Brasil

Por fraude na vacinação contra Covid-19, MPE pede prisão do Prefeito de Manaus

Além do Prefeito, o MPE pediu também a prisão da secretária de Saúde e o afastamento dela e do chefe do executivo municipal de seus respectivos cargos

diario da manha
Foto: Reprodução

O prefeito de Manaus, David Almeida, e a secretária municipal de Saúde, Shadia Fraxe, tiveram suas prisões pedidas pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE) na última segunda-feira (25) pelas irregularidades na vacinação contra a Covid-19 e favorecimento de pessoas que furaram a fila do grupo de risco para receber o imunizante. Além de pedir a prisão do prefeito e da secretária, o MP pediu também que os dois sejam afastados de seus cargos.

O documento que pede a prisão dos dois gestores, pede ainda que sejam cumpridos mandados de busca e apreensão e foram assinados pelo Procurador Geral do MPE e encaminhado para a justiça do Amazonas.

Segundo o órgão foram registradas fraudes na fila de prioridades em meio a campanha de vacinação contra Covid-19, e a contratação irregular de 10 médicos.

Prefeito de Manaus se manifestou por meio de nota e afirmou estar indignado com a ação do órgão

O prefeito David Almeida divulgou uma nota na qual afirma estar indignado com a atuação do MP, e que vai recorrer contra as medidas. O gestor diz também que não existe desvio de recurso público ou algum ato que possa ter causado dano aos cofres da Prefeitura.

Para o MPE, durante a campanha de vacinação, a Prefeitura foi omissa no planejamento e execução da mesma, o que facilitou o desvio do medicamento para atender a interesses particulares do prefeito e de toda cúpula da Secretaria Municipal de Saúde; doses da vacina foram usadas de maneira irregular, inclusive com uma lista que mostra as irregularidades tendo sido enviada ao Tribunal de Contas do Estado do Amazonas pela Prefeitura de Manaus; a lista mostra que nenhum dos nomes citados trabalha na linha de frente ou integra o grupo prioritário; omissão na elaboração e publicação do Plano de Vacinação, que contribuiu para afrouxar as fiscalizações.

O órgão pede ainda no documento que além do prefeito e a secretária, seja afastado o subsecretário de Saúde, Luis Cláudio de Lima Cruz, e dos assessores da Secretaria Municipal de Saúde Djalma Pinheiro Pessoa Coelho, Stenio Holanda Alves e Clendson Rufino Ferreira.

O MP investiga também e expediu mandados de busca e apreensão a serem cumpridos contra o secretário municipal de Limpeza Urbana, Sebastião da Silva Reis e a secretária municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania, Jane Mara Silva de Moraes.

Referente a omissão no planejamento e ao desvio de doses da vacina, o MP afirma que dez médicos foram contratados de maneira irregular, e também são alvos da investigação, e podem responder por crime de falsidade ideológica.

*Com informações do G1

Comentários