Brasil

Filho é suspeito de matar a própria mãe para ficar com a herança no Guarujá

Bruno nega as acusações e afirma que os únicos bens que mãe tinha era a casa e um carro

diario da manha
Foto: Reprodução

Bruno Eustáquio Vieira, de 23 anos, é o principal suspeito de matar a própria mãe, Márcia Lanzane, de 44, no Guarujá. Após as investigações sobre o crime, e o inquérito policial praticamente finalizado, na visão do Ministério Público, o rapaz cometeu o crime para ficar com a herança deixada pela genitora.

Segundo a publicação do portal IG, ao menos oito pessoas foram ouvidas, e em seus depoimentos alegaram que o principal suspeito do crimes, passou a viver uma vida de luxo, a qual não era condizente com sua realidade. Além disto, nos depoimentos, as testemunhas afirmaram as discussões entre Bruno e sua mãe eram constantes.

Familiares e conhecidos contaram à polícia que o rapaz mudou seu comportamento, após demonstrar interesse em fazer o curso de medicina, e que em função disto, ele passou mais tempos com pessoas com um poder aquisitivo maior. De acordo com as testemunhas, isso contribuiu para que ele aumentasse a sua vontade de sair para outros lugares com maior status social.

Outro ponto citado pelas testemunhas foi a questão da moradia do rapaz, que também era alvo de discussão entre Bruno e sua genitora. No depoimento, familiares e conhecidos afirmaram que em diversas ocasiões, o rapaz dizia que a casa onde moravam lhe dava “vergonha” e que era preciso se desfazer do imóvel, para se mudar para outro bairro.

No inquérito da Polícia Civil (PC) a polícia afirma que Bruno matou a mãe por motivo torpe, e o indiciou por homicídio doloso (quando há intenção de matar). Embora a defesa do rapaz negue as acusações, e afirma que não existe nenhum documento que comprove que Bruno tinha interesse na herança deixada pela mãe.

O rapaz nega as acusações e afirmou que os únicos bens que sua mãe tinha era a casa e um carro.

Leia também:

Comentários