Brasil

Confronto deixa indígenas feridos e policial atingido com flecha em manifestação em Brasília

Os policiais usaram bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta para dispersar os manifestantes. Já os indígenas atiraram flechas contra os seguranças

diario da manha

Um grupo de indígenas e, policiais militares e legislativos entraram em confronto, no início da tarde desta terça-feira (22), em frente ao Anexo 2 da Câmara dos Deputados, em Brasília. As informações são de que três agendes ficaram feridos por flechadas.

De acordo com o Metrópoles, os feridos são um policial legislativo e um militar, além de um profissional da área administrativa da Câmara. O integrante da Polícia Legislativa, Ricardo Miranda, foi levado pelo Corpo de Bombeiros do Distrito Federal para atendimento no Hospital Santa Lúcia. Ele deve passar por uma cirurgia para retirada de uma flecha alojada na perna.

O agente administrativo foi atingido no tórax e também foi levado ao Santa Lúcia. Ele está fora de perigo. Já o PM foi atingido no pé, atendido ainda na Câmara e passa bem.

Indígenas e policiais entram em confronto em frente a Câmara dos Deputados em Brasília-Foto: Reprodução/Metrópoles

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), os policiais usaram bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta para dispersar os manifestantes. Já os indígenas atiraram flechas contra os seguranças.

A militante, Gleiciane Moraes, contou ao Metrópoles que a intenção inicial do grupo era se concentrar em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas foi interrompido em frente à Câmara dos Deputados.

“Eu vi que eles [indígenas] foram desviados aqui para o Anexo da Câmara e foram recebidos a bala, muitas balas. Quando eu cheguei até aqui vi essa carnificina, várias pessoas feridas. Eles estão impedindo que cheguem até o STF”, contou a militante de causas das minorias.

Protesto no Congresso Nacional

No último dia 8 manifestantes de cinco etnias também realizaram um protesto no Congresso Nacional contra a aprovação do Projeto de Lei nº 490, de 2007. A proposta do governo desagrada os grupos porque liberaria a mineração comercial e agricultura em terras indígenas.

Para as lideranças, caso o projeto seja aprovado, terras indígenas serão liberadas para exploração predatória, e novas demarcações ficariam inviabilizadas. Por isso buscam que o projeto seja definitivamente retirado da pauta.

A matéria seria analisada pela Câmara nesta terça-feira (22/6). O Projeto de Lei nº 490, de 2007, prevê alterações nas regras de demarcação de terras e é visto como um enorme retrocesso pelos indígenas que têm protestado em Brasília há mais de uma semana. O texto regulamenta também a exploração de minérios nesses territórios.

Íntegra da nota da Câmara Legislativa sobre a confusão:

“Por volta das 12h30 desta terça-feira, cerca de 500 indígenas, em sua maioria armados com flechas e tacapes, tentou invadir o Anexo II da Câmara dos Deputados. De início, eles derrubaram os gradis da entrada do edifício e os arremessaram contra os policiais legislativos.

Logo depois, várias flechas foram disparadas contra os policiais, ainda na tentativa de invasão do anexo. Os policiais legislativos repeliram os indígenas com bombas de efeito moral, gás de pimenta e gás lacrimogêneo. Não houve disparo de tiros ou qualquer tipo de agressão física contra os manifestantes.

Um policial legislativo foi atingido na perna por uma flecha e um servidor da área administrativa da Polícia Legislativa foi flechado no tórax. Ambos foram transferidos para um hospital privado do Distrito Federal.

Um policial militar foi flechado no pé, mas já foi atendido no Departamento Médico da Câmara e passa bem. O Anexo II da Câmara não foi ocupado. A situação está calma no momento e os indígenas não estão mais no local.”

*Com informações do Metrópoles.

Leia também:

Comentários