Opinião

Utilidade e consideração

diario da manha

Na vi­da, e prin­ci­pal­men­te na vi­da na so­ci­e­da­de pós-mo­der­na, mos­tra-se ca­da vez mais re­le­van­te o con­cei­to de uti­li­da­de.

Co­me­ça-se pe­la uti­li­da­de das coi­sas. Guar­da­mos um ob­je­to até quan­do o sen­ti­mos útil. A par­tir do mo­men­to em que ele per­de a uti­li­da­de ou o en­can­to, ao me­nos pa­ra nós, vai pa­ra o can­to…ou pa­ra o li­xo.

Às ve­zes o ob­je­to ain­da é no­vo, es­tá bem con­ser­va­do, mas se per­der a uti­li­da­de, se­ja pe­lo ad­ven­to de no­va tec­no­lo­gia, se­ja por­que a gen­te não  o  vê mais co­mo ne­ces­sá­rio , con­clu­í­mos que per­deu a uti­li­da­de e o ca­mi­nho cer­to é o des­car­te.

E im­pres­sio­na ver o mon­tão de coi­sas inú­te­is que a ca­da mês, ou se­mes­tre ou ano, va­mos jun­tan­do nos de­pó­si­tos pa­ra des­car­te, que fa­ze­mos com o mai­or pra­zer, sal­vo quan­do se tra­ta de um acu­mu­la­dor com­pul­si­vo que vai jun­tan­do, amon­to­an­do e inex­pli­ca­vel­men­te guar­dan­do ob­je­tos ab­so­lu­ta­men­te inú­te­is e im­pres­tá­veis.

E quan­do nos re­fe­ri­mos a coi­sas, tu­do bem. Mas tu­do fi­ca mais pe­sa­do e du­ro de en­ten­der ou de en­go­lir, quan­do se tra­ta de se­res hu­ma­nos.

Mas, em­bo­ra du­ro de se ver,é a ver­da­de dos fa­tos.

À me­di­da  em que o tem­po pas­sa, as no­vas tec­no­lo­gi­as as­su­mem o co­man­do, va­mos ven­do mais e mais se­res hu­ma­nos sen­do ro­tu­la­dos de coi­sas e de coi­sas im­pres­tá­veis, inú­te­is, se­ja por­que a ida­de avan­ça­da che­gou ou uma do­en­ça  mais in­ca­pa­ci­tan­te  aco­me­teu o in­fe­liz.

Vai sen­do dei­xa­do pe­los can­tos, ali­ja­do das con­ver­sas, afas­ta­do da ce­na, dos fa­tos da vi­da…É is­to mes­mo que vo­cê es­tá pen­san­do: vai sen­do es­que­ci­do nu­ma ve­lha ca­ma, co­mo um brin­que­do em de­su­so, jo­ga­do nu­ma cai­xa de pa­pe­lão.

É ter­rí­vel, mas ver­da­dei­ro. A gen­te vai per­den­do o tem­po de va­li­da­de e na mes­ma pro­por­ção per­den­do a uti­li­da­de den­tro dos cri­té­rios mo­der­nos ou pós mo­der­nos  de vi­da….

E en­tão, pa­ra se con­se­guir um mi­nu­ti­nho de pro­sa com al­guém, é tão di­fí­cil co­mo mar­car uma con­sul­ta pe­lo Sis­te­ma Úni­co de Sa­ú­de ou en­tão con­se­guir ser ou­vi­do pe­las Au­to­ri­da­des cons­ti­tu­í­das quan­do se tem uma jus­ta re­cla­ma­ção a fa­zer.

Co­mo apren­di nos anos de es­tu­dos de Ci­ên­cia Po­lí­ti­ca, o sis­te­ma po­lí­ti­co é, ori­gi­na­ria­men­te, sur­do. Is­to é, cons­ti­tu­í­do pa­ra não ou­vir os re­cla­mos e pe­di­dos do meio po­lí­ti­co em que se in­se­re. Os pe­di­dos só atra­ves­sam  o cam­po de for­ça que pro­te­ge o sis­te­ma se os in­te­res­sa­dos con­se­gui­rem fa­zer uso de mei­os po­ten­tes, in­flu­en­tes, ca­pa­zes dês fa­ze­rem che­gar ao Che­fe os re­cla­mos do po­vo.

As­sim acon­te­ce com a per­da da uti­li­da­de ( va­li­da­de )do ser hu­ma­no.

Por is­to, além da­que­las coi­sas to­das que po­de­mos fa­zer e sem­pre fa­ze­mos a fa­vor dos ou­tros, por­que ain­da te­mos uti­li­da­de, te­mos que cul­ti­var e cons­tru­ir um ou­tro  e po­de­ro­so pon­to de re­fe­rên­cia: a con­si­de­ra­ção.

É a con­si­de­ra­ção, que tam­bém po­de se cha­mar de res­pei­to que ha­ve­rá de nos res­ga­tar a vi­da quan­do, pe­la fa­ta­li­da­de e ine­xo­ra­bi­li­da­de do tem­po, per­der­mos a uti­li­da­de.

É a con­si­de­ra­ção que nos tra­rá ami­gos à por­ta, pa­ren­tes  mais dis­tan­tes ao lei­to, com­pa­nhei­ros de jor­na­da à con­ver­sa útil em­bo­ra to­tal­men­te des­pre­ten­si­o­sa.

Se­rá pe­la imen­sa con­si­de­ra­ção que des­per­tar­mos, pe­lo res­pei­to que in­fun­dir­mos nos ou­tros por nos­sa con­du­ta e nos­so ca­mi­nhar nes­ta ter­ra que  ha­ve­re­mos de me­re­cer, mes­mo no tem­po da inu­ti­li­da­de, quan­do já não pu­der­mos ob­ter ou con­ce­der qual­quer ti­po de van­ta­gem a al­guém, o tem­po da aten­ção, do ca­ri­nho e da gra­ti­dão da­que­les que nos vi­ram ser úte­is o su­fi­ci­en­te pa­ra me­re­cer­mos con­si­de­ra­ção e res­pei­to. Mes­mo no tem­po do fim.

 

(Ge­tu­lio Tar­gi­no Li­ma: Ad­vo­ga­do, pro­fes­sor emé­ri­to ( UFG ), jor­na­lis­ta, es­cri­tor, mem­bro da ANE e da AGL)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais