Política & Justiça

Adiada votação para cassação de Renato de Castro

diario da manha
Renato de Castro: condenado por uso de caixa 2 nas eleições de 2016

O Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) deverá rea­lizar a votação do processo que pode cassar o prefeito e o vice de Goianésia, Renato de Castro (PMDB) e Carlos Gomes (DEM), somente no próximo ano, após o retorno do recesso. Na última segunda-feira, 18, o juiz Lucia­no Mtanios Hanna pediu vista do relatório e a sessão foi sus­pensa, sendo a votação adiada. O relator do processo, juiz Fabia­no Abel de Aragão, em seu rela­tório foi favorável à cassação do prefeito, mas sem deixá-lo inele­gível. Com o pedido de vista do juiz Luciano Mtanios Hanna, o recurso eleitoral continua sem decisão. Ainda não há data de­finida para nova votação.

Renato de Castro e Carlos Go­mes são acusados de suposto caixa dois durante a campanha eleitoral de 2016. Sob o número de 0000932-43.2016.6.09.0074, protocolado em 29 de dezembro de 2016, o processo de ação de impugnação de mandato eleti­vo segue sob segredo de Justiça e a última atualização, na tarde de ontem, consta que os autos foram devolvidos para o gabi­nete de juiz de direito 01, sen­do adiado e sem decisão.

O suposto caixa dois na cam­panha se deve em relação a no­tas promissórias supostamen­te emitidas pelo vice-prefeito ao coordenador da campanha e pai de Renato de Castro, Manoel de Castro Arantes – o Fião de Cas­tro. Em janeiro de 2017, quando o Ministério Público (MP) iniciou investigação de prefeito e vice, Carlos Gomes concedeu entre­vista ao Diário da Manhã escla­recendo que não foi o autor da denúncia, como havia sido no­ticiado pela mídia, e que foi no­tificado pelo MP para compare­cer e para prestar depoimento, por duas vezes.

 

Renato de Castro e Carlos Gomes são acusados de suposto caixa dois durante a campanha eleitoral de 2016

 

Comentários