Política & Justiça

Postura do governador com a presidente Dilma Rousseff é apontada por líderes como demonstração de maturidade política e serve de ensinamento para o restante do País

diario da manha

Hélmiton Prateado Especial para Cidades

A atitude do governador Marconi Perillo (PSDB) de elegância no trato e receptividade para com a presidente Dilma Rousseff, na última quinta-feira, foi vista como prova de maturidade política e demonstração de como devem se portar estadistas. “Goiás deu exemplo para o Brasil de como dois mandatários devem se portar após ser definido o período eleitoral, ou seja, descer do palanque e governar para todos e não apenas para seus correligionários ou eleitores”, disse o sindicalista João Domingos Gomes dos Santos, presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CSPB).
Marconi disse na solenidade de autorização das obras do corredor preferencial BRT, diante de uma plateia repleta de simpatizantes da presidenta Dilma que agiu com “firmeza e equilíbrio”, mesmo diante de um ambiente hostil para expor sua opinião. O ponto alto do discurso de Marconi foi dizer que não faz oposição a Dilma, mesmo pertencendo a um partido que “às vezes” faz oposição a presidente e que nunca disse uma só palavra que não fosse de “respeito e reconhecimento” ao trabalho de Dilma. “Venho como governador legitimamente reeleito receber uma presidente legitimamente reeleita e que terá meu apoio a sua governabilidade”, disse o governador.
Durante todo do dia, ontem, o assunto ganhou manifestações e comentários na mídia e nas redes sociais, com posições favoráveis e algumas contra a postura do governador. Marconi Perillo voltou a defender a presidente Dilma Rousseff e atacou “falsos moralistas, oportunistas e mesquinhos”. Sua obrigação, comentou o governador, era receber a presidenta com “educação e hospitalidade” e que não poderia ter agido de modo diferente.
“Enfrentei com altivez uma claque de petistas radicais, que chamei de intolerantes. Tive como sempre a coragem de expor minha opinião em ambiente hostil a mim e aos meus companheiros. Mas me comportei com firmeza e equilíbrio”, comentou o governador.
Marconi disse ainda que “o Brasil não pode ser vítima da intolerância, desrespeito, não pode ser vítima de minorias que não querem uma democracia onde o republicanismo possa prevalecer”.
O governador teve total receptividade da presidenta, que reforçou seus argumentos com o destaque à exortação para o fim das hostilidades políticas após o término do processo eleitoral. “Essa parceria se dá acima das nossas diferentes filiações partidárias. Somos um País – e isso é importante sinalizar –, um País democrático, em que a gente disputa durante a eleição e, acabou a eleição, eleitos – porque que o povo escolheu –, a gente passa a governar para toda a população. Ele (Perillo), para toda a população de Goiás e eu, para toda a população do Brasil”, disse a presidente.
Lideranças diversas da sociedade destacaram a prova dos dois governantes como amadurecimento político que deve prevalecer nos mandatários, mesmo que estejam em agremiações partidárias distintas. O que precisa ser pensado, frisaram todos, é o bem da coletividade para solucionar problemas, em detrimento de diferenças pontuais de ordem ideológica ou de correntes políticas.

 

“Considero que tenha sido a postura correta de dois governantes comprometidos com suas administrações. Marconi e Dilma foram eleitos democraticamente e, até prova em contrário, nada pode ser feito no sentido do afastamento, principalmente da presidente Dilma Rousseff. Agora o momento é de união para encaminhar soluções concretas para a governabilidade e para a superação de dificuldades. O mundo atravessa uma crise financeira e o Brasil sofre os reflexos disso, o que impõe uma coalizão de forças para solucionar problemas que são de todos. Goiás não ganharia nada com o governador hostilizando a presidenta, ao contrário, iria perder a sequência de progresso administrativo desse Estado, afinal de contas, Goiás necessita dos recursos da União para dar continuidade ao desenvolvimento que está em curso”

Garibaldi Rizzo,presidente do Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas de Goiás

“É preciso ser respeitoso para com todos e principalmente de governante para governante, porque eles representam milhões de pessoas. Além disso, não há nada que desabone a presidente Dilma, que foi reeleita democraticamente e de forma legítima. Não há que se falar em impeachment da presidente porque até que se prove alguma coisa contra, ela continua sendo a presidente e ofendê-la significa ofender a instituição da presidência da República. Marconi agiu como um legítimo estadista ao defender a governabilidade de Dilma e isto o credencia a ter total apoio à governabilidade de nosso Estado, sem falar que ele demonstrou uma grandeza inestimável, que é a gratidão, pelo apoio e benefícios que a presidente encaminhou para Goiás. Devemos nos orgulhar de um governador que deu exemplo para o resto do País”

Jaime Bueno de Aguiar, presidente da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários dos Estados de Goiás e Tocantins

“Foi muito ponderada e equilibrada a fala do governador, porque ele mostrou que um rompimento entre governantes, como querem alguns, é extremamente temerário para o futuro da Nação. Marconi teve uma postura muito correta e que nos orgulha. O momento era de chamar a responsabilidade das autoridades para o que se faz necessário, construir de um projeto de coalizão e não fazer nada no calor das manifestações. Goiás deu uma mostra inequívoca de equilíbrio e de maturidade política para o resto do Brasil, de como dois governantes precisam se portar e honrar sua população. Gostei muito do que vi e ouvi, Goiás e Goiânia ganharam muito, principalmente, porque até mesmo as rusgas entre Marconi e Paulo terão solução mais fácil a partir de agora”

Décio Caetano, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (Setransp)

“A demonstração dos dois de que, passado o pleito e definidos os vencedores, é preciso descer do palanque e ir governar. E governar para todos, não apenas para quem o apoiou no processo eleitoral ou que seja simpático ao seu partido político. Governar é para todos e não apenas para uma parcela da população. O governo da presidente Dilma, bem como a nova gestão de Marconi, não tem ainda sequer 100 dias, o que demonstra a necessidade de união das forças democráticas para recuperar o que está comprometido e não ficarmos procurando culpados para os problemas que afligem toda a população. A democracia e a República podem ter um crescimento qualitativo muito grande a partir dessa postura demonstrada por nossos dois mandatários. Todos estão de parabéns pela postura altiva e madura”

Mauro Zica Júnior, presidente da Federação dos Servidores Públicos Municipais do Estado de Goiás

“A urbanidade, equilíbrio e respeito mútuo demonstrados pelo governador Marconi Perillo e a presidente Dilma Rousseff foi algo engrandecedor para nosso País. Acredito que diferenças pessoais ou de ordem ideológica, mesmo que seja de orientação de seus partidos políticos distintos, não podem ser levados para o campo da administração pública. É preciso pensar de forma ampla e respeitosa para que as pessoas possam acreditar nos políticos, que são nossos gestores. A maçonaria tem uma posição clara de defender princípios de cidadania, de moral e de ética para podermos caminhar unidos rumo a um ideal comum, que é o bem coletivo. Acredito que a defesa do governo Dilma, feito por Marconi, tenha sido uma prova de maturidade política, ao superar diferenças pessoais em defesa do bem comum”

Adolfo Ribeiro Valadares, grão-mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Goiás

“É bom ver governantes que se respeitam institucionalmente e que buscam o melhor para sua gente. Todo governante, que queira resolver os problemas de sua gestão, precisa saber procurar parcerias e respeitar diferenças. Quem ganha com isto é o povo. Essa postura de maturidade política, demonstrada pelo governador Marconi Perillo e a presidente Dilma, nós avaliamos como muito positiva e que irá produzir bons frutos para Goiás e para o Brasil. Nas disputas eleitorais, você tem todo o direito de divergir, de se posicionar politicamente e ideologicamente, mas decidida a eleição, com o povo escolhendo esse ou aquele governante é preciso descer do palanque e governar para todos. Gostei muito do que vi e aplaudi de pé os dois governantes que nos encheram de orgulho”

Bia de Lima, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Educação de Goiás (Sintego)

“O compromisso que vimos entre o governador Marconi Perillo de defender a governabilidade da gestão da presidente Dilma Rousseff é algo inestimável e que ficará para a história como um ensinamento basilar. Os dois ensinaram ao Brasil o que é governar para o coletivo e para a totalidade da população, não apenas para uma parcela que lhe seja simpática. Foi muito bom ver a postura de Marconi e Dilma como legítimos estadistas e governantes modernos que respeitam as instituições e a democracia. Ninguém pede mais a perenidade da democracia do que a classe trabalhadora, com a certeza de que o caminho do desenvolvimento passa pela grandeza do diálogo e do respeito institucional que deve primar os representantes do povo”

João Domingos Gomes dos Santos, presidente da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB)

“Vimos, como muito positiva, essa manifestação de respeito e civilidade entre os dois governantes. É preciso ficar claro que não se fala em impeachment nem em intervenção militar e que a legalidade precisa ser preservada. O governador Marconi Perillo deu mostras de ser autêntico e de ter coragem até mesmo de se posicionar de forma contrária à orientação de seu partido político ao defender a governabilidade. Um governador não pode simplesmente bater de frente com a presidente da República para não comprometer os quatro anos de seu governo. Reputo, como altamente correto, esse posicionamento, porque garante a governabilidade. Há uma outra questão: Marconi é o governador e estava recebendo uma visita ilustre. Você deve receber sua visita com um tratamento respeitoso, amistoso e cordial, principalmente em se tratando de uma instituição como da presidência da República”

Luís Carlos de Castro Coelho, grão-mestre do Grande Oriente do Brasil em Goiás.

“Foi uma postura de legítimo estadista, o governador Marconi Perillo ter demonstrado superação de diferenças partidárias para garantir o sucesso do governo da presidente Dilma e a governabilidade de nosso Estado. Acredito que tenha sido a posição mais correta que um governante poderia ter assumido. Não podem restar diferenças em um processo democrático, ou seja, passadas as eleições é preciso descer do palanque e respeitar o governo. E governantes governam para todos, não para apenas uma parcela da população. Marconi foi muito correto em agir de forma respeitosa com Dilma e demonstrou uma posição democrata e de estadista. Os políticos que estão no poder precisam assumir posições semelhantes, ou seja,em defesa dos interesses públicos”

Nelson Donizete Ferreira, prefeito de Urutaí (Democratas).

“Governo não deve fazer oposição a governo e após as eleições devem ser desarmados os palanques em prol da população. Assim como o Marconi foi eleito para governar Goiás, Dilma foi eleita para governar o Brasil e a legitimidade de cada um para exercer seu mandato é algo inquestionável. É necessário que se mantenha uma relação republicana e de respeito mútuo, acima de questões partidárias ou ideológicas, para que o bem de Goiás e o bem do Brasil sejam mantidos, garantindo o progresso da nação e a riqueza de nossa gente. A população goiana aplaude os gestos dos governantes que pensam e atual em favor dos interesses coletivos, que priorizam as questões mais relevantes. Marconi e Dilma dão exemplos ao País, ao estabelecer uma relação republicana, em defesa de Goiás e do País”

José Mário Schireiner, presidente da Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg).

“É bom para a democracia quando os governantes deixam de lado as diferenças partidárias e colocam os interesses da sociedade em primeiro plano. O exemplo de Marconi Perillo e de Dilma Rousseff deve ser adotado pelos demais governadores e prefeitos desse País. Governo não faz oposição a governo. Marconi demonstra o seu elevado espírito público ao manter relação republicana com a presidente Dilma Rousseff. Goiás é um Estado que precisa da ajuda e permanente do governo federal e, por isso, o governador precisa estabelecer o diálogo com frequência, com o Planalto”

Cleudes Baré, prefeito de Bom Jardim de Goiás e presidente da Associação Goiana de Municípios.

“Os governantes demonstram elevado espírito público quando colocam os interesses da sociedade em primeiro plano. O governador Marconi Perillo e a presidente Dilma Rousseff mostram que estão à frente de seu tempo no instante em que estabelecem o diálogo, em benefício do País e do Estado de Goiás, deixando as diferenças partidárias em segundo plano. É um gesto que deve ser aplaudido pela sociedade. É hora de os governantes adotarem posições de estadistas, pensarem mais nas questões maiores e deixarem as diferenças partidárias de lado”

José Evaristo, presidente da Federação do Comércio do Estado de Goiás.

“O gesto de Marconi Perillo de recepcionar a presidente Dilma Rousseff de forma respeitosa e cordial, mesmo o seu partido, o PSDB, sendo oposição ao governo federal, é a confirmação de que o governador conduz os interesses de Goiás de forma elevada, responsável. Os governantes não podem deixar que os interesses partidários falem mais alto, acima das questões relevantes da sociedade. Cumprimento o governador e a presidente por manterem uma relação institucional saudável, madura e equilibrada. A política menor precisa ser deixada de lado, para que se pense mais nas causas do povo goiano”

Joaquim Dilton de Moura Ornelas, presidente da Associação do Fisco do Estado de Goiás (Affego)

“É preciso reconhecer que a relação republicana implementada pelo governador Marconi Perillo e a presidente Dilma Rousseff atende aos interesses maiores da sociedade goiana. É uma demonstração de que os dois governantes deixam de lado as diferenças político-partidárias para pensar no País e no Estado de Goiás. É um exemplo que precisa ser seguido por outros governadores e prefeitos País afora. A sociedade aplaude quanto os governantes adotam posições elevadas, responsáveis e altruística”

Thiago Vilar, presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Goiás (Sindipúblico)

“Marconi Perillo é um homem público que merece o respeito de toda a sociedade goiana. O seu gesto de recepcionar a presidente da República, no instante em que Dilma Rousseff encontra-se em baixa popularidade, revela o elevado espírito público do governador. É preciso atuar em favor dos interesses nacionais e de Goiás. Dilma e Marconi proporcionam uma relação institucional republicana, o que faz bem para a democracia. Goiás precisa do apoio da administração federal”

Andre Luiz Rocha, presidente do Sindicato da Indústria de Fabricação do Etanol e Açúcar do Estado de Goiás

 

Comentários