Aparecida de Goiânia

Novo polo aeroportuário da Grande Goiânia já está em obras

A área do aeródromo terá 209 hectares, com um projeto voltado para aviação de negócios, manutenção e operações logísticas

diario da manha
Foto: Antares Polo Aeronáutico

O novo polo aeroportuário brasileiro já começou a ser construído em Aparecida de Goiânia, e será o primeiro do tipo no Centro-Oeste.

As obras do Antares Polo Aeronáutico começaram no dia 15 de julho e estão na etapa de terraplanagem. A execução das atividades serão realizadas em quatro fases.

A primeira etapa está prevista para ser finalizada em 2024, com a pista de pouso já em funcionamento, 72 lotes entregues de um total de 455 previstos até o projeto final. Estão previstos também as áreas de embarque e desembarque e toda infraestrutura essencial para os hangares.

A dimensão dos hangares pode varias entre 1.000 m² e 1.500 m², de acordo com a necessidade do proprietário e do tamanho da aeronave. A água e energia serão oferecidos nos hangares em 2023.

Empresas como Quick Aviação, Agrícola Cunha, H.Egídio Group, Sementes Santa Fé, Grupo Tecnoseg e Andreia Dourado já adquiriram lotes no Antares. Outras fases do processo ainda estão sendo projetadas.

Produção gráfica do projeto. (Fonte: Antares Polo Aeronáutico)

A pista de pouso, que conta com uma área de 54.000 m², estará apta a receber todos os modelos de aviação geral, jatos executivos, monomotores e bimotores.

“Existe um estudo em curso para alargar a pista para aumentar a operação do aeroporto e receber aeronaves maiores”, disse Breno Luiz Rojas, gestor responsável pela obra.

Serão utilizadas 4.500 toneladas de Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ) na pista, um dos revestimentos mais aplicados em vias urbanas e rodovias brasileiras. “O uso do material agrega em termos de qualidade e é o que mais existe de moderno em pistas de aeroportos pelo Brasil”, disse o gestor.

Em relação à sustentabilidade, Breno explica que estudos foram realizados para o reaproveitamento da chuva na obra. “Toda a área do empreendimento nos torna autossustentáveis. Estamos desenhando um projeto para verificar se é viável financeiramente aplicar uma tecnologia de reaproveitamento da água”, afirmou.

Segundo o engenheiro civil Thiago da Cunha Brasileiro, serão abertas por volta de 50 vagas de emprego na região.

Atualmente, o time de profissionais é composto por: um engenheiro civil, um encarregado geral, dois operadores de escavadeira hidráulica, dois operadores de motoniveladora, dois operadores de pá carregadeira, oito operadores de rolo compactador, quatro motoristas de caminhão pipa, um motorista de caminhão comboio, 10 motoristas de caminhão basculante, dois apontadores, um técnico de segurança, um greidista e um profissional da área administrativa.

*Com informações de AEROIN

Comentários