Política & Justiça

Lava-Jato investiga pagamentos de propina a ex-ministros

Nova operação Lava-jato nesta quarta-feira investiga Ministros e publicitários envolvidos em recebimento de propina, segundo denúncia do empreiteiro Marcelo Odebrecht

diario da manha

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira, (21/8), a 63ª fase da Operação Lava-Jato. A operação denominada Carbonara Chimica visa cumprir dois mandados de prisão temporária e ainda 11 mandados de busca e apreensão em São Paulo e na Bahia.

Os mandados foram expedidos pela 13ª. Vara Federal de Curitiba (PR) que investiga os supostos pagamentos periódicos por parte da empreiteira Odebrecht a dois ex-ministros identificados na planilha da empreiteira como “Italiano” e “Pós-Itália”.

Marcelo Odebrecht afirmou, em depoimento, que “Italiano” era o codinome usado para o ex-ministro Antônio Palocci e “Pós-Itália” era usado para Guido Mantega.

Casal de publicitários também é alvo é investigado na 63ª fase da Operação Lava-Jato

Também está sendo investigado um casal de publicitários que teria recebido parte dos valores recebidos, como forma de despistar a origem do dinheiro. Por ordem judicial todos os investigados terão seus ativos financeiros bloqueados, no valor de R$ 555 milhões.

De acordo com a Polícia Federal, o pagamento da propina tinha como objetivo a aprovação de Medidas Provisórias que geraram um novo refinanciamento de dívidas fiscais .

Os presos serão levados para a sede da PF em São Paulo, e devem ser trasladados para a Superintendência do Paraná, onde serão interrogados.

*Com informações do Correio Braziliense

Comentários