UFG é referência no estudo das Histórias em Quadrinhos como expressão artística

O artista e professor Edgar Franco, da Faculdade de Artes Visuais, tem atraído alunos

Postado por Tatiane Barbosa em 29 de Janeiro de 2016 às 22h46
Atualizado em 29 de Janeiro de 2016 às 22h53
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Dia 30 de janeiro é comemorado o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos. Graças ao trabalho do professor e pesquisador Edgar Franco, a Universidade Federal de Goiás (UFG) é referencia nacional quando se trata de estudos das Histórias em Quadrinhos como expressão artística. Um dos principais objetivos do pesquisador é acabar com a ideia de que quadrinhos são coisa de criança.

Sua pesquisa é voltada para os quadrinhos autorais, pois utilizam HQ`s como linguagem para expressão artística, o que difere dos comerciais que visam suprir as demandas do mercado de entretenimento. Outro tema de pesquisa de Edgar Franco e de seus orientandos é o chamado de poético-filosófico. Trata-se de um gênero de quadrinhos genuinamente brasileiro.  “Eu defendo os quadrinhos como uma genuína e poderosa forma narrativa de expressão artística”, explica.

HQtrônicas: do suporte papel à rede Internet

Desde 1996, o professor investiga sobre o assunto, o que desenvolveu para uma pesquisa pioneira no mundo. Tantos anos de dedicação resultaram em um livro “HQtrônicas: do suporte papel à rede Internet”, que é referência nacional tanto para pesquisa de trabalhos de conclusão de curso quanto para doutorado.

Em seu livro, Franco criou o termo ‘HQtrônicas’ para se referir aos quadrinhos que possuem novos elementos como sons, trechos animados e narrativa multilinear. Em parceria com Danielle Barros (Fiocruz/RJ), criou também o neologismo ‘HQforismo’ que denomina uma nova forma narrativa que une elementos dos quadrinhos às sentenças aforísticas.

Troféu HQmix 2014

Edgar Franco foi único goiano indicado ao Troféu HQmix 2014, “Oscar dos Quadrinhos”, com a obra BioCyberDrama Saga, publicado pela Editora UFG, em 2013. Conforme o pesquisador, nunca uma editora de universidade federal havia publicado uma história em quadrinhos nesse formato.

Num universo ficcional transmídia, criado por Franco, a história apresenta cerca de cem personagens e discute as interações do humano com as novas tecnologias. Além disso, discorre  sobre as futuras possibilidades da biotecnologia, robótica e nanotecnologia. O álbum inclui também 50 páginas de introdução sobre os 13 anos de pesquisa que resultaram na criação da obra.