Agricultura

Em janeiro as exportações de carne suína seguem recuo no preço pago pela tonelada da proteína brasileira

China se afasta do mercado e as preocupações aponta queda nos preços e ao mesmo tempo o custo de produção sobem

diario da manha
(pexeels)

As exportações da carne suína em janeiro registraram queda no preço, de acordo com as informações da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Governo Federal. As carnes suínas frescas, congeladas ou resfriada na terceira semana de janeiro (15 dias úteis) seguem com queda no preço pago pela tonelada do produto.

Segundo o analista da SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o desempenho vem caindo e a China está reduzindo o seu ritmo de importações e não tem muitos outros mercados em que o Brasil possa se apoiar e que se equipare à China. “ Agora, infelizmente, parece cena de final de festa. O que mais preocupa é essa queda de preço acontecendo ao mesmo tempo com o repique nos custos de produção”, disse.

No mês de janeiro, a receita obtida com as exportações de carne suína foi de US$ 109.215,213. No caso do volume embarcado, as 49.327,464 toneladas são 88,4% do total exportado em janeiro do ano passado, quantia de 55.798,98 toneladas.

O faturamento médio diário por enquanto foi de aproximadamente US$ 7.290,658 quantia 6,27% maior do que relacionado a janeiro de 2021. No comparativo com a semana anterior, houve uma queda de 8,0%.

As relações das toneladas por média diária foram de 3.288,497%, houve um avanço de 17,87% no comparativo com o mesmo mês de 2021.  Quando comparado ao resultado no quesito da semana anterior, observa-se recuo de 9,09%,

Já o preço paga por tonelada foi de, US$2.217,018 neste janeiro, é 9,84% inferior ao que foi praticado em janeiro passado. O resultado, frente ao valor atingindo na semana anterior, representa alta de 2,13%.

Comentários