Opinião

Ursulino Leão, o prosador goiano

diario da manha

Cer­ta oca­si­ão, per­gun­tei a Ur­su­li­no Le­ão co­mo nas­ceu o seu gos­to pe­la li­te­ra­tu­ra e se so­freu al­gu­ma in­flu­ên­cia pa­ra al­can­çar es­sa es­ta­bi­li­da­de de gran­de pro­sa­dor. No tran­scor­rer da con­ver­sa, re­la­tou-me que, no ano de 1940, es­ta­va cur­san­do o gi­na­si­al no tra­di­cio­nal Gi­ná­sio An­chi­e­ta, na an­ti­ga Bon­fim, ho­je Sil­vâ­nia, e ti­nha co­mo pro­fes­sor de por­tu­guês o re­no­ma­do fi­ló­lo­go Jo­sé Si­ze­nan­do Jai­me. No iní­cio do se­gun­do se­mes­tre, o pro­fes­sor pe­diu aos alu­nos que fi­zes­sem uma re­da­ção so­bre as fé­rias do mês de ju­lho. Elo­gi­a­do pe­lo mes­tre, co­mo re­com­pen­sa, o tra­ba­lho foi pu­bli­ca­do no jor­nal do Co­lé­gio, Voz Ju­ve­nil, e, mais tar­de, as­su­miu a ge­rên­cia e di­re­ção do ór­gão de pu­bli­ci­da­de do re­fe­ri­do es­ta­be­le­ci­men­to de en­si­no.

Con­clu­in­do o cur­so, trans­fe­riu-se pa­ra Be­lo Ho­ri­zon­te, on­de fez o se­gun­do grau, no Co­lé­gio Ar­nal­do, e ali, no Jor­nal Gi­ná­sio Ar­nal­do, pu­bli­cou al­guns po­e­mas, re­por­ta­gens, crô­ni­cas. Aven­tu­rou-se, ain­da, em no­vo gê­ne­ro da área li­te­rá­ria, o con­to.

Já cur­san­do Di­rei­to nas Al­te­ro­sas, com pou­co mais de 25 anos, ter­cei­ro­a­nis­ta no cur­so de ci­ên­cias ju­rí­di­cas e so­ci­ais, em 1949, vê o so­nho re­a­li­za­do com a pu­bli­ca­ção, pe­la Edi­to­ra Pon­get­ti, do Rio de Ja­nei­ro, de sua pri­mei­ra obra li­te­rá­ria, o ins­pi­ra­do ro­man­ce Maya.

O tí­tu­lo do li­vro tem sig­ni­fi­ca­do in­di­a­no, co­mo sen­do tu­do na vi­da, me­ra ilu­são. Por ou­tro la­do, Maya no di­ci­o­ná­rio da lín­gua por­tu­gue­sa, de An­te­nor Nas­cen­te, em sen­ti­do fi­gu­ra­do, ex­pres­sa mu­lher car­re­ga­da de en­fei­tes de mau gos­to. O que não é o ca­so.

O au­tor con­se­gue o au­tor, no en­re­do da obra, pren­der o lei­tor do iní­cio ao fim, com a be­le­za do ato de des­cre­ver a pai­xão de Her­ma­no pe­la que­ri­da na­mo­ra­da Ma­ria do Ro­sá­rio, fi­lha de um for­te e abas­ta­do fa­zen­dei­ro e da tri­an­gu­la­ção com o sur­gi­men­to da po­bre pros­ti­tu­ta, Si­bi­la, de­flo­ra­da e vi­o­len­ta­da mui­to jo­vem, por seu pai, um ne­fas­to e ines­cru­pu­lo­so ser hu­ma­no, in­ces­tan­do a ino­cen­te.

Sua nar­ra­ti­va cons­tou de te­mas vi­ven­cia­is co­mo ques­tões po­lí­ti­cas, en­vol­ven­do uma épo­ca de trans­for­ma­ções no mun­do, prin­ci­pal­men­te na dé­ca­da de qua­ren­ta do sé­cu­lo pas­sa­do, quan­do co­mu­nis­tas se or­ga­ni­za­vam, e as li­de­ran­ças eram bus­ca­das no meio do pro­le­ta­ri­a­do, al­gu­mas das qua­is, na­da sa­bi­am, mas com­ba­ti­am o ca­pi­ta­lis­mo rei­nan­te nas dis­cus­sões das es­qui­nas, ba­res, quar­tos de ho­té­is e pen­sões.

Aque­le mun­do de per­so­na­gens, mui­tos dos qua­is in­fe­li­zes, po­vo­an­do a mes­ma ca­sa, a mes­ma pen­são e sem­pre os mes­mos ba­res. O co­mu­nis­ta Ed­son Cas­ca­du­ra e o anal­fa­be­to gar­çom, Gon­ça­lo, que se sen­tia mais im­por­tan­te que to­das as au­to­ri­da­des le­tra­das, por per­ten­cer a uma re­no­ma­da cé­lu­la co­mu­nis­ta em Be­lo Ho­ri­zon­te. É des­cri­to pe­lo au­tor, com ma­es­tria, o or­gu­lho que o gar­çom sen­tia por per­ten­cer à com­ba­ti­va ide­o­lo­gia.

