Brasil

Por chamar Bolsonaristas de corno, PM de São Paulo vira alvo de investigação

Em um dos trechos do vídeo, o militar afirma que vai ser fácil identificar essa "cornaiada, eles vão estão lá gritando mito, mito, mito"

diario da manha

Uma sindicância foi aberta pela Polícia Militar de São Paulo (PMSP) após o sargento Renato Kenjiro Tamaki, de 41 anos, aparecer em um vídeo no qual ele chama “bolsonaristas” de cornos. O vídeo ganhou as redes sociais e tem apenas 39 segundos, e o mesmo foi divulgado pouco antes do feriado do dia 7 de setembro, que foi marcado pelas manifestações de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (Sem partido).

O militar aparece próximo de uma piscina e começa a falar que nas manifestações do dia 7, seria a maior concentração de cornos por metros quadrado. O sargento afirma também que tal movimentação colocaria o Brasil no Guinnes, o livro dos recordes.

No vídeo o PM afirma “e fácil identificar essa cornaiada ai, eles vão tudo lá gritando mito, mito”. O policial gravou um novo vídeo essa semana, no qual disse que está sendo investigado pelos comentários feitos antes das manifestações do dia 7 de setembro e que ainda está sendo ameaçado.

Confira o vídeo gravado na véspera do dia 7 de setembro:

O militar afirmou também que o vídeo foi gravado em um momento de folga, no qual ele não estava fardado e o mesmo enviou para um grupo de WhatsApp, o qual foi criado por colegas do jiu-jitsu e com 50 pessoas no grupo.

A PMSP divulgou uma nota à imprensa na qual informou que o sargento foi transferido, e na qual confirma que ele é investigado na sindicância. A nota indica ainda que ao final das investigações, o policial pode ser punido.

*Com informações do Metrópoles

Leia também:

Comentários