Opinião

Reformas com Bolsonaro

diario da manha

Nas mi­nhas ob­ser­va­ções so­bre o que acon­te­ceu nas elei­ções bra­si­lei­ras des­te ano – uma dis­pu­ta co­mo nun­ca ti­nha vis­to – che­go à con­clu­são de que o po­vo fez a mu­dan­ça pa­ra tem­pos mais con­ser­va­do­res. A to­ma­da do po­der co­mo que­ria o abo­mi­ná­vel Zé Dir­ceu foi pa­ra as ca­len­das. Re­al­men­te o po­vo can­sou de ver a rou­ba­lhei­ra que Lu­la im­plan­tou nes­te pa­ís. A cor­rup­ção sem­pre exis­tiu e não aca­ba, é ine­ren­te ao po­der. Mas os ní­veis al­can­ça­dos e pra­ti­ca­dos eno­jou o po­vo bra­si­lei­ro. A ope­ra­ção La­va-Ja­to te­ve seu clí­max quan­do o ju­iz Sér­gio Mo­ro man­dou Lu­la pa­ra ca­deia em Cu­ri­ti­ba. O PT e Lu­la po­rém re­sol­ve­ram de­sa­fi­ar a Jus­ti­ça até o úl­ti­mo mi­nu­to. Da ca­deia Lu­la acre­di­ta­va que ele­ge­ria o pos­te, co­mo fi­ze­ra com Dil­ma. Des­ta vez não deu cer­to A on­da an­ti­pe­tis­ta le­vou o de­pu­ta­do Ja­ir Bol­so­na­ro  à pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Bol­so­na­ro che­ga com a res­pon­sa­bi­li­da­de de mo­ra­li­zar a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra e re­to­mar  o de­sen­vol­vi­men­to, dis­cur­sos que lhe va­le­ram o man­da­to. O Bra­sil não quis con­ti­nu­ar sob o do­mí­nio de um gru­po que se ro­tu­la  de es­quer­da que ti­nha pro­je­to de se man­ter no po­derr pe­los pró­xi­mos vin­te anos, in­clu­si­ve com a vol­ta de Lu­la. Nos meus mais de cin­quen­ta anos acom­pa­nhan­do a vi­da pú­bli­ca nun­ca ti­nha vis­to tsu­na­mi igual ao que var­reu o pa­ís. Em Mi­nas o cor­re­to se­na­dor An­tô­nio Anas­ta­sia dei­xou de ser go­ver­na­dor por ter si­do li­ga­do a Aé­cio Ne­ves que, mes­mo de­pois dos “ro­los” des­co­ber­tos, ain­da se ele­geu de­pu­ta­do fe­de­ral. Dil­ma Rous­seff não te­ve a mes­ma sor­te. O po­vo mi­nei­ro não com­prou o seu dis­cur­so de gol­pe e fez jus­ti­ça, der­ro­tan­do-a nas ur­nas. Ela vol­ta pa­ra o Rio Gran­de do Sul, de on­de foi não de­ve­ria ter sa­í­do. O efei­to Aé­cio Ne­ves aca­bou pe­san­do so­bre ou­tros ali­a­dos e par­la­men­ta­res co­mo Mar­cus Pes­ta­na e Gus­ta­vo Cor­reia não se re­e­le­ges­sem. É o Bra­sil que co­me­ça a ser pas­sa­do a lim­po. Em Mi­nas o em­pre­sá­rio Ro­meu Ze­ma foi a gran­de sur­pre­sa, ele­gen­do-se go­ver­na­dor pe­lo par­ti­do No­vo. Ago­ra pre­ci­sa agir po­li­ti­ca­men­te e co­me­çar a ar­mar sua ba­se pa­ra go­ver­nar.

 

(Pau­lo Cé­sar de Oli­vei­ra, jor­na­lis­ta e di­re­tor-ge­ral da re­vis­ta Vi­ver Bra­sil e jor­nal Tu­do BH)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar