Brasil

40% dos bares e restaurantes não conseguirão reabrir, em Cuiabá

Esses grupos foram os primeiros a sentir o impacto no faturamento e estão dentre os últimos a retomar o funcionamento

diario da manha

O Isolamento social causado pela pandemia do coronavírus, deve retratar o fim das atividades comerciais para cerca de 40% dos bares, restaurantes e outros estabelecimentos semelhantes, em Cuiabá. Desde março, esses grupos foram os primeiros a sentir o impacto no faturamento e estão dentre os últimos a retomar o funcionamento. 

A presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-MT), Lorenna Bezerra, afirmou que os restaurante já sentiam a crise da pandemia antes do decreto do isolamento social. Segundo ela, as pessoas estavam entendendo que era para evitar aglomeração e frequentavam menos os estabelecimentos

A Capital tem cerca de 20 mil bares, restaurantes, casas noturnas e outros estabelecimentos semelhantes, segundo a Abrasel, há mais de um mês o tempo de vida para eles já expirou.

A empresária, Paula Borges, abriu seu gastrobar e rotisserie em fevereiro, um mês antes do primeiro decreto de isolamento social no município. Portanto, ela afirma que, com as portas fechadas e perda de 60% do faturamento, ela teve que dispensar 70% da equipe. “Estamos com delivery, mas o que recebemos não cobre nossos custos fixos, mais todo o investimento que deve ser pago mensalmente”, afirma.

O dono de uma choperia, afirmou que tem sérias preocupações a respeito do retorno das atividades. Segundo ele, o contrato de 100% da equipe foi suspenso, além do pagamento dos aluguéis e outras despesas. “Estamos sem reserva alguma. Só de estoque perdido o prejuízo passou de R$10 mil”, expõe.

O empresário, Fabrício Diego, que é dono de um restaurante, explica que suspendeu 90% dos funcionários e, para tentar sobreviver, teve que adiar os compromissos. Segundo ele, fornecedores de luz, água, entre outros, ficaram sem previsão, mas conseguiu pagar os salários dos colaboradores para que tenham o que comer em casa.

*Com informações do Livre

Comentários