Política & Justiça

Conselho Federal é informado sobre situação em Goiás

Conselheiros protocolaram expediente narrando situação financeira da Seccional goiana da Ordem. Dívidas e penhora de prédios estão entre notícias

diario da manha

 

 

 

Um grupo de conselheiros da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção de Goiás, protocolou um expediente para o Conselho Federal da OAB expondo o que classificam de “situação preocupante” e pedindo para que o Conselho acompanhe com maior atenção os fatos. Os advogados Alex Neder, Mauracy Andrade de Freitas e Jorge Jungmann Neto assinaram o ofício encaminhado ao presidente da OAB Federal, Marcos Vinícius Furtado Coêlho.

No documento, eles expuseram que na eleição para um mandato tampão em que o atual presidente, Enil Henrique de Souza Filho, foi eleito, o presidente interino da gestão anterior, Sebastião Macalé Cassiano Cassimiro, fez duras revelações sobre a situação financeira da OAB-GO. As dívidas contraídas pela direção da OAB e a falta de informações para o Conselho Federal foram a maior prova de uma gestão desnorteada, como avaliam.

Os advogados lembraram que a dívida que ainda é remanescente desses empréstimos contraídos pela direção da OAB chegam a R$ 6,9 milhões e que muitos prédios se encontram penhorados como garantida de pagamento das dívidas. Um desses prédios, a sede da Caixa de Assistência dos Advogados (Casag) está penhorada pela Receita Federal para pagar tributos em atraso.

Os advogados contaram ainda que o presidente Enil Henrique disse que as prestações de contas haviam sido aprovadas pelo Conselho Seccional à unanimidade e os conselheiros informados sobre o andamento dos processos envolvendo os empréstimos e seus pagamentos.

“Os requerentes tentaram, dentro do que foi possível, buscar esclarecimentos e resolver todas as dúvidas junto à diretoria, mas como se constata, não houve e não há vontade de resolver a questão, ficando, nós conselheiros, alijados das decisões da diretoria, à revelia do que o próprio Regimento Interno e geral da OAB nos assegura e determina que façamos, em razão da nossa condição de fiscais da instituição que representamos”, narraram.

O secretário-geral da OAB-GO, Júlio César Meirelles, disse que os questionamentos feitos pelos conselheiros foram respondidos no Portal da Transparência que o Conselho Seccional já disponibiliza em seu site e que o encaminhamento trata-se apenas de “fato requentado”.

Para Júlio César, é desnecessária a exigência de auditoria externa porque já é condição cumprida pelas gestões da OAB por ser determinação do Conselho Federal. Ele disse que se for necessário contrair novos empréstimos, isso será levado ao conhecimento dos conselheiros para deliberação.

Presidente da OAB-GO, Enil Henrique: prestações de contas haviam sido aprovadas pelo Conselho Seccional(Foto: divulgação)
Presidente da OAB-GO, Enil Henrique: prestações de contas haviam sido aprovadas pelo Conselho Seccional(Foto: divulgação)
Conselheiro Alex Neder
Conselheiro Alex Neder
Conselheiro Jorge Jungmann
Conselheiro Jorge Jungmann
Conselheiro Mauracy Andrade
Conselheiro Mauracy Andrade

Comentários

Mais de Política & Justiça