Brasil

Maia critica Pazuello e diz que gestão do "ministro da Saúde é um grande desastre para o país"

O presidente da Câmara dos Deputados ainda disse que falta sensibilidade a Eduardo Pazuello e ao presidente Jair Bolsonaro e ressaltou a ansiedade da população é normal, diante do cenário causado pela Covid-19

diario da manha

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou nesta quarta-feira (16/12) a gestão do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e ressaltou que os militares estão preparados para comandar, mas não para liderar, apesar de suas competências. Segundo Maia a atuação de Pazuello é desastrosa para o país.

“O ministro da Saúde é um grande desastre – para o país, primeiro, e para o governo. No momento da pandemia, o Ministério da Saúde como está… É o país quem vai pagar a conta”, declarou o presidente da Câmara durante um café da manhã com jornalista na residência oficial do parlamentar.

Maia ainda criticou a falta de um plano de logística organizado para vacinar a população e ironizou o fato de Pazuello ser o “forte da logística”, mas que no entanto ainda não fez nenhuma proposta para essa questão.

“Acho que ele pode, sem dúvida nenhuma, além de prejudicar muito a imagem do Exército, ele pode comprometer muito, com essa falta de organização, com essa incompetência, tanto a solução para a vacina quanto a solução para esse movimento, esse aumento no número de infectados e de mortos, que precisaria de uma articulação melhor e de melhor qualidade entre governo federal, estados e municípios”, disse.

Nesta quarta-feira, o governo apresentou um plano de vacinação contra a Covid-19, porém datas para dar início aos trabalhos de imunização ainda não foram informadas.

O parlamentar ainda salientou que a ansiedade da população é normal, diante da quantidade de mortes e dos problemas que o isolamento social gera, direcionando a fala a postura do presidente Jair Bolsonaro e de Pazuello.

 “A ansiedade é correta e o que falta ao governo, ao ministro da Saúde e ao presidente é sensibilidade para entender que as condições que temos não é a mesma de milhões de brasileiros”, disse Maia.

Comentários