Política & Justiça

Partidos de olho no interior

diario da manha

Faltando um mês para conclusão de filiações e desfiliações partidárias para os que vão disputar as eleições municipais em 2016, os partidos já iniciam discussões, fortalecimento de legendas e estruturas de chapas com pré-candidatos visando prefeituras. Nesta fase, enquanto algumas siglas já possuem uma organização mais definida para a disputa e um projeto eleitoral mais elaborado, outras ainda não determinaram todas as diretrizes para o próximo ano.

Apesar de várias legendas já terem traçado um linha objetiva para as eleições, entre as legendas ainda cabem uma sondada, diálogos, aproximações ou recuos.  Na política, o cenário pode mudar com grande frequência ou em poucas horas, o que pode definir o cenário eleitoral. Os interessados em disputar aos cargos de vereador e prefeito têm até o dia 2 de outubro deste ano para pedir filiação.

A cerca de um ano para as eleições de 2016, o Diário da Manhã buscou as lideranças políticas dos partidos menores do Estado de Goiás para saber como andam as articulações e estrutura para a disputa. Embora ainda tenham tempo para o lançamento oficial das candidaturas, em um primeiro momento, as lideranças partidárias demonstram que já possuem projeções e pré-candidaturas que oferecem suporte para trilhar o caminho eleitoral nos municípios goianos.

 

Pros

Desde o início do ano o Partido Republicano da Ordem Social (Pros), presido por Rodrigo Melo, vem percorrendo várias regiões do Estado de Goiás em busca de alavancar a representatividade nos municípios. Cerca de 14 encontros regionais foram realizados buscando estruturar as chapas de pré-candidatos a prefeitos e vereadores em Goiás. O Pros foi homologado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2013 e em dois anos conseguiu crescimento gradativo em articulação e presença política no Estado.

Nas últimas eleições e a primeira em disputa, a legenda fomentou as filiações e para 2016 pretendem lançar candidato próprio à Prefeitura de Goiânia. Em Goiás, o partido possui 6 prefeituras, além de 8 vice-prefeitos e conforme sustenta o presidente, mediante o trabalho desenvolvido pelo partido, a intenção é aumentar para 30. O presidente estadual da legenda, Rodrigo Melo, diz que o Pros tem um projeto político que será fortalecido junto aos municípios com a discussão de formação de chapas e estruturação da sigla. Rodrigo Melo garante que o panorama eleitoral do partido e as perspectivas de candidaturas foram debatidos durante encontros regionais. “O momento é de reforçar a filiação e trazer para o partido lideranças que possam disputar a eleição”

PSDC

O presidente estadual do Partido Social Democrata Cristão (PSDC), Alexandre Magalhães, garante que a legenda já tem mais de 60% das provisórias definidas em Goiás. Segundo ele, o PSDC caminha de forma independente e deixa claro que não está na base do governo estadual. Desta forma, o presidente salienta que o diálogo para possíveis coligações nas eleições municipais está aberto. Cerca de 150 municípios já têm estrutura definida com pré-candidatos, conforme afirma.

Alexandre Magalhães pondera que o partido pretende aderir sustentação para as eleições de 2018. Em Goiânia, o presidente afirma que foram colocadas condições para as filiações no partido com o intuito de apresentar candidatos e chapas igualitárias. De acordo com ele, não serão aceitas filiações de pessoas com alto poder financeiro ou “estrelas” de futebol, ou ex-vereadores. Na Capital, Alexandre Magalhães pontua que o partido ainda não definiu se terá candidato próprio ou se apoiará outro projeto político à prefeitura.

 

PHS

O Partido Humanista da Solidariedade (PHS) deve empossar o novo presidente estadual da sigla na próxima sexta-feira (4). O deputado estadual Jean Carlo assumirá a legenda com metas definidas para as disputas municipais. Conforme explica, a sigla já possui comissões em todos os municípios goianos com condições fechadas de apoio a base governista, além de ter que respeitar as regras partidárias.

Jean Carlo salienta que o PHS deverá lançar de 20 a 25 candidaturas às prefeituras de Goiás para eleger de 6 a 8 prefeitos. Já em Goiânia, o projeto do partido está definido em apoio à candidatura do presidente da Agetop, Jayme Rincón, possível candidato do PSDB apoiado pelo governador Marconi Perillo (PSDB).

 

PRTB

Denes Pereira, presidente estadual do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), afirma que a sigla deu um salto considerável nas últimas eleições de 2014. Segundo ele, houve o lançamento de dezenas de candidatos, o que rendeu quase 100 mil votos para os candidatos a deputados estadual e federal. Para o cenário municipal de 2016, o presidente diz que cerca de 30 candidatos a prefeito devem ser lançados em Goiás. Ele garante que os partidos não devem prezar apenas pela quantidade, mas, principalmente, pela qualidade dos políticos que o representam.

Apenas no nordeste goiano, Denes Pereira garante que o PRTB terá 10 candidatos a prefeito.  De acordo com o presidente, a legenda tem um histórico de crescimento e, em evidência, pela candidatura à presidência da República de Fidélis. Em Goiânia, ele garante que 70 candidaturas à Câmara Municipal estão garantidas e que há projeção para o Entorno do Distrito Federal e região metropolitana. Denes Pereira afirma que é importante o partido ter conhecimento do Estado para possibilitar maior representatividade política.

Jean Carlo (PHS): presença em todos os municípios goianos
Jean Carlo (PHS): presença em todos os municípios goianos
Alexandre Magalhães (PSDC): 60% das comissões provisórias
Alexandre Magalhães (PSDC): 60% das comissões provisórias
Rodrigo Melo (Pros): 14 encontros regionais para motivar lideranças
Rodrigo Melo (Pros): 14 encontros regionais para motivar lideranças

Comentários

Mais de Política & Justiça