Brasil

Ativistas ambientais jogam tinta preta na entrada do Palácio do Planalto

Na manhã desta a quarta-feira (23/10) ativistas ambientais do Greenpeace jogaram tinta preta na entrada do Palácio do Planalto, em Brasília. O protesto é contra o governo que tem que conter o óleo despejado no mar e praias nordestinas. Tambem simularam queimadas na Amazônia.

diario da manha
Foto: Reprodução

Na manhã desta a quarta-feira (23/10) ativistas ambientais do Greenpeace jogaram tinta preta na entrada do Palácio do Planalto, em Brasília, O ato simbolizava as manchas de petróleo que desde setembro estão poluindo mar e as praias nordestinas. Os manifestantes também simularam queimadas na Amazônia.

Usando roupas pretas, o grupo posicionou barris com óleo e tinta preta, em frente à sede da Presidência da República e espalharam areia sobre uma lona azul, para representar o mar. Em seguida, despejaram o líquido do barril para representar o petróleo, jogado no mar.

Por volta das 10h30, 17 ativistas foram detidos e levados para delegacia DF Legal. De acordo com a polícia técnica, o Greenpeace deve responder por “descarte irregular de resíduo em área pública e pagar multa.”

Durante o ato, imagens retrataram o desmatamento e as queimadas que atingem a Amazônia. As fotos alternavam com frases como “Brasil manchado de óleo” e “Pátria queimada Brasil”. Os manifestantes também empilharam galhos de árvores que restaram de incêndios ocorridos na Amazônia Legal. Os troncos foram amarrados nas cercas do Palácio do Planalto.

Segundo o porta-voz de uma ONG ambiental, Tiago Almeida, o objetivo do ato é “chamar a atenção das autoridades e da população para a importância da gestão responsável dos recursos ambientais”.

“O governo precisa colocar em prática, de maneira efetiva e correta, o Plano Nacional de Contingência, combater esse óleo e proteger as populações que estão sendo afetadas. As pessoas estão colocando a própria saúde em risco. Precisamos encontrar o local de origem desse óleo e entender o que está acontecendo,” disse.

Com informações do G1

V

Comentários