Política & Justiça

PMDB julga posição de Friboi em 22 de junho

diario da manha

 

A Comissão de Ética do PMDB marcou para o dia 22 de junho o julgamento que pode resultar na expulsão do empresário Júnior do Friboi.  Aconteceu ontem uma audiência de instrução na sede do Diretório Estadual do partido, em Goiânia, onde três testemunhas, uma de acusação e duas defesa, foram ouvidas.

Controlada com mão de ferro pelo ex-ministro Iris Rezende, a direção do partido caminha para excluir o magnata dos quadros da legenda. Friboi é acusado de infidelidade partidária porque, preterido na escolha do candidato ao governo de Goiás nas eleições de 2014 (o escolhido, obviamente, foi Iris), manifestou apoio ao tucano Marconi Perillo, que reelegeu-se, arquirrival de Rezende no Estado.

Segundo o advogado de Friboi, Felipe Melazzo, a defesa terá dez dias, a contar a partir desta terça-feira (19), para apresentar as razões finais a favor do empresário. Com a argumentação entregue, caso nenhum membro da Comissão de Ética peça vistas do processo, o julgamento deverá ocorrer em 22 de junho.

As testemunhas de defesa Rodrigo Terra e Francisco Bento argumentam que a acusação tem argumentos frágeis para sustentar a expulsão de Friboi. “Se o julgamento for político e tiver orientação de atores externos que comandam o partido há muitos anos, ele vai por um lado. Agora, se o julgamento for isento e for embasado na verdade, nos fatos que estão realmente postos, nós enxergamos e entendemos que vai dar na absolvição do Júnior”, defendeu Terra.

“A base de um partido é o estatuto, o programa e o código de ética, são as normas que estruturam o partido. Se a gente ignora isso, acabou”, resumiu Durval Mota, autor da representação contra o empresário, ainda ao semanário goiano.

Se a maioria dos votantes decidir pela expulsão, Júnior Friboi ainda poderá recorrer ao diretório nacional do PMDB. Friboi chegou ao PMDB após deixar o PSB, em 2013, antes de se fechar a janelas das trocas partidárias, pelas mãos do presidente nacional do partido, Michel Temer.

O engenheiro agrônomo Durval Fernandes Mota reafirmou sua disposição de colocar para fora dos quadros do PMDB o empresário Júnior Friboi. Ele é o autor da representação para o Conselho de Ética do PMDB em que Júnior é acusado de ferir o Estatuto do partido ao apoiar uma candidatura contrária à do PMDB nas eleições de 2014.

De acordo com Durval quando Júnior Friboi tinha espaço no PMDB ele ignorou essa prerrogativa e preferiu apoiar o governador Marconi Perillo em detrimento do candidato peemedebista, Iris Rezende. “Para mim esse senhor é sem qualquer noção de política, porque ele não respeita democracia interna, estatutos e discussões. Ele é mais acostumado com negócios e valores que ele coloca em suas propriedades, e isso não é política”.

Comentários