É um ro­man­ce his­tó­ri­co, que do­cu­men­ta um tem­po de lu­ta ide­o­ló­gi­ca, re­li­gi­o­sa, en­tre ve­lhos e jo­vens, mu­lhe­res e ho­mens, em bus­ca de um ca­mi­nho da re­a­li­da­de, que não pas­sa­va de me­ra ilu­são.

É um li­vro que de­ve ser li­do e vi­vi­do em ca­da mo­men­to, em ca­da mi­nu­to, pe­la sua na­tu­re­za his­tó­ri­ca, mar­ca­da pe­la vi­da bra­si­lei­ra de uma épo­ca que não vai mui­to lon­ge.

Ur­su­li­no Le­ão, foi meu vi­zi­nho na Rua 14, do Se­tor Oes­te. Es­ta é uma opor­tu­ni­da­de que ma­ni­fes­to, pu­bli­ca­men­te, os meus sen­ti­men­tos de al­ta con­si­de­ra­ção. Lem­bro com sa­tis­fa­ção, que ti­ve o pri­vi­lé­gio de ler Maya, que me foi em­pres­ta­do pe­lo au­tor com a se­guin­te de­di­ca­tó­ria: “À Le­na, o pri­mei­ro exem­plar do seu li­vro. Ur­ba­no. Rio, 20/08/49”.

Pro­fes­so­ra Le­na, es­po­sa, com­pa­nhei­ra e ami­ga, de­di­cou to­da sua exis­tên­cia ao amor e à com­pre­en­são. O céu aben­ço­ou o ca­sal. Ela ca­ri­nho­sa­men­te o cha­ma­va de Ur­ba­no.

Sou gra­to a ele pe­la con­fi­an­ça que me con­ce­deu de fo­lhe­ar aque­le re­li­cá­rio, guar­da­do a se­te cha­ves.

Ur­su­li­no nos dei­xou no anoi­te­cer de 19 de ou­tu­bro do pre­sen­te ano.  Go­i­ás per­deu um dos mais bri­lhan­tes ro­man­cis­tas. Ele era, ain­da, cro­nis­ta, con­tis­ta, jor­na­lis­ta, pes­qui­sa­dor, his­to­ri­a­dor e po­lí­ti­co e so­bre­tu­do. Um gran­de ami­go e com­pa­nhei­ro de to­das as ho­ras e de to­dos os mo­men­tos.

De­fen­sor da área cul­tu­ral. A exem­plo, quan­do de­pu­ta­do es­ta­du­al apre­sen­tou pro­je­to de lei, que cria a dis­ci­pli­na Li­te­ra­tu­ra Go­i­a­na na gra­de cur­ri­cu­lar do Es­ta­do. Pas­sa­ram mais de três dé­ca­das e in­fe­liz­men­te na­da acon­te­ceu. A Lei apro­va­da e san­ci­o­na­da, con­ti­nua sem cum­pri­men­to. O gran­de so­nho dos es­cri­to­res go­i­a­nos não pas­sou de um vo­lu­mo­so ba­fe­jo dos ven­tos dos mor­ros ui­van­tes, ou da ven­ta­nia dos po­é­ti­cos cer­ra­dos go­i­a­nos.

Per­ten­ceu ao Ins­ti­tuo His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás. Por 16 anos, as­su­miu com bri­lhan­te ab­ne­ga­ção e boa ad­mi­nis­tra­ção a Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras. Nes­se pe­rí­o­do, re­u­niu as me­lho­res in­te­li­gên­cias bra­si­lei­ras, em Go­i­â­nia, no En­con­tro Na­ci­o­nal das Aca­de­mi­as do Bra­sil. Além de um mar­co his­tó­ri­co, abriu ca­mi­nho ao es­cri­tor Ber­nar­do Élis pa­ra seu in­gres­so na Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras.

Ur­su­li­no em vi­da es­pa­lha­va seu bom hu­mor nas con­ver­sas e nas nar­ra­ti­vas.

Con­fi­den­ci­ou-me, Pau­lo, seu fi­lho, que Ur­su­li­no dei­xou pron­to um li­vro de me­mó­ri­as con­ten­do lem­bran­ças da in­fân­cia, da ado­les­cên­cia, e de seus 94 anos de vi­da bem vi­vi­da. O li­vro, em fa­se de re­vi­são, de­ve ser pu­bli­ca­do ain­da es­te ano.

Ur­su­li­no Le­ão é re­fe­rên­cia pa­ra to­dos os go­i­a­nos. A li­te­ra­tu­ra go­i­a­na per­deu o gran­de mes­tre, mas o uni­ver­so ga­nhou a gran­de es­tre­la que bri­lha no fir­ma­men­to. Até mais ver, ami­go, Ur­su­li­no.

 

(Co­e­lho Vaz, es­cri­tor da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, pre­si­den­te do IHGG)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais