Saúde

Sobe o número de mortes por H1N1 no Distrito Federal

diario da manha

Mais quatro mortes causadas pelo vírus H1N1, são confirmadas pelo boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, divulgado nessa sexta-feira (26). Segundo o levantamento de 1° de janeiro a 20 de julho, sete pessoas morreram somente este ano no DF, por causa da doença.

No primeiro semestre de 2019, três óbitos e 40 casos, já teriam sidos confirmados. Mas com a nova atualização, os dados passaram a representar um aumento de 133%. Em nota, a Secretaria de Saúde informou que a campanha de vacinação contra a gripe, imunizou 725.968 pessoas, somente esse ano, um total de 92%. Atualmente existem 71 casos de contaminação por esse tipo de vírus.

O primeiro óbito aconteceu no mês de maio, em um hospital da rede privada e, segundo um informativo, a paciente teria contraído o vírus no Rio de Janeiro, durante uma viagem, período em que os sintomas da gripe apareceram na idosa, de 83 anos.

O segundo caso também aconteceu no mês de maio, quando uma criança de 5 anos de idade, que possuía imunodeficiência acabou indo a óbito. Já o terceiro caso foi de um jovem de 23 anos que, segundo a pasta, não tinha nenhum fator de risco para complicações.

De acordo com a Secretaria o caso mais recente é o de uma mulher adulta que deu entrada ao hospital com câncer e problemas nos pulmões, considerados fatores de risco. Uma idosa que sofria de epilepsia e lúpus, doença que ataca o sistema imunológico, foi o quinto óbito registrado.

Em comparação com 2018 o número de contaminação pelo vírus H1N1 diminuiu

Os últimos óbitos registrados até 20 de julho foram o de um homem, também idoso, diagnosticado com diabetes e o de uma criança de três anos que não era vacinada contra a Influenza.

Em 2017, não houve caso confirmado de H1N1 no DF. Mas o número de casos de contaminação pelo vírus diminuiu, em comparação com o do ano passado. Segundo o boletim divulgado no primeiro semestre de 2018, foram registrados 60 casos, com quatro óbitos, além disso, no fim do ano, o número de infectados chegou a ser 72 e o número de mortes subiu para seis.

Com informações do G1

Comentários

Mais de Saúde