Tecnologia

Realidade virtual e saúde misturados em jogo na CPGoiás

O jogo é sobre tratamentos fisioterapêuticos, desenvolvido para pacientes com dificuldade motora

diario da manha
Foto: Carlos José

Jogos de realidade virtual hoje em dia não é mais só para geeks. Na Campus Party Goiás 2019, as novas tecnologias e destaques ganham holofote no maior evento de imersão tecnológica do mundo. Um dos jogos em específico está chamando atenção do público.

A mistura da realidade virtual com saúde parece pouco provável, porém deu muito certo. O jogo criado por Francinei França e seu professor Rafael, trazem para a CPGoiás um game que propõe a junção de entretenimento e cuidado com o corpo. A equipe atualmente conta somente com os dois, mas em breve haverá os futuros alunos do curso técnico de informática que vai abrir no ITEGO.

O jogo é sobre tratamentos fisioterapêuticos, desenvolvido para pacientes com dificuldade motora. E então, eles utilizaram a realidade virtual para auxiliar esses pacientes no tratamento de fisioterapia.

Foto: Carlos José

“Minha esposa é fisioterapeuta e a ideia do projeto veio dela, baseado em seus estudos. Ela tinha muita dificuldade de lidar com as crianças, porque os exercícios muitas vezes eram tediosos devido às várias repetições. Então ela pensou na ideia de trazer um game para entreter as crianças e facilitar o trabalho de fisioterapia desses profissionais” contou Francinei.

Todo o financiamento do projeto de jogo virtual é feito pelo Instituto Tecnológico do Estado de Goiás (ITEGO). No mês passado, o Governo de Goiás anunciou 10 mil vagas para cursos técnicos da rede e projetos em parceira com o Sebrae.

Por que criar jogos de realidade virtual?

A realidade virtual está cada vez mais presente na medicina e suas possibilidades – e vantagens – ainda estão sendo descobertas aos poucos, mas já se mostram muito promissoras. Segundo os criadores do jogo “saudável”, a realidade virtual facilita como por exemplo, crianças, a lidarem melhor seus problemas e desafios.

“Os jogos de realidade virtual transportam as pessoas para um ambiente novo. E isso facilita a interação com as crianças por exemplo, logo, ao mesmo tempo em que a criança está na clínica fazendo tratamento, ela também estará em um “mundo de diversão”. Logo, tornando a vontade de querer prosseguir no tratamento, maior” afirma o idealizador do game.

Comentários

Mais de Tecnologia

5 de julho de 2019 as 15:27

Goiânia sediará o Mobility & Show 2019

9 de fevereiro de 2019 as 20:23

A invenção do Game Boy