê, po­e­ti­sa a vi­da, ex­põe o que sen­te. Con­ta his­tó­ri­as de gar­çons, do­nos de bar e fre­quen­ta­do­res, en­ri­que­ci­das pe­lo seu es­pí­ri­to de jor­na­lis­ta. Ge­ral­men­te es­tá só, mas tam­bém em gru­pos de co­le­gas e ape­nas uma vez com a fa­mí­lia, po­rém sem no­meá-la, pois in­ten­ci­o­na uni­ver­sa­li­zar o am­bi­en­te de bar, e não par­ti­cu­la­ri­zá-lo.

O cu­ri­o­so é que os be­be­do­res de cho­pe e cer­ve­ja são no­tí­va­gos e al­guns são gor­dos. Kar­la Ce­le­ne é ma­gra, at­le­ta e do dia. Acor­da an­tes do sol, apre­cia bi­ci­cle­ta e ca­mi­nha­da e dor­me an­tes das 20 ho­ras. Fi­car acor­da­da é sa­cri­fí­cio pa­ra ela, por is­so, eu sei, apre­cia as tar­des de sá­ba­do, quan­do to­ma uma ge­la­da.

Quem não vai a ba­res des­co­nhe­ce es­se mun­do, co­mo se sua por­ta es­ti­ves­se la­cra­da. Por ou­tro la­do, quem não lê en­con­tra ou­tras por­tas fe­cha­das. Ca­da um dos ba­res que a po­e­ta es­can­ca­ra, quan­do os des­cre­ve fil­tra­dos pe­la sua fi­lo­so­fia, tem per­so­na­li­da­de e nes­sa se­a­ra, aca­ba por en­si­nar a vi­ver de uma for­ma me­nos so­le­ne. Quem não fre­quen­ta ba­res per­de al­go bom: o la­do au­tên­ti­co da vi­da. E eu, que con­vi­vi com gran­des be­be­do­res de cer­ve­ja, e não apren­di a apre­ciá-la, sin­to que per­di uma par­te da fes­ta, mas a ga­nhei de vol­ta, len­do Kar­la Ce­le­ne Cam­pos, que en­con­tra su­a­vi­da­de no mun­do, mes­mo sem ál­co­ol.

 

(Ma­ra Nar­ci­so, mé­di­ca e jor­na­lis­ta)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar