Política & Justiça

Renato Duque diz saber responder às acusações e ter “consciência tranquila”

diario da manha
Duque disse que vai provar que bens foram de trabalho (divulgação)

Folhapress
Apesar de ter adiantado à CPI da Petrobras que permaneceria calado no depoimento de ontem, o ex-diretor da estatal Renato Duque deu breves declarações e afirmou estar com a “consciência tranquila”. “Eu vou provar que meus bens têm fundo no meu trabalho”, disse ao fim da sessão.
Duque ainda negou que ele ou sua esposa tenham parentesco com o petista José Dirceu ou que sua esposa tenha procurado o ex-presidente Lula para pedir ajuda para que fosse solto.
Preso, na última segunda-feira (16), pela décima fase da Operação Lava Jato, Duque já havia sido convocado pela CPI e, após a suspensão de um ato da Câmara que impedia a oitiva de presos dentro da Casa, foi conduzido ontem da carceragem da Polícia Federal até a Câmara para ser ouvido pelos deputados.
Ex-diretor de Serviços da Petrobras, Duque é apontado pelo ex-gerente Pedro Barusco, seu subordinado, como beneficiário do pagamento de propinas de empresas. Segundo Barusco, que assinou delação premiada, Duque recebia parte da propina e ainda repassava outra parte ao PT, por meio do tesoureiro João Vaccari Neto. Ambos negam as acusações.
Duque começou a falar por volta das 10h30. Ao ser apresentado, já adiantou: “Existe uma hora de falar e uma hora de calar. Esta é a hora de calar, do meu ponto de vista, eu estou sendo acusado, me encontro preso, então por esse motivo é que eu estou exercendo meu direito constitucional ao silêncio”.
Ao fim do seu depoimento, por volta das 14h30, Duque disse que sua defesa já havia avisado à CPI que não falaria e por isso não poderia ser responsabilizado pelo custo do seu deslocamento, mas explicou as razões de não se pronunciar sobre o mérito das questões.
Ele afirmou que só ficou calado por orientação dos advogados. “Não tenho problema nenhum em discutir qualquer um dos assuntos aqui levantados porque eu tenho a consciência tranquila, sei como responder e tenho argumentos suficientes de rebatê-los. Apenas eu tenho a obrigação de seguir a minha orientação legal. Não é porque eu tema e esteja de antemão me declarando culpado”, declarou.
E completou: “Estou com a consciência tranquila e vou me defender na hora certa”.
Seu advogado, Alexandre Lopes, afirmou à imprensa após a sessão que Duque queria prestar depoimento, mas foi orientado a não falar. “O Renato Duque continua negando a propriedade e movimentação de dinheiro fora do País”, disse.
O advogado afirmou ainda que é “radicalmente contra” delação premiada e que, nas conversas com o ex-diretor, ele nega as acusações e diz não ter o que delatar. “Ele não tem o que delatar e não tem quem delatar”, disse.
Lopes chamou Barusco de “mentiroso”. “Está faltando com a verdade pra ganhar um prêmio”, disse.

CRÍTICAS
Provocado, chamado de “corrupto” e criticado por ficar calado, Duque não resistiu quando os parlamentares ameaçaram convocar sua esposa e quando Izalci Ferreira (PSDB-DF) perguntou se havia laços de parentesco dele ou dela com o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado no mensalão, como citado pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa, delator da Lava Jato.
“Quando eu digo infelizmente (não posso responder), é porque realmente tem determinadas perguntas que não tem nenhum problema de responder. Uma questão de parentesco é uma questão de árvore genealógica, basta olhar a árvore genealógica de um e de outro. Não tem nenhum parentesco, nunca teve”, afirmou.
Também, as acusações de que sua mulher teria procurado o ex-presidente Lula ou o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, para pedir ajuda na libertação dele na primeira vez que foi preso. “Minha esposa nunca esteve com o presidente Lula ou com o senhor Okamotto. Não conhece, nunca conheceu”, afirmou. Em outro breve momento de declaração, negou conhecer o doleiro Alberto Youssef, apontado como operador da propina na diretoria de Paulo Roberto Costa.

Comentários

Mais de Política & Justiça