Política & Justiça

Dilma diz que corte não será “excessivo” nem “flexível demais”

Governo tem até sexta-feira (22) para anunciar valor do corte no Orçamento. Para Dilma, valor será o necessário para contas públicas “entrarem nos eixos”

diario da manha

 

Filipe Matoso Do G1, em Brasília

A presidente Dilma Rousseff afirmou, na terça-feira (19), que o contingenciamento, nome técnico para o corte no Orçamento da União, não será “excessivo” nem “flexível demais”. O governo tem até a próxima sexta-feira (22) para anunciar o valor do contingenciamento. O corte consiste em retardar ou inexecutar parte da programação de despesas previstas na Lei Orçamentária.

Na segunda-feira (18), o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse que o bloqueio deverá ficar entre R$ 70 bilhões e R$ 80 bilhões. O tamanho do corte tem a ver com a tentativa do governo de reequilibrar as contas públicas e atingir a meta do superávit primário – economia feita para pagar juros da dívida pública –, fixada em 1,2% do PIB para este ano.

Em entrevista após se reunir com o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, a presidente declarou que o bloqueio será do tamanho “necessário” para garantir que as contas públicas “entrem nos eixos”.

“Nós faremos o contingenciamento necessário. Ele é um contingenciamento que tem de expressar a situação fiscal que o País vive. Será o contingenciamento necessário, vocês podem ter certeza. (O corte) não será nem excessivo, porque não tem porquê, e nem flexível demais, no sentido de ser frágil demais. Será aquele necessário para garantir que as contas públicas entrem nos eixos”, declarou a presidente

O Orçamento deste ano prevê receita líquida de R$ 1,2 trilhão (21,9% do PIB) e as despesas primárias totais – sem contar gastos com juros e amortização da dívida – são de R$ 1,1 trilhão (20,9% do PIB).

 

Divergências

A presidente Dilma tem feito reuniões com a equipe econômica do governo para definir o tamanho do corte. Dentro do próprio governo, há divergência sobre o valor que deverá ser bloqueado.

Aqueles que defendem um corte maior, alegam que a economia é necessária para equilibrar as contas publicas. Os defensores de um bloqueio menor temem que o contingenciamento excessivo possa paralisar programas e investimentos do governo.

Após reunião do conselho político, no Palácio do Planalto, na segunda-feira (18), o líder do governista no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), afirmou que a cúpula do governo fará reuniões até a quinta para definir o valor do corte.

Segundo o Blog da Cristiana Lôbo, a reunião do último fim de semana evidenciou o embate entre o titular da Fazenda, Joaquim Levy, e o chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, em torno do tamanho da tesourada.

Levy se esforça para ampliar ao máximo o corte, enquanto que o ministro da área política tenta reduzir o contingenciamento. Inicialmente, Levy defendia um corte de R$ 80 bilhões, e Mercadante, R$ 60 bilhões.

Comentários

Mais de Política & Justiça