Política & Justiça

Marcha levanta bandeira do impeachment

Da redação

diario da manha

 

Hoje, às 9h, a Marcha pela Liberdade, organizada pelo Movimento Brasil Livre, vai interromper o tráfego da BR-153, em Goiânia, e levantar a bandeira do impeachment. O ato é emblemático e antecipa a chegada a Brasília, quando vão protocolar uma pauta de 10 reivindicações no Congresso Nacional.

A descoberta de que a denúncia de Jonathan Taylor, ex-diretor da SBM Offshore, sobre o pagamento de US$ 139 milhões em propina para diretores da Petrobras foi encoberta pela Controladoria Geral da União (CGU) –  para não prejudicar a eleição da presidente Dilma Rousseff, reforça a importância do movimento.

Enquanto caminha de São Paulo a Brasília, a Marcha pela Liberdade vem somando a cada dia mais apoio ao movimento. Com o intuito de protocolar, em Brasília, uma pauta com 10 reinvindicações surgidas das maiores manifestações populares, o movimento assiste à consolidação de sua principal meta: o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Com o apoio dos juristas Ives Gandra Martins e Dalmo de Abreu Dallari e seus pareceres favoráveis por violação da probidade da administração pública e crime de responsabilidade e irregularidades ocorridas na Petrobras e em outros órgãos públicos, não há mais o que esperar.

Além dos juristas, a tese de impeachment tem a simpatia dos líderes na Câmara Carlos Sampaio (PSDB), Rubens Bueno (PPS) e Mendonça Filho (DEM), Paulinho da Força (Solidariedade). Além dos Senadores Antonio Anastasia, Lasier Martins, Ricardo Ferraço, Ronaldo Caiado, dos deputados Bruno Araújo, Onyx Lorenzoni entre outros para protocolar o pedido de impeachment no dia da chegada da Marcha pela Liberdade no Congresso Nacional, dia 27 de maio de 2015.

Outros movimentos populares, como União BR integrada por Movimento Brasil Livre, Revoltados On-Line, Acorda Brasil, Quero Me Defender, Avança Brasil, Foro de Brasília entre outros, já manifestaram o apoio à marcha e ao documento a ser entregue no Congresso.

Inspirada em grandes movimentos populares, como a “Marcha de Washington”, liderado por Martin Luther King, a “Marcha pela Liberdade”, organizada pelo  Movimento Brasil Livre (MBL) vai percorrer 1.007 km em 33 dias, para entregar ao congresso uma pauta de reivindicações contra corrupção, fim da fraude orçamentária e a principal, o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O MBL é uma entidade apartidária que visa mobilizar cidadãos em favor de uma sociedade mais livre, justa e próspera. Tem sido um dos principais organizadores dos protestos contra o governo que levaram milhões de pessoas às ruas em diversas cidades do Brasil, em 15 de marco e 12 de abril. Agora, a ideia é fazer um grande ato no Centro do Poder no próximo dia 27 de maio.

 

MANIFESTO

O povo brasileiro foi às ruas nesse ano e protagonizou as duas maiores manifestações políticas da história do País. Nas duas vezes, deixou bem claro que o que quer é o fim do autoritarismo, o fim da corrupção como método de governo e o fim do governo Dilma Rousseff. As bases do Palácio do Planalto foram abaladas e hoje a presidente só é apoiada por 13% da população. Ainda assim, os congressistas se recusam a representar aqueles que os elegeram, se recusam a ouvir a voz das ruas.

Por conta disso, torna-se urgente o agravamento das ações políticas por parte dos grupos envolvidos no combate ao governo petista. O Movimento Brasil Livre faz sua parte e convoca os brasileiros a marcharem até Brasília para mostrar aos políticos que a população cansou de ser pautada por eles, que eles devem representar os anseios populares e que serão responsabilizados caso sejam omissos.

Comentários